terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Dom Luiz ataca “Ministra da Mulher” Eleonora Menicucci - Diário de Guarulhos


13 de fevereiro de 2012 • 14h33 • atualizado às 16h24.
Diego Calvo
Dom Luiz Gonzaga Bergonzini: "O direito à vida não é uma bandeira só do catolicismo"
Diário de Guarulhos
Por TIAGO SANTOS-VIEIRA
Empossada semana passada, Eleonora Menecucci é a nova secretária de Políticas para Mulheres. O Cargo, com status de ministério, é o maior na escala administrativa federal delegado exclusivamente a uma mulher. Ela substitui a ex-ministra Iriny Lopes, que disputará a prefeitura de Vitória (ES). Em sua primeira coletiva, Eleonora já saiu em defesa do aborto. Munição suficiente para invocar o bispo emérito de Guarulhos, dom Luiz Gonzaga Bergonzini, totalmente contrario à prática.

“A nova ministra, segundo a imprensa, já fez dois abortos. Se realmente fez, matou dois seres humanos. Uma mulher que mata dois inocentes é uma pessoa insensível, que usará de todos os meios para obter sucesso na defesa do aborto”, opina dom Luiz.

Eleonora é amiga íntima da presidente Dilma que, em outros momentos,  se mostrou favorável ao aborto. Tal proximidade e confluência de ideias pode gerar nova discussão do tema, com possíveis desdobramentos legais. 

“Sabíamos que Dilma era a favor do aborto. Nas eleições, para ganhar os votos dos cristãos, ela declarou que nada faria para modificar a legislação do aborto.  Mas ela não disse nada sobre fazer a modificação das leis do aborto por terceiras pessoas. Usando, por exemplo,  os deputados de seu partido e da base aliada. Haverá, sim, uma longa batalha sobre o aborto e nós estamos preparados para ela”, analisa Bergonzini.

Eleonora é uma “teórica da mulher”, com toda uma história acadêmica na Unifesp. Ter alguém com tanto embasamento no comando do “Ministério das Mulheres” configura alguma ameaça a “Defesa do Direito a Vida”, uma das bandeiras do catolicismo? 

Dom Luiz finaliza: “A ‘teórica da mulher’ disse que ‘o aborto é uma questão de saúde pública, não é uma questão ideológica. Como o crack, as drogas, a dengue e o HIV.O direito à vida não é uma bandeira só do catolicismo. É uma bandeira do povo cristão e de todas as pessoas de bem, independentemente de religião. E o direito à vida não é um tema religioso. O direito à vida é direito natural, é direito humano. Todos os que nasceram são obrigados a dar o direito de nascer a todos os que forem gerados.  Ser humano não é uma doença para ser erradicada. Valemos desta oportunidade para reafirmar o quanto sempre temos dito: somos defensores da vida, desde a fecundação até a morte natural”.
Eleonora se esquiva de polêmicas 
A ministra Eleonora Menicucci é graduada em ciências sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais, e é professora titular da UNIFESP de “Saúde Coletiva”, com ênfase na mulher. Aos 67 anos, é filiada ao PT e dedica-se ao feminismo, sendo favorável à descriminalização do aborto. 
Na sua primeira coletiva, depois de se posicionar a favor do aborto, a ministra se esquivou e disse que sua “posição pessoal está em todos os jornais, e nas entrevistas que já deu”. Disse ainda que “não seria ela se não reafirmasse o que disse antes sobre o aborto” e que “hoje é  governo, sendo sua posição a do governo.”

2 comentários:

Flávio disse...

Nós como católicos devemos nos unir a todos os cristãos e pessoas de bem para nos manifestarmos e fazer valer nossos direitos.

Crispher disse...

Aborto: assassinato de um inocente para defesa cínica da irresponsabilidade sexual.