sexta-feira, 9 de março de 2012

Dom João Wilk, Bispo de Anápolis, apoiou vereadores da Câmara Municipal de Anápolis, que aprovou lei que proibiu a realização de abortos em hospitais públicos municipais

Bispo de Anápolis encaminha carta em favor à emenda da Loma (Lei Orgânica Municipal de Anápolis)
SEX, 24 DE FEVEREIRO DE 2012 21:58 NARA DELMONICO
ImprimirPDF
Em virtude da votação da emenda à Lei Orgânica do Município de Anápolis (Loma), proposta pelo vereador Pedro Mariano (PP), ocorrida na última quarta-feira (22), o bispo diocesano de Anápolis, Dom João Wilk, encaminhou à Câmara Municipal uma carta em apoio à matéria.
O desejo do bispo era que os membros da Casa votassem em favor do documento que solicitou a revogação do parágrafo único do inciso X do artigo 228 da Loma que discorre sobre o seguinte assunto: “caberá a rede pública de saúde, pelo seu corpo clínico, o atendimento médico para a prática do aborto nos casos previstos no código
penal”.
Junto com a carta do sacerdote, também foi encaminhado aos vereadores, exemplares do periódico “Aborto! Faça alguma coisa pela vida!”, produzido pela entidade Pró-Vida de Anápolis. Durante a votação da emenda, fieis católicos e alguns padres compareceram ao Plenário para uma manifestação contra o aborto.
A legislação federal em vigor não prevê punição para o ato via rede pública em dois casos: gravidez provocada por estupro ou caso apresente risco à saúde da mãe. Os 14 vereadores presentes na sessão foram a favor da emenda.

OAB de Goiás diz que vai ajuizar ação judicial

Brasília, 07/03/2012 -  A Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil de Goiás (OAB-GO) estuda medidas  judiciais contra a emenda à Lei Orgânica do Município de Anápolis (GO), a 160 km de Brasília,  que suprimiu a previsão de realização do aborto legal  - quando a gestação ocorreu por estupro ou se a mãe corre risco de morte - pelos hospitais públicos. A informação é do presidente da OAB-GO, Henrique Tibúrcio.  A mudança na Lei Orgânica (Loma) teve o apoio dos 15 vereadores de Anápolis, incluindo o autor do projeto, Pedro Mariano (PP). Por se tratar de uma alteração na Loma, não é necessária a sanção do Executivo. Portanto, a norma vale desde a noite de segunda-feira, quando houve a votação em segundo turno. A OAB-GO, que já havia notificado os parlamentares depois da primeira votação, em fevereiro, sobre a inconstitucionalidade da medida, estuda a melhor forma de derrubar a nova lei - que chegou às vésperas do Dia da Mulher, comemorado amanhã.

"Essa norma é inconstitucional na medida em que dificulta o acesso a um atendimento que já está garantido, independentemente de o poder público concordar ou não com o aborto nessas condições. Vamos recorrer à Justiça para anular os efeitos dessa lei ou para deixar claro que o município, embora tenha suprimido o trecho da lei orgânica que tratava do assunto, continua obrigado a prestar o atendimento", afirmou o  presidente da OAB-GO, Henrique Tibúrcio.  Além do direito à saúde, presente na Constituição Federal, o artigo 28 do Código Penal determina que não se pune aborto praticado por médico caso não haja outro meio de salvar a vida da gestante ou se a gravidez resulta de estupro, havendo consentimento da gestante.

O  vereador Pedro Mariano, entretanto, refuta os argumentos jurídicos, baseando-se na religião para fundamentar a nova lei. "Sou radicalmente contra o aborto. O senhor da vida é só Deus. Se a OAB entrar na Justiça, continuarei defendendo minha ideia, até a morte", declara o parlamentar. Ele se diz orgulhoso por ter sido o autor do projeto. "Plantamos uma sementinha em Anápolis que pode se espalhar por outras cidades e até pelo país inteiro", aposta. Questionado sobre os direitos da mulher vítima de um estupro ou com risco de morrer, Mariano defende que em nenhum caso o feto pode ser sacrificado. "A criança não tem nada a ver (com o estupro). Se a mulher quiser, vai ter que procurar a Justiça, mas não poderá se amparar mais na lei orgânica do município", afirma o vereador.

A Igreja Católica trabalhou pela aprovação da matéria. O bispo diocesano Dom João Wilk, de Anápolis, que chegou a encaminhar à Câmara Municipal uma carta de apoio à matéria, afirmou que o aborto não pode ser uma "obrigação do poder público". "A vida é suprema, de modo que precisa ser salva", afirma. Ele vai na mesma linha de raciocínio de Mariano ao defender que não se pode interromper a gestação porque a mãe foi violentada. "A criança não tem culpa do crime. Quem tem de ser punido é o criminoso", ressalta o bispo Wilk. Na outra carta recebida pelos parlamentares depois da votação em primeiro turno, a OAB ressaltava os problemas jurídicos e sociais da medida. O embate de ideias nem teve vez, visto que a aprovação foi unânime na Câmara Municipal. "Alertamos sobre o risco de desassistir exatamente a parcela da população mais pobre e que, portanto, mais necessita do serviço", conta Tibúrcio. (Com informações do Correio Braziliense, em matéria de Renata Mariz)

Nenhum comentário: