quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

50 mil cristãos presos em campos de concentração na Coreia comunista

CORÉIA DO NORTE - Apelo das ONGs: "Liberdade religiosa e libertação de 50 mil cristãos", mobilização na internet

Nova York (Agência Fides) - Deter os crimes contra a humanidade, pleno respeito pelos direitos humanos, proteção da liberdade religiosa: é o apelo lançado pelas Organizações não-governamentais de inspiração cristã como "Christian Solidarity Worldwide" (CSW) e "Open Doors", ao novo líder da Coréia do Norte, Kim Jong-un. As duas ONGs trabalham para a defesa da liberdade religiosa no mundo e promovem projetos de assistência às comunidades cristãs que sofrem.


"Open Doors", com sede nos EUA, publica a cada ano uma classificação dos países baseada no respeito pela liberdade religiosa, onde a Coreia do Norte é "camisa preta". Hoje, conforme revela uma nota enviada à Agência Fides, a ONG organizou uma mobilização na internet, através de redes sociais e blogs, para chamar a atenção internacional para a questão da liberdade religiosa na Coreia do Norte, país em que mais de 50 mil cristãos estão presos nos campos de concentração. 

"Open Doors" convida o novo líder a "por fim ao ciclo desumano da ditadura" e espera que "exista um aumento da oportunidade de anunciar Jesus, sem medo de punições, para aqueles que estão tristes e se sentem incertos em relação ao futuro."

No convite de plena liberdade religiosa, Open Doors espera que "os cristãos coreanos obtenham nova determinação e sabedoria", para que "no dia de Natal a luz de Cristo penetra em cada casa e cada coração 
 na Coreia do Norte" a fim de restaurar a esperança a uma nação hoje oprimida e faminta.

Atualmente, observa a "Korean Church Coalition for North Korea Freedom" na Coreia do Norte existem várias "comunidades cristãs subterrâneas" e "missionários clandestinos" que, se pegos, são executados publicamente.

Num relatório enviado à Fides, CSW insta o regime norte-coreano "a fechar os campos de prisioneiros, deter as execuções, respeitar a liberdade religiosa e libertar todos os presos de consciência", convida a comunidade internacional "a pressionar a fim de promover essas mudanças". CSW lembra que "mais de 200 mil pessoas estão nos campos, sujeitas às piores formas de tortura, onde os cristãos são presos apenas por causa de suas crenças". CSW ajudou a instituir a "Coalizão Internacional para deter os crimes contra a humanidade na Coreia do Norte" (ICNK) que conta 40 ONGs internacionais. (PA) (Agência Fides 20/12/2011)

Nenhum comentário: