terça-feira, 24 de abril de 2012

AIDS entre jovens gays preocupa Ministério da Saúde

Valor OnLine

16/02/2012 11h33 - Atualizado em 16/02/2012 11h33

BRASÍLIA - O foco das tradicionais campanhas carnavalescas do Ministério da Saúde este ano será os homossexuais homens entre 19 e 24 anos. Segundo dados expostos pelo ministro Alexandre Padilha, os casos de infecção por HIV envolvendo esse público aumentou em 10%, em 2011, sendo que entre jovens em geral diminuiu 20%.


Mas a campanha será direcionada, ou seja, na tv aberta haverá uma mensagem de conteúdo mais geral. Como por exemplo, o fato de existir 10 mulheres para cada 8 homens infectadas pela doença nas pessoas entre 13 e 19 anos.


Além disso, a festa do Carnaval, especificamente em Recife (PE), servirá para o treinamento da força nacional do SUS, que está sendo preparada para atuar nos megaeventos esportivos como a Copa de Futebol em 2014 e a Olimpíada de 2016. 'Estamos aproveitando ocasiões onde há grande número de pessoas', afirmou Padilha. (Lucas Marchesini | Valor) - Globo _________________________________________________________________________________
Ministério da Saúde - Estudo de 2007 
Plano inédito estabelece metas para combater a aids entre gays, HSH e travestis
Pela primeira vez, o Ministério da Saúde lançou um plano de ações para conter a incidência da aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis entre gays, homens que fazem sexo com homens (HSH) e travestis. Durante o lançamento, nesta terça-feira (25), o ministro José Gomes Temporão reforçou a importância da medida. “É fundamental reconhecer a magnitude da aids entre essa população e priorizar ações efetivas nessa área”
O plano tem oito objetivos para gays e outros HSH e seis para travestis. No documento, são priorizados temas como a redução das vulnerabilidades associadas à orientação sexual, a garantia do acesso à prevenção da aids, a ampliação de informações sobre essa população e a garantia de ações nas três esferas de governo. Estudos de comportamento sexual do Ministério da Saúde indicam que gays e HSH têm 11 vezes mais chances de serem infectados pelo HIV do que homens heterossexuais.(Portal Saúde.gov.br)
_________________________________________________________________________________

2012 / 2013 - Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de AIDS e das DST entre GAYS, outros HSH e TRAVESTIS

CENÁRIO EPIDEMIOLÓGICO
 A epidemia do HIV/aids no Brasil é um fenômeno de grande magnitude e extensão. Entre 1980 e junho de 2006 foram identificados 433.067 casos[1]. Houve crescimento acelerado no número de casos até o ano de 1998, quando se passa a verificar uma desaceleração. De 2002 a 2005 foram identificados, em média, 35.000 casos/ano, com taxa média de incidência de 19,4 por 100 mil habitantes. Estima-se que cerca de 600 mil pessoas, entre 15 e 49 anos de idade, vivam com HIV/aids no país.
Desde o início da epidemia, na década de 1980, a aids tem sido um problema crítico de saúde também entre gays, outros HSH *e travestis. Apesar das várias iniciativas e esforços para uma resposta de maior impacto ao avanço da epidemia junto a esses segmentos, há indicadores de que a ocorrência de infecção pelo HIV persiste em patamares elevados.
Em pesquisa realizada sobre atitudes e práticas na população brasileira em 2004 (PCAP-BR) [2], a população de gays e outros HSH de 15 a 49 anos de idade foi estimada em 3,2%, representando cerca de 1,5 milhões de pessoas. Com essa estimativa de base populacional dos HSH foi possível calcular a incidência de aids nesse segmento que, em 2004, foi estimada em 226,5 por 100.000 HSH[3].  Neste mesmo ano, a taxa de incidência para a população geral foi de 19,5 casos por 100.000 habitantes, indicando, portanto, que a taxa de incidência para HSH é 11 vezes maior à da população em geral.
Em estudo realizado entre os conscritos do Exército do Brasil em 2002, com a participação de 33.851 jovens de 17 a 21 anos, a análise por subgrupo populacional mostra diferenças significativas na prevalência do HIV, sobretudo entre HSH e aqueles com 1º grau incompleto. Nessa pesquisa 2,8% dos informantes relataram relações sexuais com homens e a taxa de prevalência do HIV foi de 0,579% dentre os HSH enquanto que na amostra total desse estudo a mesma taxa cai para 0,088%.
Apesar do crescimento do número de casos de aids relacionados à transmissão heterossexual, não se observa a redução da transmissão do HIV por meio de relações sexuais entre homens. Ao analisar o Gráfico 1, nota-se que ocorreu uma redução proporcional dos casos entre usuários de drogas, mas não há redução significativa entre HSH, desde o final dos anos 90.
Entre 2000 e 2005 a proporção de casos de aids nesse grupo, em relação às demais categorias de transmissão da doença entre homens, era cerca de 40%. Este fato, somado aos dados comparativos das taxas de incidência entre HSH e a população em geral, evidencia o impacto da epidemia entre gays, outros HSH e travestis, bem como subsidia e indica a urgência da implantação de uma política pública de enfrentamento do HIV/aids junto a esses segmentos.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Pesquisa entre Conscritos do Exército Brasileiro 1996-2002: Retratos do comportamento de risco do jovem brasileiro à infecção pelo HIV  Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde. 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico – Aids e DST. Ano III nº. 01 - 01ª à 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a julho de 2006 - ISSN 1517 1159.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Pesquisa de Conhecimento, Atitudes e Práticas na População brasileira de 15 a 54 anos, 2004. Secretaria de Vigilância em saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
Para a estimativa da taxa de incidência de aids em Homens que fazem Sexo com Homens (HSH) foi considerada a proporção de HSH por região do Estudo PCAP-BR de 2004 e estimativas populacionais do IBGE.
*HSH = homens que fazem sexo com homens

Nenhum comentário: