quinta-feira, 19 de abril de 2012

Bispos em Aparecida criticam decisão do STF sobre aborto em caso de anencefalia


Estadão - 18 de abril de 2012 | 18h 41
José Maria Mayrink, Enviado especial, APARECIDA

Em discurso, o arcebispo d. Dimas Lara Barbosa afirmou que os ministros optaram pela 'antropoligia reducionista, abrindo uma porta que pode ser escancarada para outras violências contra a vida'

O arcebispo de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, d. Dimas Lara Barbosa, e outros três bispos que participaram nesta quarta, 18, da entrevista coletiva à imprensa, por delegação da presidência da Conferência Nacional dos Bispos do

Bispos na assembleia da CNBB dizem que voltarão a analisar o problema sob o ponto de vista pastoral - Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE
Bispos na assembleia da CNBB dizem que voltarão a analisar o problema sob o ponto de vista pastoral
Brasil (CNBB), na assembleia geral de Aparecida, criticaram duramente os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que aprovaram a interrupção da gestação no caso de fetos portadores de anencefalia.
"Os ministros optaram por uma antropoligia reducionista, abrindo para o aborto uma porta que pode ser escancarada para outras formas de violência contra a vida nascente", afirmou d. Dimas. "A eugenia é um horizonte que a humanidade experimentou em passado recente e que parece ter sido esquecido", acrescentou o arcebispo, depois de classificar como perigosa a decisão do STF.
O bispo de Camaçari, na Bahia, d. João Carlos Petrini, presidente da Comissão Episcopal e Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, advertiu que a decisão do Supremo tem "extraordinário poder de formar consciência coletiva", com sérias consequências no contexto da violência, levando à conclusão, por exemplo, de que "quem incomoda pode ser eliminado".
Para o bispo auxiliar do Rio de Janeiro, d.Augusto Dias Duarte, é preciso perguntar, depois da decisão do STF, se as mulheres que não quiserem abortar seus filhos portadores de meroencefalia terão ajuda do SUS, respeitando-se a sua consciência. 
Para d. Augusto, que é médico pediatra formado pela Universidade de São Paulo (USP), não se deve falar em anencefalia, mas sim em meroencefalia. Esse seria "o termo correto porque apenas parte do cérebro pode estar afetada". Isso explica, segundo o bispo, por que a criança pode sobreviver minutos, horas ou dias depois do nascimento.
D.Joaquim Mol Guimarães, bispo auxiliar de Belo Horizonte, advertiu que é preciso fazer valer o princípio do diálogo porque "por mais sábios que sejam (os ministros), eles não dominam todos os campos". Segundo ele, "o STF tomou para si a tarefa de legislar", disse.
Os bispos admitem que, embora se trate de uma questão resolvida no campo do Judiciário, a assembleia da CNBB voltará a analisar o problema sob o ponto de vista pastoral, para orientação dos católicos. 

Um comentário:

José Henrique disse...

O que faz os Bispos da Igreja Católica, Pq não providenciam a excomunhão dos que se dizem católicos e são favoráveis ao aborto. O aborto é o único pecado passível de ex-comunhão pelo Código de Direito Canônico. Mas infelismente a Igreja católica Apostólica Romana gosta de fazer abaixos assinados etc. E nas Igrejas os padres não ameaçam os abortistas que no Brasil são favoráveis em 75% da população, se os católicos são 63% há de se convir que a grande maioria favorável ao aborto são de católicos. a CNBB precisa deixar de ser uma entidade de informação e se tornar uma entidade de gestão da Palavra de Cristo.