sexta-feira, 4 de maio de 2012

As “novinhas” do funk e a apologia da pedofilia

Por Everth Queiroz Oliveira
Já há algum tempo queria escrever sobre este assunto – a apologia da pedofilia estampada nas músicas de funk. Só agora arranjei tempo para fazer um artigo em cima deste tema, e já aproveito para manifestar o desejo de analisar também outras letras de música, não só as de funk. A modernidade conseguiu produzir um verdadeiro “lixo musical”, trazendo composições asquerosas, que beiram a irracionalidade. O próprio ritmo das canções é organizado a fim de permitir a licenciosidade, a “baixaria”, a promiscuidade.
Escrevi, há alguns dias, um texto comentando as profecias do Papa Paulo VI sobre as consequências que experimentaria o Ocidente ao aceitar a mentalidade contraceptiva. Deixe-me retomar trecho da declaração do Santo Padre, a fim de orientar melhor esta reflexão. Ele fala, por exemplo, de “infidelidade conjugal” e “degradação da moralidade”; prevê a interferência do Estado em questões éticas que deveriam ser resolvidas pelo núcleo familiar; e, por fim – e este é o ponto principal a ser tratado neste texto -, alerta para o perigo de que se “acabe por perder o respeito pela mulher”. Destaco:
“É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada.”Humanae Vitae, n. 17
Normalmente, quando o Papa se manifesta, as pessoas agem com indiferença, não dão muita credibilidade ao que é dito. Os homens fazem-se “senhores de si mesmos” e tendem a interpretar qualquer expressão que lhes contrarie como mentira, exagero ou algo do tipo. Mas, eis que as profecias de Montini se cumpriram… Mais uma vez, o velho senhor de batina branca está certo. O “respeito pela mulher” foi totalmente perdido. São raríssimas as letras compostas nos últimos anos que apelam para a valorização da personagem feminina, de sua beleza, de seu charme e de outras de suas qualidades. Nas canções hodiernas, a mulher fica reduzida a um “simples instrumento de prazer egoísta”.
Isto pode ser facilmente notado de modo especial nas letras das músicas do que hoje se chama de “sertanejo universitário” – que muitas vezes se manifesta como uma “vulgarização” da autêntica música sertaneja – e também nas letras do ritmo funk. E é sobre esta última música que falaremos, especificamente.
Ultimamente, as letras deste ritmo estão usando muito o termo “novinha”.  Procuro o termo no Letras.com.br e encontro até bandas (!) com a expressão em seus nomes.  Afinal, quem são estas “novinhas” do funk?  Partamos à análise de algumas letras, a fim de descobrirmos quem são estas personagens. A primeira música é “Novinha, vê se me escuta”, cantada por Mc Deeh e Mc Geovane:
Aos 15 anos de idade a novinha saía a curtir baile funk,
fexava com Mc Deeh e também com Mc Geovane,
Quando nóis chegamo no baile as novinha já tudo se assanha,
no baile funk bombando, o Geovane e o Deeh, os muleque piranha…”
A primeira letra já enuncia de que faixa etária estamos falando. “Novinha” diz respeito à idade da mulher. Neste caso, quem dança com sensualidade é a menina de “15 anos de idade”. Mas não fica só nisso porque, no decorrer do baile, os funkeiros partem pra cima da garota e têm relações sexuais com ela (“nóis leva as novinha pro canto, dá uma letrinha, que ela se entrega”).
Em outra música, de Mc Frank, de nome“Vai novinha” (sic), a referência ao sexo é ainda mais explícita (“eu vou te deixar maluca, tu vai ficar suadinha”). No fim da música, o sujeito diz claramente o que vai fazer com a “novinha”, falando de modo direto como será feito o sexo – não reproduzo o trecho aqui por ser altamente obsceno. Da mesma forma acontece na música “Novinha, tu tá sentindo” (sic), de Mc Smith; ali, ele leva a “novinha” para um lugar reservado justamente para, novamente, ter sexo com ela.
A segunda letra que analisamos é “14 e 37” – outra menção à idade das mulheres -, na qual Mc Dido e Digão discutem qual a melhor escolha: se são as garotas mais jovens – isto é, as “novinhas” – ou as mulheres mais velhas – que na música são chamadas carinhosamente de “velha[s] de bunda fraca”. Abaixo, o trecho no qual Mc Dido defende o uso das “novinhas” para a obtenção de seu prazer sexual.
“Mas escuta mano Digão, você tá de palhaçada
 trocando as novinha pras velha de bunda fraca
Sem neurose eu dou-lhe o papo, sou Dido, canto e não minto
Não esqueça das novinha, esquece as velhas de peito caído
Olha eu vou te dar o papo, Digão, vê se me escuta, vê se larga
Essas velhas, velha da [CENSURADO] murcha, mas eu vou te dar o papo
Tranquilão não faço pose, que se dane as de 37 eu prefiro as de 14…”
A faixa etária destas meninas é de 14 anos! Considerando a idade daqueles que mantêm relações sexuais com elas, configura-se, aqui, crime de pedofilia. Mas, afinal, para que respeitar a Lei? Em outra letra, de Mc Kelvin, de nome“Novinha safada”, o indivíduo comemora a revogação do art. 214 do Código Penal, que era, como informou o Jefferson Nóbrega, “o artigo que caracterizava o atentado violento ao pudor”. Nessa música, o moleque se mostra aberto ao relacionamento com “novinhas” de outras idades, além das já expostas (“17, 16, vem de 15 e 14, não posso me esquecer das de 13 e as de 12…”).
Está clara a defesa que estes homens do funk fazem da pedofilia, mostrando a que ponto chegou a “degradação da moralidade” no nosso século. Ao lado deste uso da mulher como objeto sexual, ao lado deste desrespeito à sua dignidade, caminha a própria violência. Para encerrar este post, trago aqui trecho da letra “Novinha”, de Mc Martinho. Mais que sexo, o que este último quer mesmo é matar com violência a garota que dança.
“Eu vim te falar do meu proceder
Descubra você todo meu sentimento
Mais se debochar,  logo avisar
Que duas pistola é meu fundamento
É melhor não faltar com respeito
Sujar o meu nome perante a favela
Que eu te deixo esticada no chão
Dou tiro na sua mão e quebro suas pernas
Eu vou te levar pro microondas, mas antes eu rasgo
Seu corpo na bala

Pra família te reconhecer, só mesmo no exame da arcada dentária.”
Essas letras criminosas tocam em bailes funk e as pessoas dançam e cantam como se nada de mais estivesse acontecendo, como se fosse apenas uma canção ou um ritmo que as pessoas “curtem”. O fato é que composições como as vistas acima não podem ser encaradas nem como legítimas manifestações culturais, posto que uma cultura que degrada e rebaixa a mulher à vileza, à violenta submissão e à condição de objeto, uma cultura que exalta a pedofilia e a pornografia infantil, uma cultura que perdeu a própria noção de decência, é dotada de um permissivismo que coloca em xeque os próprios fundamentos da nossa Civilização. Quantas crianças não são cruelmente jogadas neste “lixo” que é produzido todos os dias ao redor deste Brasil? Quantos pais não ensinam seus filhos a ouvirem e dançarem estas aberrações, formando para o futuro “novinhas” prontas para ser assediadas por esses sujeitos indecentes?
Pior do que não crer no inferno é fazer, já da vida neste mundo, um verdadeiro inferno para as famílias e para a toda a sociedade. E é esta a contribuição do funk para o nosso tempo.
Graça e paz.
Salve Maria Santíssima!
* * *
Esta postagem foi escrita com o apoio indispensável do artigo Quem são “as novinhas” do funk? A apologia à pedofilia e a erotização precoce, do blog O Candango Conservador.

Um comentário:

stefan disse...

Católicos no “ PONTO DE ENCONTRO COM O DIABO?”
Os locais em que se concentram essas bandas e roqueiros muito doidões, bailes funks e carnavalescos, shows como Lady Gaga e semelhantes, axés, festas halloweens, ou doutras modalidades, como as sexo-novelas, filmes e vídeos pornôs e BBBs da vida etc., os mais diversos estilos, ritmos e tendências, uma parafernália de som e agito totais, em que se embalam à base de álcool, drogas, sexo e todo tipo de perversão e alienação possíveis nessas concentrações populares.

De fato, esses estratagemas fazem parte de um plano satânico de desagregar as pessoas por meio de promiscuidades gerais, fragmentá-las, desfamiliarizando-as, destruindo todas as referências ético-morais cristãs para dividi-las entre si, engajando-as cada uma em determinado movimento reivindicatório, sempre cobiçando algo a mais e subvertendo-as à adoção do aborto, uniões gays, glbts, amor livre etc., o que aumentará a violência e facilitará futura dominação de povo incauto e alienado por um Estado socialista totalitário, opressor, materialista e ateu, uma verdadeira patrulha ideológica - síntese dos projetos da NWO/SHA.

Aliás, quem participa também de qualquer evento desses níveis favorece também a injustiça, por cooperar financeiramente com essas depravações; além do mais, essas bandas de roqueiros alucinados ou individuais, shows, bailes funks e carnavalescos, assim como os componentes desse frenesi total, todos praticamente são consagrados a satanás, provando-o por meio de muitas letras de músicas lascivas ou apologistas ao diabo, vícios e comportamentos gerais e algumas tatuagens específicas de seus seguidores, como cobras, escorpiões, lagartos, etc.

Concluindo: tais situações configuram serem todos os participantes desses shows e locais de "PONTOS DE ENCONTRO E COMPARTILHAMENTO COM O DIABO E COM SEUS COMPARSAS". Acha boa idéia iniciar desde já sua parceria com o diabo para eternidade?
A bênção, Dom Luiz!