sexta-feira, 11 de maio de 2012

Maioria esmagadora da Rússia apoia proibição de propaganda gay


MOSCOU, Rússia, 19 de abril de 2012 (LifeSiteNews.com) — Um projeto de lei para criminalizar a propaganda do movimento homossexual, principalmente propaganda visando crianças, está recebendo a aprovação da maioria esmagadora do público russo. Uma pesquisa de opinião pública conduzida pela agência de pesquisa estatal VTsIOM revelou que 86 por cento dos 1.600 entrevistados em toda a Rússia disseram que apoiam uma lei que proíba a promoção de relacionamentos homossexuais.
Recentemente, a delegação da Federação Russa na Cúpula do G8 se recusou a apoiar uma declaração conjunta de ministros de relações exteriores que incluía indivíduos “lésbicos, gays, bissexuais ou transgêneros” em sua defesa de direitos humanos. Uma nota de rodapé da declaração diz: “A Federação Russa se dissocia dessa linguagem considerando a ausência de definições ou cláusulas explícitas relativas a tal grupo ou tais indivíduos como detentores de direitos separados sob as leis internacionais de direitos humanos”.
Sergei Ryabkov, vice-ministro de relações exteriores da Rússia, disse que “sob o pretexto de proteger tão chamadas minorias sexuais, na realidade há uma propaganda agressiva e a imposição de certas condutas e valores que podem insultar a maioria da sociedade”.
Entretanto, oitenta e cinco por cento dos entrevistados em Moscou e São Petersburgo, e 96 por cento das áreas rurais — no total, 94 por cento — disseram que nunca viram nenhuma “propaganda gay”. A pesquisa de opinião pública revelou que a principal fonte das propagandas é a televisão, que concentra 57 por cento de todos os exemplos. Oitenta por cento dos entrevistados se referiram ao “culto que é prestado ao homossexualismo” em todos os meios de comunicação.
Em março, a prefeitura de São Petersburgo foi alvo de indignação quando aprovou uma lei que proíbe a promoção de relações homossexuais e pedofilia para menores de idade. Ativistas homossexuais da Rússia e outros países convocaram um boicote de viagens a São Petersburgo, um popular destino turístico. Um projeto de lei semelhante desde então foi introduzido no Parlamento federal, e uma autoridade da cidade de Moscou disse nesta semana que a capital da Rússia está considerando uma lei para proibir a promoção da sodomia, informou o serviço noticioso RIA Novosti.
Michael Birnbaum, jornalista do jornal Washington Post, diz que durante as recentes eleições nacionais, um sentimento antiocidental, inclusive críticas pesadas à cultura homossexual e sua aceitação generalizada, tiveram destaque e proeminência na retórica das campanhas.
A lei de São Petersburgo pode impor multas equivalentes a 17.000 dólares pela divulgação de “propaganda da sodomia, lesbianismo, bissexualidade ou transexualidade entre menores”. Isso inclui “informações que formam concepções deturpadas da equivalência social das relações de casamento tradicional e não tradicional”.
Tais leis estão destinadas a ganhar popularidade num país em que uma pesquisa de opinião pública de 2010 revelou que 74 por cento dos russos disseram que os homossexuais são “depravados ou aleijados morais” e acreditam que a homossexualidade é “uma perversão mental sem moral”.
Traduzido por Julio Severo do artigo de LifeSiteNews: Russians overwhelmingly endorse ‘gay propaganda’ ban

Nenhum comentário: