sábado, 3 de março de 2012

Graças a Deus, a PUC não é uma "progressista universidade comunista" !

Brasão do Papa Bento XVI
Tempos atrás, a PUC quase foi palco de um movimento em favor da liberação da maconha. A reitoria foi obrigada a fechar o campus para impedir tão abjeto evento. Outro dia escrevemos o post sobre o professor da PUC, o jornalista Leonardo Sakamoto, que propaga a liberação do aborto. Depois disso, ele escreveu outro texto, defendendo a liberação da eutanásia (aqui).

Em razão daquele texto, um leitor que se diz aluno de uma PUC, nos escreveu dizendo que, dependendo do professor que está na sala de aula, a universidade parece uma "progressista universidade comunista". Como dissemos naquele post, PUC significa Pontífícia Universidade Católica, que provém do Pontífice e a ele está subordinada, regida pela Constituição Apóstólica Ex Corde Ecclesiae.

Nesta semana, recebemos a notícia de um evento realizado na PUC-SP, provavelmente convocado pelo grão-chanceler, Cardeal Dom Odilo Scherer e pelo reitor Dirceu de Melo. Foram convidados para o evento todos os Bispos e todo o clero da Arquidiocese de São Paulo.

O reitor, Dirceu de Melo, e o grão-chanceler, Cardeal Dom Odilo Scherer, reuniram a diretoria, os bispos, párocos, vigários paroquiais, diáconos transitórios e permanentes da Arquidiocese de São Paulo,para declarar que "A PUC-SP é da Igreja Católica." (matéria no final)

Se a PUC é da Igreja Católica, deve seguir o Evangelho e a Moral Cristã. Não pode ter em seu corpo docente professores contrariando os ensinamentos da Igreja Católica, dentro ou fora da sala de aula.

É um direito de cada pessoa ter e defender as idéias que quiser. Porém, as escolas e universidades católicas não são obrigadas a admitir empregados com posições contrárias aos seus ensinamentos.

Qualquer empregado, ao ser admitido, assina um contrato se comprometendo a trabalhar pelos objetivos da empresa e dentro dos princípios dela: "1. uma inspiração cristã não só dos indivíduos, mas também da Comunidade universitária enquanto tal; 2. uma reflexão incessante, à luz da fé católica, sobre o tesouro crescente do conhecimento humano, ao qual procura dar um contributo mediante as próprias investigações; 3. a fidelidade à mensagem cristã tal como é apresentada pela Igreja; 4. o empenho institucional ao serviço do povo de Deus e da família humana no seu itinerário rumo àquele objectivo transcendente que dá significado à vida. [17] " (Ex Corde Ecclesiae) Os objetivos da Pontifícia Universidade Católica são de formar profissionais competentes, mas observando a Doutrina Cristã, em absoluta sintonia com o Papa Bento XV.

Os professores abortistas, defensores da eutanásia, da liberação da maconha, da ideologia homossexual ou comunistas podem procurar escolas que defendam essas ideias, por exemplo UnB, para lecionar nelas. Não podem lecionar numa escola católica, que é totalmente contrária a esses posicionamentos.

No caso dos alunos, em qualquer escola, no ato da matrícula, eles assinam um compromisso de obediência ao regulamento interno da escola, inclusive com seus princípios. Os alunos que prestam vestibular para a PUC já sabem que ela obedece os princípios do catolicismo. No ato da matrícula, eles assinam o compromisso de obedecer o regimento interno. A partir daí, eles estão obrigados a cumprir as regras da PUC. Eles não estão obrigados a cursar a PUC. Há inúmeras faculdades por aí. Se forem adeptos do aborto, da eutanásia, da ideologia homossexual, da liberação das drogas, do comunismo, podem procurar faculdades com essas ideias para estudar.

As afirmações do reitor, Dirceu de Melo, e do grão-chanceler, Cardeal Dom Odilo Scherer, que a PUC é da Igreja Católica, na presença de todo clero da Arquidiocese, tem um  simbolismo importante.

POR COERÊNCIA, é preciso que, aqueles que têm autoridade, tomem as providências necessárias para que os princípios cristãos e o catolicismo sejam respeitados pelos professores e alunos.

Graças a Deus, a PUC não é uma "progressista universidade comunista."
Graças a Deus, a PUC é uma universidade da Igreja Católica!


Dom Luiz Gonzaga Bergonzini
Bispo Emérito de Guarulhos
     Jornalista MTb 123
www.domluizbergonzini.com.br

A seguir, a notícia sobre o evento na PUC-SP.

Dom Odilo recebe membros das paróquias paulistanas no Tuca

O Tuca recebeu, na manhã de 23/2, encontro do cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, com párocos, administradores e vigários paroquiais e diáconos transitórios e permanentes da Arquidiocese de São Paulo. O reitor Dirceu de Mello participou da mesa de abertura do encontro, que contou ainda com a presença dos cinco bispos auxiliares da Arquidiocese de São Paulo: Dom Edmar Perón, Dom Julio Endi Akamine, Dom Milton Kenan Junior, Dom Tarcísio Scaramussa e Dom Tomé Ferreira da Silva.

“É uma alegria muito grande para esta Universidade abrigar esse número significativo de sacerdotes numa atividade ligada ao ministério precioso que exercitam”, declarou na ocasião o reitor Dirceu. “Esta casa é também daqueles que hoje comparecem. Nossos cursos estão à disposição dos senhores sacerdotes, para que freqüentem, para que possam repetir aquilo que o reitor está dizendo neste momento: a casa é menos do reitor, é mais do que tudo dos senhores. É mais do que tudo, da Igreja Católica, que, afinal de contas, foi quem criou esta instituição da qual nós todos nos orgulhamos.”

Dom Odilo, grão-chanceler da Universidade, agradeceu as palavras do reitor e se disse alegre por realizar o encontro na PUC-SP. “É significativo para os nossos sacerdotes terem essa consciência que, de fato, a PUC-SP é da Igreja, logo, é um espaço onde devemos ter presença, interesse e acompanhar. Por aqui passam jovens que vão se formar profissionalmente, muitos dos quais vão se projetar na sociedade como lideranças e que, tendo passado pela nossa Universidade, podem receber algo daquilo que a Igreja propõe para a vida em sociedade, para a compreensão da vida, das atividades e das relações humanas”.

44 comentários:

Luciano Perim disse...

Dom Bergonzini,

Como aceitar que professores abortistas continuem lecionando e divulgando seus absurdos impunemente? Já conversou com Dom Odilo a respeito?

Fraterno abraço.
Luciano Perim Almeida
Iúna/ES

Victor Picanço disse...

Alvíssaras!!!

Espero realmente que seja tomada uma firme decisão no sentido de excluir dos quadros de todas as PUCs os professores que atacam a doutrina da Santa Igreja.

o censurado disse...

A PUC pode não ser uma progressista universidade comunista, mas está permeada até as tampas por alunos e docentes progressistas e comunistas.

Isso graças à participação direta de grande parte do clero brasileiro, infelizmente.

De qualquer maneira, quero parabenizar o cardeal Bergonzini pela sua postura frente aos lobos.

Parabéns, cardeal.

Mariana disse...

Sou estudante da PUC e sou católica, assim como toda minha família e adoraria pereguntar uma coisa: EM QUE MUNDO VOCÊ VIVE????
Acho que é preciso parar com a hipocrisia. Cada pessoa é um ser humano individual com ideias a serem RESPEITADAS. A "moral" cristã existente atualmente não só é atrasada, como totalmente reacionária se comparada ao mundo em que vivemos hoje. Que tal começar a prestar atenção em todas as mortes e perseguições que a igreja fez a muitas pessoas no passado? Que tal começar a aceitar os verdadeiros DIREITOS das outras pessoas e parar de olhar para o próprio umbigo?
A PUC é uma faculdade caríssima onde a reitoria não tem a capacidade ou a vontade de realmente investir nos cursos. Acho que a vontade de ganhar dinheiro da igreja está acima de qualquer moral dessa vez.
A igreja prega o amor e respeito ao próximo, mas a única coisa que vejo são pessoas que só pensam em si.Além disso, ainda tem a coragem de querer expulsar professores que possuem muito mais conhecimento e desenvolvimento intelectual do que qualquer senhor padre ou bispo por aí.
Meu filho, uma dica: ABRE SUA CABEÇA, por que independente da sua vontade, não estamos mais no século XV e algumas coisas já mudaram e vão continuar a mudar.
Se você quer voltar ao tempo onde a igreja dominava o mundo, construa uma máquina do tempo.

Gilvan Junior disse...

A PUC É LIVRE! A PUC É NOSSA!

Você pode até não permitir a publicação do meu comentário... Mas nós, Estudantes da PUC-SP, não permitiremos que a Igreja ACABE com a história de nossa Universidade!

A PUC É NOSSA!

Bruno Sátiro de Souza disse...

A PUC como entidade escolar desrespeita seus alunos a muito tempo, não provendo um ensino claro e continuo, com os constantes problemas financeiros vividos por uma falha administração da fundação São Paulo.
Seus alunos tem o sentimento de perda e hipocrisia em uma Universidade, a qual deveria ao mínimo providenciar o aporte ao novo profissional e futuro de um país.
A PUC, não pode em momento algum, se intitular UNIVERSIDADE, primeiramente por não proporcionar a seus alunos um apoio profissional, atualizado e digno, os professores desfilam coerência e, em sua maioria, sabedoria. Os funcionários, partindo do senhor Reitor Dirceu, despejam problemas, complicações e imposições aos alunos que, por mais ignorantes sejam elevam o nome desta.
Pagar uma universidade onde o custo no curso de economia gira em torno de R$ 1.600,00 receber um produto tão desatualizado e incoerente, que os faz ficarem até MARÇO (e ainda sem resolução completa) sem AULA, bem como impor suas “benéficas” mudanças, obrigando e tratando-os como LIXO, com os dizeres “se não concorda, cai fora” é um claro desapego aos princípios morais da sociedade em que, aquele que proporciona educação e formação social-profissional a um ser humano, deve ao mínimo portar-se com entendimento e ausente de pré-conceitos.
Solicitar a mudança de universidade porque o aluno/professor acredita no Aborto, legalização da maconha, eutanásia ou homossexualidade é uma clara demonstração da PRECARIZAÇÃO do ensino superior da PUC e envergonha seus ex e atuais alunos/ professores.
Agradeço a PUC, por orientar a todos a procurarem uma nova Universidade, pois para seguir regras de uma corja DITADORA e antiquada ao pensamento HUMANO onde ensinar é uma prioridade baixa.

e a vocês Cristãos fiéis, respeitar e amar o próximo estão escritos na Biblía e respeitar é aceitar sem excluir as opiniões alheias.

Fábio disse...

Este bispo de Guarulhos SURTOU GERAL! Parece ignorar o fato de que a PUC não pode discriminar estudantes sem correr o risco de ser penalizada pelo MEC e acionada por danos morais no Judiciário. Este bispo é tão ridículo que não merece nem ser combatido. Merece é ser interditado e aposentado por invalidez.

BozoDel disse...

haha se todos comunistas saírem vocês quebram!

Carlos Fragali disse...

Quanto preconceito e falta de informação! Opa.. Normal para um católico congelado pela inquisição. Que deus salve a sua alma!

T. Silva disse...

Enquanto é direito da instituição deixar claro o seu posicionamento relacionado à estes assuntos, a PUC jamais poderá se chamar uma Universidade se censurar e combater idéias e discussões contrárias ao posicionamento da Igreja. Uma Universidade não existe para a indocrinação, mas sim para a livre discussão de idéias, mesmo que sejam contrárias à moral da Instituição.

Carlos Yuri disse...

O ensino superior através de instituições privadas deixou de ser uma concessão pública e ninguém me avisou? Porque se continuar sendo os argumentos do Bispo, salvo melhor juízo, não fazem sentido. Já é discutível a questão de contratação de profs. que compartilhem das mesmas idéias da PUC obrigatoriamente, mas sugerir que apenas alunos católicos poderiam continuar matriculados na universidade é no mínimo tacanho.

Raphael Tsavkko Garcia disse...

HAHAHAHA,que piada! Saudações de um comunista formado pela PUC e que defendia o Aborto nas aulas de teologia! Felizmente o País ainda é Laico e opiniões toscas como as do Bispo são irrelevantes.

Loli disse...

Como o Estado é laico, as universidades devem seguir a lei brasileira que prevê que todos os cidadãos são iguais perante a lei. A lei de Deus, felizmente, fica na universo particular de cada um. Se a PUC quer seguir as leis de Deus, ótimo, que se dedique a outra atividade que não o ensino superior.

Oslec disse...

Viva a liberdade de expressão! Predicado da democracia. Devemos lembrar que estamos numa democracia laica que permite opiniões contrárias, o que poderia não ocorrer numa teocracia ou no comunismo. A questão da homossexualidade e do aborto não são questões apenas de enfoque religiosa e sim de uma abrangência maior, vivemos em uma democracia com princípios constitucionais soberanos. A legislação infraconstitucional penal prevê expressamente a possibilidade de aborto em alguns casos específicos. No caso da discriminação, a Constituição prevê apenas discriminação positiva, também chamada ação afirmativa. Não podemos permitir a intolerância. “Os ensinamentos da Igreja Católica”, no Brasil, não têm preferência a Constituição Federal. Não pode desrespeitar direitos básicos previstos na Constituição, como o direito ao trabalho, a mesma liberdade de expressão que possibilita o missivista expor suas opiniões. Mas nunca preceitos contrários a legislação em vigor.

Victor Figueiredo disse...

Muito triste você tratar professores que constroem essa Universidade tanto (ou mais!) quanto o senhor de forma tão pouco cordial (deixando a entender que eles são "meros" empregados). Muito triste também a Igreja (postura reproduzida pelo senhor) encarar as PUCs como "empresas", o que quer dizer que estão elas voltadas ao lucro (devendo-se levar em consideração tudo de ruim e contrário à tão alardada moral cristã que ele traz em seu bojo).

Mas eu fiquei curioso: o que o senhor sabe sobre o comunismo? O senhor REALMENTE acha que o comunismo está mais contrário à moral cristã do que o Capitalismo? E a maconha, também? Lembrando que se utiliza uma droga (o vinho), mesmo que simbolicamente, em seus ritos.

E a morte de milhares de mães pobres no Brasil (estimada em mais de 200 mil) por causa de abortos clandestinos? O senhor não acha que o aborto é uma questão de saúde pública? O senhor REALMENTE acha que a proibição do aborto vai acabar com ele? E que feio tanto ódio despejado em cima dos homossexuais, quando o próprio Jesus perdoou até seus traidores e nos ensinou a amar ao próximo (não que eu esteja defendendo que a homossexualidade seja errada, veja bem!)!

Por fim, meu caro Dom Luiz Bergonzini, lembre-se de que Jesus, no tempo dele (e ainda hoje!) foi uma pessoa MUITO progressista, até revolucionária, então sugiro-lhe que trate de olhar com mais respeito e curiosidade as pessoas e os movimentos progressistas, antes de destilar veneno em cima deles a torto e a direito.

Saudações.

fábio evangelista disse...

A Universidade deve ser um espaço de discussões acadêmicas e não de disseminação de doutrinas. Se ela é tão católica assim não deveria cobrar mensalidades tão caras e elitistas. Também sou contra o aborto, mas do ponto de vista da legislação estamos num estado laico e democrático, portanto, como fica o direito de expressão das grávidas ateias?
em tempo, ser comunista não tem nada a ver com o uso de maconha, ser ou não favorável ou aborto e por ai vai.
aliás, em relação ao homossexualismo, não tem mais nada liberal que o capitalismo. isso era inaceitável nos antigos países do bloco socialista.
espero ter contribuído para o aprofundamento da questão.

abraços,
fábio evangelista

Ariadne S. disse...

Sou aluna da PUC e defendo a discussão na universidade de assuntos que permeiam a nossa sociedade!
Portanto, sou a favor das opiniões da igreja e de todas as outras representações sociais!

Compreendo o seu argumento, mas, ao meu ver, uma universidade precisa servir à sociedade, precisa estar aberta ao debate, precisa oferecer oportunidade de crescimento e autonomia aos seus alunos, para que possam formar suas próprias opiniões - seja a universidade católica, presbiteriana, comunista ou laica.

Além disso, considero que ser cristão é respeitar o próximo, ser cristão é querer o bem ao próximo. E acredito que este conhecimento a respeito da humanidade está sempre em construção, a fim de sempre compreender qual o melhor caminho a seguir.

Dou graças a Deus por ser puquiana! Por poder ser puquiana, porque não é nada fácil diante das mensalidades abusivas!
Dou graças a Deus por ao estar na PUC ter a oportunidade de ter contato com diversos pensamentos, idéias e defesas para que eu possa me tornar humana, mulher e cidadã.
E a PUC ainda me aceita desta forma.

Parece-me que Pontifícia Universidade Católica começa cada vez mais a pregar o preconceito e o desrespeito e ter uma atitude intolerante. Na minha opinião, isto é romper com os preceitos cristãos.

Graças a Deus a PUC é uma universidade católica, judia, atéia, progressista, comunista, socialista, capitalista e tudo o mais, pois seres humanos são múltiplos e indefiníveis! E graças a Deus a PUC ainda permite tais manifestações...

Ainda.

(E eu ficaria extremamente surpresa se meu comentário fosse aprovado. Grata.)

O Herege disse...

Toda a Universidade Católica, enquanto Universidade, é uma comunidade académica que, dum modo rigoroso e crítico, contribui para a defesa e desenvolvimento da dignidade humana e para a herança cultural mediante a investigação, o ensino e os diversos serviços prestados às comunidades locais, nacionais e internacionais. [14] Ela goza daquela autonomia institucional que é necessária para cumprir as suas funções com eficácia, e garante aos seus membros a liberdade académica na salvaguarda dos direitos do indivíduo e da comunidade no âmbito das exigências da verdade e do bem comum. [15]

PAPA JOÃO PAULO II (In memorium)

CONSTITUIÇÃO APOSTÓLICA
EX CORDE ECCLESIAE
DO SUMO PONTÍFICE
JOÃO PAULO II
SOBRE AS UNIVERSIDADES CATÓLICAS

Victor Picanço disse...

D. Bergonzini, veja esse absurdo:

"A presidente da Associação dos Docentes da PUC-SP (AproPUC), Maria Beatriz Costa Abramides, ressalta que nunca houve represálias da universidade em relação a esses temas. "Sempre lutamos por uma universidade laica e plural. Temos de defender pesquisa, investigação e conhecimento voltados para os interesses da população, não ligados a uma religião".

Quer dizer que os professores lutam por uma universidade LAICA???? COMO ASSIM? A PUC NÃO É LAICA, É CATÓLICA!!!

Sartorato disse...

Uma pena que a corrente principal de pensamento dentro da universidade seja esse retorno à idade das trevas, que condena o debate e o livre pensamento. Em sua ânsia de fechar-se para a realidade, essa universidade, que hoje é referência principalmente por conta de sua pluralidade, se transformará em um tipo de gueto ultrarradical absolutamente desimportante do ponto de vista acadêmico. Uma pena, sinceramente.

ANTI-MOFO disse...

Sou ateu e se eu montasse uma organização para discutir ateísmo, não gostaria de proselitismo católico lá. Da mesma forma, não sei o que o pessoal cujas concepções vão claramente contra o Catolicismo vão fazer justamente na PUC. Seria proposital?

Renato Salles disse...

A liberdade de expressão, a liberdade de emitir opiniões ou ideias está condicionada à verdade, à moral e ao bem comum. Não se pode defender ideias que tanto na teoria quanto na prática já se mostraram completamente falsas e desastrosas para a humanidade (vide Cuba, ex-URSS, Coréia do Norte, etc) ou tendem a destruir alguns dos itens expostos acima. A universidade existe (ou pelo menos deveria existir) não para ensinar uma pluralidade de ideias, como se todas fossem igualmente boas e respeitáveis, mas auxiliar o aluno em compreender e buscar a verdade, independente de gostos pessoais.
É um absurdo que professores defendam um sistema totalitário que matou mais de 100 milhões de pessoas e ainda continua matando por meio do aborto, principalmente numa universidade dita católica.
Em uma universidade católica, deve-se ensinar doutrina católica e ponto final! Quem não tiver satisfeito que se retire!

Jeremias disse...

Caríssimos Ariadne, Fábio, Oslec e cia:
Um Centro Espírita não é uma entidade democrática, como não o é um Partido Verde. Um congrega gente que crê na comunicação com os mortos e o outro congrega pessoas que são contra a Usina de Belo Monte. Seria cretino, cínico, sacana e muito ANTI-DEMOCRÁTICO da minha parte, a pretexto de democracia, entrar num espaço confessional como um Centro Espírita e pregar contra a comunicação com os espíritos, ou ir a uma reuniao do PV e pregar contra a preservação ambiental na cara dos verdes. A PUC é um espaço confessional, democratica e constitucionalmente regulado pelo contrato entre aluno e proprietário da instituição, cada parte sabendo das regras do contrato. É pegar ou largar! Anti-democrático é obrigar um espaço confessional a aceitar que se pregue exatamente contra o que ele crê. VAI SER CRETINO ASSIM LÁ LONGE!!!

Luiz Fernando disse...

Continuação...


Outro demagogo esquizofrênico de plantão, o senhor Fábio Evangelista, diz assim: “A Universidade deve ser um espaço de discussões acadêmicas e não de disseminação de doutrinas. Se ela é tão católica assim não deveria cobrar mensalidades tão caras e elitistas.” Uai, Fábio? Mas a PUC não é católica, não?! Então eu estou certo, rapaz! Obrigado por concordar comigo! A PUC deveria mesmo mudar seu nome para “Progressista Universidade Comunista”, porque o corpo doente (sic!) vive apenas de divulgar doutrina marxista. Aquele curral de petistas deveria mesmo mudar sua nomenclatura, e retirar das costas o peso de uma Igreja que os mantém, os paga, os sustenta, os alimenta! E eu vou inverter o seu raciocínio apenas para mostrar uma incoerência daquele corpo doente (sic!) da PUC: concordo com você que a mensalidade é alta, e os professores são muito bem remunerados! No entanto, eles vivem de discursinho demagogo e socialista, em prol dos valores de uma sociedade fraterna, justa, igualitária, mas vivem, também, como fruto do salário que eu e tantos outros pagamos a eles, ostentando os valores do capitalismo burguês e judaico-cristão que eles odeiam, eles vivem circulando no estacionamento da PUC Minas com carrões importados, fabricados pelas nações imperialistas que tanto oprimem as nações do terceiro mundo. Ah, meu caro! Os professores são ridiculamente cínicos, falsos e demagogos!

O plantão dos demagogos continua rendendo frutos. Mais uma demagoga, agora a sra. Ariadne S., que diz assim:

“Além disso, considero que ser cristão é respeitar o próximo, ser cristão é querer o bem ao próximo.”

Pois é! Que pena que, por exemplo, os cristãos estão em vias de perderem o direito de serem respeitados, como já acontece em outros países que estão cedendo à ditadura da militância gayzista. Daqui a pouco o Brasil vai aprovar a lei da mordaça gay e o respeito pela minha religião será anulado. Que pena que os nascituros também não são respeitados pelo discurso das feministas de plantão que lotam o corpo doente (sic!) da universidade brasileira.

“Parece-me que Pontifícia Universidade Católica começa cada vez mais a pregar o preconceito e o desrespeito e ter uma atitude intolerante. Na minha opinião, isto é romper com os preceitos cristãos.”

Pois é! A sua cegueira não permite ver que é o contrário, minha filha. Cada vez mais quem é de direita, conservador, católico, é desrespeitado e obrigado a se calar, por força de lei, inclusive. Eu garanto a você que naquele hospício esquerdista chamado PUC Minas eu não tenho qualquer liberdade de expressar as minhas opiniões, porque sou “aluno” (eu não me considero, de fato, aluno daquele corpo DOENTE [sic!]) de um bando de esquerdopatas e petralhas.

“Graças a Deus a PUC é uma universidade católica, judia, ateia, progressista, comunista, socialista, capitalista e tudo o mais, pois seres humanos são múltiplos e indefiníveis! E graças a Deus a PUC ainda permite tais manifestações...”

Pois é! Mais uma pessoa que concorda comigo! A PUC é um caldeirão de ideias, no qual só não tem espaço o ideal católico. Que pena.

Por fim, Anti-Mofo, um ateu lúcido, faz a afirmação mais coerente entre todos os comentários deste post. Ele diz: “Sou ateu e se eu montasse uma organização para discutir ateísmo, não gostaria de proselitismo católico lá. Da mesma forma, não sei o que o pessoal cujas concepções vão claramente contra o Catolicismo vão fazer justamente na PUC. Seria proposital?”

Muito obrigado, Anti-Mofo! Eu não tenho mais nada a acrescentar as suas palavras. Você está corretíssimo! Que o corpo doente (sic) da PUC Minas vá procurar trabalho nas universidades públicas, federais e outras tantas que vivem debaixo do cabresto progressista do governo maldito deste país.

Para debochar daquela instituição eu criei uma nova logomarca e novos slogans, e remeto vocês ao post que está divulgado no meu blog:


PUC Minas - O bordel esquerdista lança nova logomarca

http://doislobos.blogspot.com/2012/03/puc-minas-o-bordel-esquerdista-lanca.html

Luiz Fernando de Andrada Pacheco

Douglas Silva Souza disse...

A PUC é uma Universidade Católica.
Os alunos sabem que a PUC é uma Universidade católica e assinaram um contrato com a mesma e conhecem seu regimento.
Ninguém é obrigado a estudar na PUC, se fez a escolha por esta Universidade é porque concorda com seu regimento e aprova sua metodologia de ensino.
Se não concorda com a PUC, então procure outra Universidade.

Gabriel disse...

Eu pergunto se sabe o que representa uma Universidade, qual o propósito original de uma Instituição do conhecimento?
Depois questiono se o conhecimento sobre normas se restringe ao âmbito religioso?
Até aonde eu saiba, a República Federativa do Brasil é um Estado LAICO E DEMOCRÁTICO, sendo um de seus princípios a LIBERDADE de opinião.
Também é um Estado de Direito, regrado por Leis que obedecem aos seus princípios. Não há subordinação aos valores e normas religiosas.
Sr. Bispo, o regimento interno da PUC/SP podia ter sido emanado pelo próprio Papa , que mesmo assim se subordinaria as Leis e princípios constitucionais e legais do Estado LAICO da República Federativa do Brasil.
A Instituição é mesmo Católica, mas nosso Estado, GRAÇAS A DEUS é Laico.

Tony disse...

PARABÉNS! A PUC NÃO É UM REDUTO DE MACONHEIROS, NEM ADEPTOS DE PARADA GAY NEM PARADA LÉSBICA. LÁ É LUGAR DE SE ESTUDAR, E NÃO DE DEFENDER POSIÇÕES SEXUAIS, NEM DE FUMAR BASEADO. ACORDA BRASIL!

Pseudo_Nerd disse...

parei hoje pra ler o artigo, e sinceramente concordo que dentro de uma universidae católica os princípios cristãos e o catolicismo devam ser respeitados pelos professores e alunos. Assim como numa organização ateísta um catolico propagando o catolicismo, ou numa parada gay alguém propagar o catolicismo seria incoerente, numa universidade católica alguém que propague o aborto, a eutanásia, a ideologia homossexual e a liberação das drogas estaria sendo incoerente igual. Liberdade de expressão e opinião é uma coisa, e pode ser discutida, agora propagar algo contrário ao que uma universidade que traz "catolica" no nome defende, dentro dela, é uma coisa totalmente incoerente. Isso me lembra o filme "A ONDA".

Jeremias disse...

Essa questão das PUCs e UCs é mesmo uma coisa lamentável. É incrível a confusão conceitual feita por gente que deveria ter como compromisso acadêmico/profissional justamente a precisão conceitual. O conceito de democracia e liberdade de expressão (alegadas pelos adversários da identidade cristã-católica das nossas universidades)é risível e patético. Transcrevo aqui um comentário interessante de um certo Jeremias, que encontrei no site de Dom Luis: “Um Centro Espírita não é uma entidade democrática, como não o é um Partido Verde. Um congrega gente que crê na comunicação com os mortos e o outro congrega pessoas que são contra a Usina de Belo Monte. Seria cretino, cínico, sacana e muito ANTI-DEMOCRÁTICO da minha parte, a pretexto de democracia, entrar num espaço confessional como um Centro Espírita e pregar contra a comunicação com os espíritos, ou ir a uma reuniao do PV e pregar contra a preservação ambiental na cara dos verdes. A PUC é um espaço confessional, democratica e constitucionalmente regulado pelo contrato entre aluno e proprietário da instituição, cada parte sabendo das regras do contrato. É pegar ou largar! Anti-democrático é obrigar um espaço confessional a aceitar que se pregue exatamente contra o que ele crê. VAI SER CRETINO ASSIM LÁ LONGE!!!
Muitos adeptos da “democracia” na PUC invadiram o blog do Dom Luis com argumentos fraquissimos alegando a função da Universidade e a CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, mas é exatamente a constituição que garante a liberdade de ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA E DE ENSINO CONFESSIONAL NO BRASIL. O Dom Luis levantou uma polêmica extremamente pertinente e tocou o dedo numa ferida sensível que mexe com a maioria dos bispos brasileiros. Resta saber se eles (os bispos) estão dispostos a encarar esse problema sendo coerentes até o fim. Pois a questão economica (perda de alunos, decorrente de uma maior assunção da identidade católica pelas PUCs e UCs) acaba sendo um critério decisivo para a maior parte dos bispos, com todo o respeito que lhes devo como sucessores dos santos apóstolos. A reação maciça de estudantes e professores contra a posição de Dom Luis, revela a proporção que essa CONTRADIÇAO tomou: NÃO SE PODE SER CATÓLICO EM TERRENO CATÓLICO! Pois uma PUC ou UC é um terreno tão confessional como qualquer uma das nossas paróquias, é terreno nosso onde ninguém tem que apitar nada. Mas a coisa está tão burramente invertida (e com uma burrice conceitual, espantosa!) que os retardados mentais dos estudantes (os que tem protestado contra Dom Luis) se declaram os donos das PUCs, achando que posições como a de Dom Luis é que são invasivas da sua autonomia e do seu espaço. Que diabo é isso. Será que não sabem o significado da palavra ROUBO e da palavra LADRÃO??? Isso é apropriação indébita, é roubo, é invasão absolutamente ilegítima de espaços que não me pertencem. Esse tipo de reivindicação só faz sentido no tocante à universidades públicas e olhe lá (dependendo do que se defende, nem nas públicas). Agora tem graça, eu entrar num colégio ESPÍRITA, por exemplo, e FAZER boicote de todas as posições espíritas e trabalhar numa direçao contrária às do colégio espírita. AINDA NÃO ESTAMOS EM CUBA OU CORÉIA DO NORTE, para impedir as instituições (católicas, espíritas, atéias, etc) de se organizarem de acordo com a própria identidade. ESTOU PASMA COM A BURRICE E A DIFICULDADE DESSES ESTUDANTES (os que protestaram na PUC contra Dom Luis) DE DAR CONTA DE COMPREENDER CONCEITOS CLAROS E SIMPLES COMO, LIBERDADE DE EXPRESSÃO, DEMOCRACIA, LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA E ENSINO CONFESSIONAL, CONTRATO LIVRE ENTRE PARTES QUE CONHECEM AS REGRAS DO JOGO,ETC. OU É EXTREMA BURRICE E DESPREPARO INTELECTUAL PARA ENTENDER O BÁSICO OU É MÁ FÉ E CINISMO!

Jeremias disse...

Proibir uma universidade católica de ser católica (como a obviedade do próprio título indica que deva ser!) é uma autentica perseguição religiosa, além de ser claramente anticonstitucional e anti-democrático. Aliás, segundo a orientação da igreja católica, o governo deveria até mesmo financiar as entidades de ensino confessional, como ocorre por exemplo na Austrália. Vejam vocês que na Austrália (um pais laico e secularíssimo!) colégios católicos, com plena liberdade de serem católicos e de não permitirem anti-catolicismo lá dentro de suas paredes, são financiados sim senhores, pelo GOVERNO!!!E a fórmula é simples e racional assim: 1º) O governo é obrigado a financiar educação para todos (e nesses todos, estão incluídos os católicos.) 2º) Ninguém pode ser proibido de manifestar sua fé e convicção em espaços públicos. RESULTADO da EQUAÇÃO: aqueles que tem direito à educação (financiada pelo governo) podem se reunir (direito à manifestação pública da sua fé) para realizarem a própria educação, segundo os princípios da própria fé, criando suas próprias escolas, cuja adesão a princípios próprios de fé, não devia servir de forma alguma (sob pena de se constituir uma situação de discriminação) de pretexto para o governo não financiá-la. Veja que a agenda de lutas, do ponto de vista católico, devia ser na verdade ainda mais ousada: NÃO SÓ SALVAGUARDAR O DIREITO DE IDENTIDADE DA ESCOLA E UNIVERSIDADE CONFESSIONAL (católica, protestante, espírita, etc), mas AINDA EXIGIR SEU FINANCIAMENTO PELO GOVERNO, POIS OS ESTUDANTES CATÓLICOS (e de outras fés) E SEUS PAIS PAGAM OS IMPOSTOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO. O único argumento e pretexto que o governo poderia alegar para não financiar uma escola católica é o eventual fato, de ela não atender às exigências acadêmicas, relativamente aos conteúdos ensinados (e nesse ponto, as escolas católicas do Brasil, são de excelência). Mas quem no Brasil, sobretudo entre nossos bispos (com honrosas exceções) está disposto a peitar essa boa briga?????

Jeremias disse...

Essa questão das PUCs e UCs é mesmo uma coisa lamentável. É incrível a confusão conceitual feita por gente que deveria ter como compromisso acadêmico/profissional justamente a precisão conceitual. O conceito de democracia e liberdade de expressão (alegadas pelos adversários da identidade cristã-católica das nossas universidades)é risível e patético. Um Centro Espírita não é uma entidade democrática (no sentido de ali caber toda e qualquer posição) como não o é um Partido Verde. São espaços confessionais/ideológicos que congregam legitimamente, pessoas que pensam a mesma coisa. Um congrega gente que crê na comunicação com os mortos e o outro congrega pessoas que são contra a Usina de Belo Monte. Seria cretino, cínico, sacana e muito ANTI-DEMOCRÁTICO da minha parte, a pretexto de democracia, entrar num espaço confessional como um Centro Espírita e pregar contra a comunicação com os espíritos, ou ir a uma reuniao do PV e pregar contra a preservação ambiental na cara dos verdes. A PUC é um espaço confessional, democratica e constitucionalmente regulado pelo contrato entre aluno e proprietário da instituição, cada parte sabendo das regras do contrato. É pegar ou largar! Anti-democrático é obrigar um espaço confessional a aceitar que se pregue exatamente contra o que ele crê. VAI SER CRETINO ASSIM LÁ LONGE!!!
Muitos adeptos da “democracia” na PUC invadiram esse blog com argumentos fraquissimos (ou burros ou cínicos) alegando a função da Universidade e a CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, mas é exatamente a constituição que garante a liberdade de ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA E DE ENSINO CONFESSIONAL NO BRASIL. O Dom Luis levantou uma polêmica extremamente pertinente e tocou o dedo numa ferida sensível que mexe com a maioria dos bispos brasileiros. Resta saber se eles (os bispos) estão dispostos a encarar esse problema sendo coerentes até o fim. Pois a questão economica (perda de alunos, decorrente de uma maior assunção da identidade católica pelas PUCs e UCs) acaba sendo um critério decisivo para a maior parte dos bispos, com todo o respeito que lhes devo como sucessores dos santos apóstolos. A reação maciça de estudantes e professores contra a posição de Dom Luis, revela a proporção que essa CONTRADIÇAO tomou: NÃO SE PODE SER CATÓLICO EM TERRENO CATÓLICO! Pois uma PUC ou UC é um terreno tão confessional como qualquer uma das nossas paróquias, é terreno nosso onde ninguém tem que apitar nada. Mas a coisa está tão burramente invertida (e com uma burrice conceitual, espantosa!) que os retardados mentais dos estudantes (os que tem protestado contra Dom Luis) se declaram os donos das PUCs, achando que posições como a de Dom Luis é que são invasivas da sua autonomia e do seu espaço. Que diabo é isso. Será que não sabem o significado da palavra ROUBO e da palavra LADRÃO??? Isso é apropriação indébita, é roubo, é invasão absolutamente ilegítima de espaços que não me pertencem. Esse tipo de reivindicação só faz sentido no tocante à universidades públicas e olhe lá (dependendo do que se defende, nem nas públicas). Agora tem graça, eu entrar num colégio ESPÍRITA, por exemplo, e FAZER boicote de todas as posições espíritas e trabalhar numa direçao contrária às do colégio espírita. AINDA NÃO ESTAMOS EM CUBA OU CORÉIA DO NORTE, para impedir as instituições (católicas, espíritas, atéias, etc) de se organizarem de acordo com a própria identidade. ESTOU PASMA COM A BURRICE E A DIFICULDADE DESSES ESTUDANTES (os que protestaram na PUC contra Dom Luis) DE DAR CONTA DE COMPREENDER CONCEITOS CLAROS E SIMPLES COMO, LIBERDADE DE EXPRESSÃO, DEMOCRACIA, LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA E ENSINO CONFESSIONAL, CONTRATO LIVRE ENTRE PARTES QUE CONHECEM AS REGRAS DO JOGO,ETC. OU É EXTREMA BURRICE E DESPREPARO INTELECTUAL PARA ENTENDER O BÁSICO OU É MÁ FÉ E CINISMO!

Jeremias disse...

Caro Gabriel: É óbvio que " a República Federativa do Brasil é um Estado LAICO E DEMOCRÁTICO, sendo um de seus princípios a LIBERDADE de opinião" e exatamente baseado nesses principios democráticos e de liberdade de expressão, que quaiquer membros de quaisquer religiões tem pleno direito de organizarem sua própria educação academica a partir dos principios de sua fé e portanto tem o direito de construir as próprias escolas consonantes com seus principios e isso se chama simplesmente ESCOLA CONFESSIONAL. UM DIREITO DEMOCRATICAMENTE GARANTIDO PELA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA.

Luiz Fernando disse...

Prezado Jeremias,

Salve Maria!

Você disse tudo com muita propriedade, clareza e fidelidade! Muito obrigado! É isso mesmo!

Esse povo esquerdista ordinário deveria pegar os seus cigarrinhos de maconha e ir brincar de dar aula em Cuba, Coreia do Norte ou China que os parta!

Deixo a você o meu comentário completo, que divulguei no meu blog:


http://doislobos.blogspot.com.br/2012/03/puc-minas-comentario-no-blog-de-dom.html


Muito obrigado, Jeremias, por suas palavras!

Um abraço,
Luiz Fernando de Andrada Pacheco

Luiz Mergulhão disse...

Estado laico é Estado Ateu?
Direito das grávidas atéias? E o Direito das crianças nascituras defendido pelo Pacto de são José da Csota Rica? O Pacto asisnadopelo Brasil em 73 já pôs fim à essa discussão... ou ele só vale pra dar direito à caloteiro?

Alex Mamed disse...

Sinceramente, não sei como ainda vem gente defender essas idéias absurdas.
.
Embora eu reconheça a necessidade de discussão na academia, o fato é que a PUC é sim da Igreja Católica. Euq queri ver mesmo era esses valentões debaterem democracia em uma universidade norte-coreana ou cubana.
.
Uma coisa é certa para quem tanto critica o catolicismo: dificilmente vocês encontrarão terreno tão fértil para a toplerância religiosa e de idéias quanto no ambiente católico.
.
O que não podem nos exigir é que nossos espaços sejam utilizados para massacrar e exterminar nossos valores.
.
Se não gostam, vão cursar outras faculdades. E a PUC não é dos alunos e professores não: é da Igreja Católica.

Luiz Fernando disse...

Mariana,

Você também se esqueceu de tomar a vacina antirrábica. O seu discurso é tão infantil, bobo e raivoso que beira a comédia, uma comédia cínica.

Em que mundo eu vivo? Eu vivo em um mundo que nasceu no berço da Igreja Católica, essa Igreja fabulosa, que você chama de instituição hipócrita. Essa mesma Igreja que nos presenteou com tantos dons. Leia um pouco sobre a história da Igreja, e de como ela é a construtora genial da civilização ocidental.

A moral da Igreja não é atrasada e nem reacionária. A moral da Igreja respeita o ser humano desde a sua concepção até a sua morte natural. A moral da Igreja protege e valoriza a dignidade humana.

Sabe de uma coisa? Quando você sugeriu que abramos as nossas cabeças, eu logo me lembrei de uma fala do Gustavo Corção, que vou parafrasear. Ele falava sobre essa mentalidade que você sustenta. Ele dizia mais ou menos assim: “Não há nada mais ultrapassado e velho do que o moderno! Porque o moderno nasce hoje e amanhã já está morto. Ele nasce hoje e amanhã já está ultrapassado, e forçosamente tem que ser inventado e reinventado ad infinitum, num ciclo sem fim!”.

Eu não vivo no século XV. Mas eu não sou estúpido a ponto de querer que a fé cristã seja reinventada de acordo com os gostos da minha geração e deste mundo decadente.

Abra os olhos você, Mariana! Abra os olhos e me diga o que você enxerga ao seu redor e dentro de você, se é que você enxerga alguma coisa além do seu próprio umbigo!

Luiz Fernando de Andrada Pacheco

Jeremias disse...

Esses estudantes e professores que protestam contra o Dom Luis, devem, por questão de coerência racional e lógica, se matricular numa escola espírita e pregar contra a reencarnação e comunicação com os mortos. Porque não o fazem? Certamente porque respeitam a DEMOCRACIA e à nossa democrática constituição brasileira, que garante a liberdade de associação religiosa e de ENSINO CONFESSIONAL. Porque diabos todo e qualquer grupo (espírita, protestante, ateu, etc.) pode erigir escolas e estabelecimentos onde vale apenas o que eles creem e apenas a Igreja Católica não teria esse direito democrático e constitucional. A igreja não pode entrar numa escola ateia ou espírita para pregar contra os princípios dela. Do mesmo modo ninguém pode invadir espaços católicos para pregar contra os princípios católicos. Não entendo a dificuldade de perceber essa lógica elementar da democracia. E pior:não entendo como alguém pode em nome da “DEMOCRACIA” (qual ? A da Coréia do Norte????) querer impedir uma universidade CATÓLICA, de funcionar como católica que é. QUE PALHAÇADA, HEIN?????

Jeremias disse...

“A PUC É LIVRE! A PUC É NOSSA!” Diz o Gilvan Junior mais acima. Como pode alguém que se diz ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO, ser tão burro assim?
Então o mero fato de você se matricular num curso de inglês (por exemplo, da Escola Tomas Jeferson) faz de você o dono dessa escola de inglês? Você comprou a escola? Seu dinheiro paga a mensalidade que paga professores e outras despesas de manutenção da escola, mas não faz de você o dono da PUC meu caro.
A PUC é uma instituição privada e até onde eu sei a lei brasileira, ainda permite a PROPRIEDADE PRIVADA DOS MEIOS DE PRODUÇÃO material, ou intelectual, no caso. E SEGUNDO A LEI BRASILEIRA a ideologia ou confissão religiosa de uma ESCOLA CONFESSIONAL é que deve orientar essa escola (E A PUC é UMA ESCOLA CONFESSIONAL!). A LDB (Lei das Diretrizes e Bases da Educação no Brasil) diz textualmente que escolas confessionais ““atendem a orientação confessional e ideologia específicas” (Art. 20, inciso III).
E depois o retardado mental (Gilvan Junior) continua a vomitar asneiras, dizendo: “não permitiremos que a Igreja ACABE com a história de nossa Universidade!” ANTA, NAÕ EXISTE PUC CONTRA A IGREJA ou V.VERSA, POIS A PUC é A IGREJA , É PROPRIEDADE MATERIAL DA IGREJA, COMPRADA COM O DINHEIRO DELA E NÃO COM O SEU! Vá atrás da fundação e criação da PUC, vá atrás dos registros legais da PUC nos órgãos públicos, no MEC, vá atrás da HISTÓRIA da PUC para se dar conta da asneira que você está falando seu cérebro de minhoca!! Veja lá no MEC (Ministerio da Educação) como a PUC está registrada: como ESCOLA CONFESSIONAL gozando de todos os direitos que a lei lhe confere, ou seja: “ de atender à orientação confessional e ideologia específica” conforme o artigo 20, inciso III da Lei que regula o ensino nesse pais. SERÁ QUE NÃO ENSINAM LÓGICA NESSAS ESCOLAS???????

André disse...

As discussões e defesas de posições opostas ao que ensina a Igreja nas universidades ditas católicas não é feita de forma "científica" (como muitos vieram defender aqui), mas de forma panfletária.
Aos incoerentes "católicos" que defendem a "discussão" (= panfletagem) de temas "polêmicos" (temas completamente opostos - e muitas vezes criminosos - aos princípios que a PUC assumiu desde sua fundação), saibam que as instituições tem direito garantido de ter diretrizes próprias. Vocês não estariam fazendo o mesmo escândalo se alguém se filiasse ao Greenpeace e nas reuniões defendesse a caça indiscriminada de baleias, fariam?

A PUC pode - e deve - ser criticada, mas só se for pelo preço, ou pela suposta falta de qualidade (estranho que os filhos da elite, mesmo os "progressistas", a procurem, enfim...), e principalmente por ter perdido em muitas situações sua identidade (católica, sim, senhores, vocês querendo ou não). Não se preocupem os "progressistas" e adeptos do uso de substâncias ilícitas, pois se saírem da PUC, outra faculdade irá tomar seu lugar como núcleo principal de recepção de endinheirados que não foram para uma universidade pública (por variados motivos; não estou insinuando nada). Com certeza haverá quem deseja receber mensalidades gordas, vindas de quem vier.
Tem gente aqui horrorizada com a possibilidade de que não se possa defender certas bandeiras na PUC, em nome da "liberdade de expressão" e da "liberdade científica". Vocês são contra a proibição de apologia ao nazismo na Alemanha atual? Vocês se horrorizam com a criminalização do racismo no Brasil? Eu não me horrorizo e acho muito bom que posturas moralmente criminosas sejam criminalizadas. Não existe liberdade absoluta. Se ela for absoluta para alguns, com certeza é às custas de outros.

Quanto aos "católicos" que querem transformar uma universidade católica em palanque para aborto, totalitarismo esquerdista, homossexualismo e afins; e que gritam que "Jesus era progressista" (realmente era, se tomarmos progresso por melhoria, diferente dos dias atuais onde alguém se denominar "progressista" significa ser simpatizante ou militante de causas amorais e imorais), refaçam seus discursos. Vocês representam perfeitamente os estudantes da PUC (por que será?) retratados no filme Tropa de Elite: mimados, arrogantes e que gostam de travestir seus interesses próprios em discurso social vazio.
Aos que são contra a moralidade cristã por estar supostamente em desacordo com a sociedade atual, refaçam seus discursos, lembrem (ou aprendam) que o Tribunal de Nuremberg não aceitou a defesa dos carrascos nazistas que diziam apenas estarem seguindo as normas da sociedade vigente (e eles realmente estavam) porque concluiu (certeiramente) que existe uma moral natural superior ao ideologias vigentes. Simplificando, seguir a maioria da sociedade não é justificativa para abolir todos os princípios.

LILIAN disse...

MARIANA - VOCÊ É ALUNA DA PUC, MAIS VOCÊ NÃO É CATÓLICA FILHA.

A pova de toda a esculhambação do nome PUC que transformaram em Ponto de União Comunista.

TEMOS QUE RESGATAR O VERDADEIRO NOME E VOCAÇÃO DESTA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICAAAAAA....

SE NÃO GOSTA DA DOUTRINA CATÓLICA, QUERIDA VÁ ESTUDAR EM OUTRA UNIVERSIDADE TEM INÚMERAS.

JÁ CHEGA DE TRAIDORES, A CIVILIZAÇÃO CRISTÃ FORMOU A SOCIEDADE E AGORA ESTA MESMA SOCIEDADE ESTÁ COM A ESPADA NA MÃO PARA DECAPITAR A CIVILIZAÇÃO CRISTÃ.

LILIAN disse...

NÃO AGUENTO MAIS ESSA CHORADEIRA DE ESTADO LAICO, PARECE QUE ESSA PALAVRA VIROU UMA BANDEIRA IDEOLÓGICA, OS INTELIJUMENTOS ACHAM QUE É CHIQUE E CULTO FALAR ISSO, QUE AO CITAR ESSA TODO MUNDO IRÁ SE RENDER A TÃO GRANDE CULTURA. TEM ALGUM TRADUTOR DE RELINCHO???

Luiz Fernando disse...

Lilian,

Esse povinho esquerdista, maconhista, abortista, etc., é digno de deboche! A melhor e única coisa que podemos fazer é rir dos discursos raivosos e ridículos dessa gente cretina!

A você deixo um texto que escrevi em 2007, e modifiquei em 2010. É uma crítica inspirada naquelas ocupações de reitorias promovidas por "estudantes" — leia-se maconheiros — de várias universidades brasileiras.

O meu texto é satírico... Mas eu não sei se é para rir ou para chorar... ou para ambas as reações...


O brado dos universitários

http://doislobos.blogspot.com.br/2012/03/o-brado-dos-universitarios.html


P.S.: Por favor, se você encontrar um bom tradutor de relincho e/ou de mugido, me indique! Eu estou precisando com urgência para poder continuar assistindo as aulas do Curso de Letras da PUC Minas.

Um abraço,
Luiz Fernando de Andrada Pacheco

Matheus disse...

Concordo plenamente!

Matheus disse...

Parabéns pela matéria e pelo blog!