sábado, 15 de outubro de 2011

México rejeita aborto



Bebê em evolução
Vitória da vida na Suprema Corte do México
(fracassa a tentativa de derrubar emendas pró-vida de dois Estados)


Em 24 de abril de 2007, o Distrito Federal do México aprovou um Decreto de Reformas que despenalizou o aborto antes da 12ª semana de gestação[1]. Em 24 de maio, a Comissão Nacional de Direitos Humanos e a Procuradoria Geral da República ajuizaram as Ações de Inconstitucionalidade 146/2007 e 147/2007 contra a norma abortista, tendo como fundamento o direito do nascituro à vida. A Suprema Corte de Justiça da Nação, por maioria de oito votos, declarou em 28 de agosto de 2008 que o decreto pró-aborto era válido, pois não violava a Constituição Federal[2].

Como reação à decisão da Suprema Corte, entre 2008 e 2011, dezoito dos trinta e um Estados mexicanos, seguindo a posição majoritária de seus cidadãos, emendaram suas próprias Constituições para reconhecer o direito à vida desde a concepção. Foram eles: Baja California, San Luis Potosí, Chiapas, Veracruz, Querétaro, Chihuahua, Campeche, Colima, Puebla, Durango, Jalisco, Nayarit, Quintana Rôo, Guanajuato, Yucatán, Sonora, Morelos e Oaxaca.

A emenda de Baja California declara: “desde o momento em que um indivíduo é concebido, entra sob a proteção da lei e se considera como nascido para todos os efeitos legais correspondentes, até sua morte natural ou não provocada”.

A emenda de San Luis Potosí diz: “O Estado de San Luis Potosí reconhece a vida humana como fundamento de todos os direitos dos seres humanos, motivo pelo qual a respeita e protege desde o momento de seu início na concepção. Fica proibida a pena de morte, a qual não poderá aplicar-se em nenhum caso”.

Desta vez, as emendas pró-vida destes dois últimos Estados foram acusadas de inconstitucionalidade, uma vez que poriam obstáculo à despenalização do aborto, que fora declarada constitucional pela sentença de 2008.

Nos dias 26 a 28 de setembro de 2011, a Suprema Corte julgou a Ação de Inconstitucionalidade 11/2009 promovida pela Procuradoria de Direitos Humanos e de Proteção Cidadã de Baja California contra a emenda pró-vida desse Estado. No dia 29 de setembro a mesma Corte julgou uma ação de inconstitucionalidade contra a emenda pró-vida do Estado de San Luis Potosí.

Em ambos os casos, o placar foi o mesmo: sete ministros votaram contra as reformas, julgando-as inconstitucionais, e quatro votaram em favor delas, considerando-as compatíveis com a Constituição Federal. Seriam necessários oito votos para que as emendas fossem invalidadas e caísse por terra a proteção da criança por nascer naqueles dois Estados. Graças a Deus, o México foi salvo pela diferença de apenas um voto! [3]

Por ora, permanecem válidas todas as Constituições estaduais mexicanas que protegem a vida desde a concepção.
Anápolis, 6 de outubro de 2011.
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis

Doutrina Social de Igreja Catolica


13 Este Documento é um ato de serviço da Igreja às mulheres e aos homens do nosso tempo, aos quais oferece o patrimônio de sua doutrina social, segundo aquele estilo de diálogo com o qual o próprio Deus, no Seu Filho Unigênito feito homem, «fala aos homens como a amigos (cf. Ex 33, 11; Jo 15, 14-15) e conversa com eles (cf. Bar 3, 38)»[14].

Inspirado na Constituição pastoral Gaudium et spes, também este documento põe como linha mestra de toda a exposição o homem, aquele « homem considerado na sua unidade e na sua totalidade, o homem, corpo e alma, coração e consciência, pensamento e vontade»[15].

Na perspectiva delineada, «nenhuma ambição terrena move a Igreja; ela tem em vista um só fim: continuar, sob o impulso do Espírito Santo, a obra do próprio Cristo que veio ao mundo para dar testemunho da verdade, para salvar e não para condenar, para servir e não para ser servido»[16].

14 Com o presente documento a Igreja entende oferecer um contributo de verdade à questão do lugar do homem na natureza e na sociedade, afrontada pelas civilizações e culturas em que se manifesta a sabedoria da humanidade. Mergulhando as raízes num passado não raro milenar, estas se manifestam nas formas da religião, da filosofia e do gênio poético de todo o tempo e de cada povo, oferecendo interpretações do universo e da convivência humana e procurando dar um sentido à existência e ao mistério que a envolve.

Quem sou eu? Por que a presença da dor, do mal, da morte, malgrado todo o progresso? A que aproveitam tantas conquistas alcançadas se o seu preço não raro é insuportável? O que haverá após esta vida?

 Estas perguntas fundamentais caracterizam o percurso do viver humano[17]. Pode-se, a propósito, recordar a admonição «Conhece-te a ti mesmo», esculpida na arquitrave do templo de Delfos, que está a testemunhar a verdade basilar segundo a qual o homem, chamado a distinguir-se entre todas as criaturas, se qualifica como homem justo enquanto constitutivamente orientado a conhecer-se a si mesmo.

15 A orientação que se dá à existência, à convivência social e à história dependem, em grande parte, das respostas dadas a estas questões sobre o lugar do homem na natureza e na sociedade, às quais o presente documento entende dar o seu contributo.

 O significado profundo do existir humano, com efeito, se revela na livre busca da verdade, capaz de oferecer direção e plenitude à vida, busca à qual tais questões solicitam incessantemente a inteligência e a vontade do homem. Elas exprimem a natureza humana no seu nível mais alto, porque empenham a pessoa em uma resposta que mede a profundidade do seu compromisso com a própria existência.

Trata-se, ademais, de interrogações essencialmente religiosas: «quando o porquê das coisas é indagado a fundo em busca da resposta última e mais exaustiva, então a razão humana atinge o seu ápice e se abre à religiosidade.

Com efeito, a religiosidade representa a expressão mais elevada da pessoa humana, porque é o ápice da sua natureza racional. Brota da profunda aspiração do homem à verdade, e está na base da busca livre e pessoal que ele faz do divino»[18].

16 As interrogações radicais, que acompanham desde os inícios o caminho dos homens, adquirem, no nosso tempo, ainda maior significância, pela vastidão dos desafios, pela novidade dos cenários, pelas opções decisivas que as atuais gerações são chamadas a efetuar.

O primeiro dentre os maiores desafios, frente aos quais a humanidade se encontra, é o da verdade mesma do ser-homem. O confim e a relação entre natureza, técnica e moral são questões que interpelam decisivamente a responsabilidade pessoal e coletiva em vista dos comportamentos que se devem ter, em face daquilo que o homem é, do que pode fazer e do que deve ser.

Um segundo desafio é posto pela compreensão e pela gestão do pluralismo e das diferenças em todos os níveis: de pensamento, de opção moral, de cultura, de adesão religiosa, de filosofia do progresso humano e social.

O terceiro desafio é a globalização, que tem um significado mais amplo e profundo do que o simplesmente econômico, pois que se abriu na história uma nova época, que concerne ao destino da humanidade.


17 Os discípulos de Jesus sentem-se envolvidos por estas interrogações, levam-nas eles mesmos no coração e querem empenhar-se, juntamente com todos os homens, na busca da verdade e do sentido da existência pessoal e social. Para tal busca contribuem com o seu generoso testemunho do dom que a humanidade recebeu:

Deus dirigiu-lhe Sua Palavra no curso da história, antes, Ele mesmo entrou na história para dialogar com a humanidade e revelar-lhe o Seu desígnio de salvação, de justiça e de fraternidade. Em Seu Filho, Jesus Cristo, feito homem, Deus nos libertou do pecado e nos indicou o Caminho a percorrer e a meta à qual tender.

Vaticano Compêndio Doutrina Social da Igreja

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Menina cristã de 12 anos estuprada durante oito meses no Paquistão

Lahore (Agência Fides) - Raptada e estuprada repetidamente, durante oito meses, por um bando de militantes islâmicos. Aniquilada e traumatizada, converteu-se e foi forçada ao casamento islâmico. 


A história de Ana (nome fictício), menina cristã de 12 anos de idade, é semelhante às histórias de cerca 700 meninas e jovens cristãs, e de pelo menos 250 jovens hindus, que a cada ano sofrem terríveis violências e abusos no Paquistão. Os muçulmanos, contam fontes de Fides em Punjab empenhadas em lhes prestar assistência, "as consideram objeto, mercadoria, e as tratam como animais".


Há uma forte indignação na comunidade cristã do Paquistão, depois dos inúmeros casos de violência impunes. Como confirmam fontes confiáveis de Fides, "os raptores e estupradores de Ana estão livres porque pertencem ao grupo radical islâmico Lashkar-e-Tayyaba (banido por terrorismo) e a polícia até se recusou de ordenar uma visita médica". 


O magistrado da região registrou uma denúncia contra alguns homens muçulmanos, mas não dispôs nenhuma medida restritiva contra eles. A polícia convidou os pais de Ana a entregar a menina ao "marido legal" (o estuprador), senão poderiam sofrer um processo penal.


Ana tem 12 anos e é filha de Arif Masih, varredor de rua em Shahdra, pequena cidade nos arredores de Lahore, capital da província de Punjab. Ana foi raptada por dois homens muçulmanos em 24 de dezembro de 2010, enganada por uma amiga. Batida e violentada durante dias, foi forçada a assinar alguns documentos que atestam a sua conversão e o casamento com um dos criminosos, Muhammad Irfan.

Em 5 de janeiro de 2011, seu pai apresentou uma denúncia (First Information Report) contra desconhecidos. Somente em setembro, oito meses depois do seu desaparecimento, Ana chamou a sua família de Tandianwalla, no estreito de Faisalabad, a 190 quilômetros de Lahore. Contou que tinha sido raptada, mas que tinha conseguido fugir. Voltando para casa, contou ao magistrado a sua história. Mas Muhammad Irfan apresentou uma certidão de casamento, graças à qual até a acusação de estupro tornou-se sem efeito. A polícia aconselhou os pais de Ana a entregá-la ao seu algoz. Ana e seus pais hoje se escondem e os militantes de Lashkar-e-Tayyaba estão à sua procura.

"Dentre outras coisas, o casamento antes dos 16 anos de idade é ilegal. Isto demonstra que o governo, a magistratura e a polícia do Punjab buscam cobrir os maus procedimentos dos grupos radicais islâmicos e são cúmplices", nota uma fonte de Fides. No Paquistão é prática comum dos grupos extremistas islâmicos raptar e estuprar as meninas pertencentes às minorias religiosas cristãs e hindus. Segundo Amarnath Motumal, advogado e membro da "Comissão para os direitos humanos do Paquistão", ONG conhecida e divulgada em todas as províncias, todos os meses 20 jovens hindus são raptadas e convertidas à força.

As organizações cristãs e a sociedade civil reuniram diversos casos e histórias onde a polícia se omitiu de investigar, e hoje pedem uma intervenção decidida do governo, pedindo às Nações Unidas que pressionem para que cessem estes abusos flagrantes dos direitos humanos. (PA) (Agência Fides 11/10/2011)

ÁSIA/PAQUISTÃO - Menina cristã estuprada, convertida ao islã e forçada a se casar com um muçulmano.

Frascos com fetos e órgãos são encontrados em terreno baldio no CE


Material pode ter sido descartado por clínicas de aborto ou instituições, diz PM
Crianças encontraram material na periferia da cidade de Sobral.


Diana Vasconcelos e André TeixeiraDo G1 CE
Comente agora
fetos são encontrados em terreno baldio (Foto: Clevis Oliveira/Colaboração)Fetos podem ter sido despejados por clínicas de
aborto (Foto: Clevis Oliveira/Colaboração)
A Polícia Civil de Sobral, cidade a 233 km de Fortaleza, investiga a origem de nove frascos de vidro contendo fetos e órgãos humanos encontrados na manhã de quarta-feira (12), por crianças, em um terreno baldio no Bairro Dom Expedito, periferia da cidade. Segundo o delegado Weidmann Braga, há suspeitas de que o material tenha sido descartado por clínicas de aborto ou instituições de pesquisa.
“Estamos convocando universidades, hospitais e instituições que apresentem trabalhos laboratoriais com este tipo de material para prestar esclarecimentos”, afirma o delegado. Os frascos foram encontrados por volta das 11h, por duas crianças que brincavam com estilingues no local.
Os fetos e órgãos estavam conservados em formol. Alguns continham rótulos com registros de peso, período de fecundação e tamanho. Fatores que, segundo a polícia, exige o “mínimo” de conhecimento médico.
Os fracos foram encaminhados ao Instituo Médico Legal (IML) de Sobral. A supervisora do IML, Eliete Torres, informou que aguarda o recebimento das guias policiais para produção dos laudos médicos. O delegado Braga confirmou que as guias serão enviadas nesta quinta-feira. 
Fonte: Globo Ceará

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Santo Sudário e ciência confirmam Jesus Cristo


domingo, 2 de outubro de 2011


Professor faz Crucificado seguindo os dados do Santo Sudário


Prof. Juan Manuel Miñarro explica seu trabalho
O escultor espanhol e catedrático da Universidade de Sevilha, Juan Manuel Miñarro estudou durante dez anos o Santo Sudário de Turim.

Como resultado esculpiu um Crucificado que, segundo o artista, seria uma reprodução científica do estado físico de Nosso Senhor Jesus Cristo depois de sua morte.

O autor não visava provar a existência de Jesus de Nazaré, mas destacar os impressionantes acertos anatômicos constatados no estudo científico do Santo Sudário.

O professor Miñarro disse à BBC Brasil que, embora tenha privilegiado a “exatidão matemática”, “essa imagem só pode ser compreendida com olhos de quem tem fé”.

“A princípio, ela pode chocar pelo realismo, mas ela reproduz com fidelidade a cena do Calvário”, completou. Miñarro levou mais de dois anos para concluir sua obra.

Jesus Crucificado segundo o Santo Sudário:
estreita concordância com as imagens tradicionais
O escultor não trabalhou só. Ele presidiu o trabalho de um grupo de cientistas que levaram adiante uma investigação multidisciplinar do Sudário de Turim.

O crucificado é o único “sindônico” no mundo, pois reflete até nos mais mínimos detalhes os múltiplos traumatismos do corpo estampado no Santo Sudário.

A imagem representa um corpo de 1,80 metros de altura, de acordo com os estudos no Sudário feitos pelas Universidades de Bolonha e Pavia. Os braços e a Cruz formam um ângulo de 65 graus.

A Coroa de Espinhos tinha forma de casco, cobrindo toda a cabeça, e foi feita com jujuba “ziziphus jujuba”, uma espécie de espinheiro cujas agulhas não se dobram.

A pele apresenta exatamente o aspecto de uma pessoa morta há uma hora. O ventre aparece inchado por causa da crucifixão.

O braço direito aparece desconjuntado pelo fato do crucificado se apoiar nele à procura de ar durante a asfixia sofrida na Cruz.

Coroa de espinhos segundo o Santo Sudário
O polegar das mãos está virado para dentro, reação do nervo quando um objeto atravessa a munheca.

A escultura reflete também a presença de dois tipos de sangue: o vertido antes da morte e o derramado post mortem. Também aparece o plasma da ferida do costado, de que fala o Evangelho.

A elaboração destes pormenores foi supervisionada por hematologistas. A pele dos joelhos está aberta pelas quedas e pelas torturas.

Há grãos de terra incrustados na carne que foram trazidos de Jerusalém.

As feridas são típicas das produzidas pelos látegos romanos, que incluíam bolas de metal com pontas recurvadas para rasgar a carne.

Não há zonas vitais do corpo atingidas pelos látegos porque os verdugos poupavam essas partes para que o réu não morresse na tortura.

Foram necessários 10 anos de estudo
A maçã do rosto do lado direito está inchada e avermelhada pela ruptura do osso malar.

A língua e os dedos do pé apresentam um tom azulado, característicos da parada cardíaca.

Por fim, embaixo da frase em hebraico “Jesus Nazareno, rei dos judeus”, a tradução em grego e em latim está escrita da direita para a esquerda, erro habitual naquela época e naquela região.

A escultura esteve exposta na igreja de São Pedro de Alcântara, Córdoba, Espanha, e saiu em procissão pelas ruas da cidade durante a Semana Santa.

Com os mesmos critérios e técnicas, Miñarro está criando outras imagens que representam a Nosso Senhor em diferentes momentos de sua dolorosa Paixão.
Fonte: Ciência confirma Igreja

Bento XVI dá impulso decisivo à nova evangelização

Congresso no Vaticano nos dias 15 e 16 de outubro
CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 11 de outubro de 2011 


O Papa Bento XVI dará um impulso decisivo à nova evangelização: no próximo sábado, 15 de outubro, ele receberá, na Sala Paulo VI do Vaticano, os participantes do congresso para a nova evangelização, organizado pelo dicastério ad hoc.


No dia seguinte, 16 de outubro, o Papa presidirá a Missa para os “novos evangelizadores” na Basílica Vaticana, às 9h30. É possível que fale disso no Ângelus dominical.


Este congresso tem como tema “Novos evangelizadores para a nova evangelização” e como lema, as palavras dos Atos dos Apóstolos: “A Palavra de Deus crescia e se multiplicava”.
Organizado pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, presidido por Dom Rino Fisichella, o encontro se realizará na nova sala do sínodo do Vaticano.
O congresso começará com uma exposição de Dom Fisichella, seguida de um momento de partilha entre agentes desta evangelização. À tarde, Dom Fisichella introduzirá as diversas intervenções:
 “Espiritualidade e vida interior” (pela Madre Verónica Berzosa, espanhola, fundadora e superiora do novo instituto religioso Iesu Communio), 
“Ocidente e suas perguntas sobre Cristo” (por Vittorio Messori, escritor e jornalista italiano), 
“Ciência e fé: um diálogo fecundo” (a cargo de Marco Bersanelli, italiano, professor de astronomia e astrofísica na Universidade de Milão) e 
“Experiências de nova evangelização na América Latina” (por Dom Fabio Suescún Mutis, bispo castrense da Colômbia).


O tenor italiano Andrea Bocelli oferecerá depois um recital e este “momento de espiritualidade e arte” precederá a chegada de Bento XVI à Sala Paulo VI.


Durante este congresso, o fundador da agência H2ONews e de ZENIT, Jesús Colina, apresentará o seu novo projeto, Aleteia, elaborado nos últimos meses junto à sua esposa, Gisèle Plantec, Olivier Bonassies (do Centro Maria de Nazaré), Guillaume Anselin e uma equipe de colaboradores.


Ao anoitecer, os grupos e realidades eclesiais serão acolhidos na diocese, em diferentes lugares de culto e de outro tipo, onde animarão momentos de reflexão e de oração com os católicos de Roma.
Fonte: (ZENIT.org)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, rogai por nós

A história de Nossa Senhora da Conceição Aparecida tem seu início pelos meados do ano de 1717. Nessa época, chegou a notícia de que o Conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, Governador da Província de São Paulo e Minas Gerais (atualmente Estados de São Paulo e Minas Gerais) iria passar pela Vila de Guaratinguetá, a caminho de Vila Rica (hoje cidade de Ouro Preto), Minas Gerais.

Convocados pela Câmara de Guaratinguetá, os pescadores Domingos Garcia, Felipe Pedroso e João Alves saíram à procura de peixes, no Rio Paraíba. Desceram o rio e nada conseguiram. Depois de muitas tentativas, sem sucesso, chegaram ao Porto Itaguaçu.

João Alves lançou a rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição sem cabeça. Lançou novamente a rede e apanhou a cabeça da mesma imagem. Daí em diante, os peixes chegaram em abundância para os humildes pescadores.

Durante 15 anos seguidos, a imagem ficou com a família de Felipe Pedroso, que a levou para casa, onde as pessoas da vizinhança se reuniam para rezar. A devoção foi crescendo no meio do povo e muitas graças foram alcançadas por aqueles que rezavam diante da imagem.

A fama dos poderes extraordinários de Nossa Senhora foi se espalhando pelas regiões do Brasil. A família construiu um oratório, que logo tornou-se pequeno.

Por volta de 1734, o Vigário de Guaratinguetá, construiu uma Capela no alto do Morro dos Coqueiros, aberta à visitação pública em 26 de julho de 1745.

Mas o número de fiéis aumentava e, em 1834 foi iniciada a construção de uma Igreja maior ( a Basílica Velha).

No ano de 1894, chegou a Aparecida um grupo de padres e irmãos da Congregação dos Missionários Redentoristas, para trabalhar no atendimento aos romeiros que acorriam aos pés da Virgem Maria para rezar com a Senhora "Aparecida" das águas.

Em 08 de dezembro de 1904, a imagem de Nossa Senhora Conceição Aparecida foi coroada, solenemente, por Dom José Camargo Barros. No dia 29 de abril de 1908, a Igreja recebeu o título de "Basílica Menor".

Vinte anos depois, a 17 de dezembro de 1928, a vila que se formava ao redor da Igreja no alto do Morro dos Coqueiros tornou-se Município. E, em 1929, Nossa Senhora foi PROCLAMADA RAINHA DO BRASIL E SUA PADROEIRA OFICIAL, por determinação do Papa Pio XI.

Com o passar do tempo, a devoção a Nossa Senhora da Conceição Aparecida foi aumentando cada vez mais. A primeira Basílica tornou-se pequena para acolher a multidão que visitava Nossa Senhora.

Era necessária a construção de uma Igreja maior para acomodar tantos romeiros. Por iniciativa dos Missionários Redentoristas e dos senhores Bispos, foi iniciada, em 11 de novembro de 1955, a construção da atual Basílica Nova.

Em 1980, ainda em construção, foi consagrada pelo Papa João Paulo II, e recebeu o título de Basílica Menor. Em 1984, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) declarou a Basílica de Aparecida o Santuário Nacional e maior Santuário Mariano do Mundo.

Nossa Senhora, a mãe de Jesus, recebeu muitos títulos: N.S. de Lourdes, N. S. de Fátima, N.S. de Guadalupe, N.S. Aparecida e muitos outros.

Nossa Senhora é a Mãe de Deus. Jesus é Deus. E Maria é Mãe de Jesus. Isabel lhe disse: ´A que devo a honra de receber a Mãe do meu Senhor?´(Lc 1,43) Os santos a chamam de ´Onipotência Suplicante´, isto é, pode tudo com as suas súplicas a seu Filho. TEOTHOKOS (Mãe de Deus) (Gal 4,4)

Nossa Senhora é Imaculada (08 de dezembro). Isto é, foi concebida no seio de sua mãe (Sta. Ana) sem o pecado original, que todos os homens herdam dos pais. Maria foi preservada do pecado original pelo sacrifício de Jesus na Cruz. Deus antecipou para Ela a redenção. Para Deus o tempo não é obstáculo. Este dogma foi proclamado pelo Papa Pio IX, solenemente, em 1854, e confirmado pela própria Virgem em Lourdes, 4 anos depois, quando disse à menina Bernadete: "Eu sou a Imaculada Conceição", em 1858.

Maria foi livre do pecado para que Jesus também o fosse; isto é, livre das cadeias do pecado, da morte e de Satanás, para poder vencê´lo e libertar a humanidade escrava.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida, rogai por nós!



 Lucas 1:30,33  - Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. 
Apocalipse 1, 5, 13a, 15, 16a - 1Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas. 5E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 13aQuando viu que tinha sido expulso para a terra, o dragão começou a perseguir a mulher que tinha dado à luz o menino.15A serpente, então, vomitou como um rio de água atrás da mulher, a fim de a submergir.16aA terra, porém, veio em socorro da mulher.


LADAINHA DE NOSSA SENHORA

Senhor, tende pidedade de nós
Cristo, tende pidedade de nós
Senhor, tende pidedade de nós
Cristo, ouvi-nos
Cristo, atendei-nos
Deus Pai do céu, tende piedade de nós
Deus Filho Redentor do mundo, tende piedade de nós
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós

Santa Maria, rogai por nós.
Santa Mãe de Deus, rogai por nós.
Santa Virgem das virgens, rogai por nós.
Mãe de Cristo, rogai por nós.
Mãe da Igreja, rogai por nós,.
Mãe da divina graça, rogai por nós.
Mãe puríssima, rogai por nós.
Mãe castíssima, rogai por nós.
Mãe sempre virgem, rogai por nós.
Mãe imaculada, rogai por nós.
Mãe digna de amor, rogai por nós.
Mãe admirável, rogai por nós.
Mãe do bom conselho, rogai por nós.
Mãe do Criador, rogai por nós.
Mãe do Salvador, rogai por nós.
Virgem prudentíssima, rogai por nós.
Virgem venerável, rogai por nós.
Virgem louvável, rogai por nós.
Virgem poderosa, rogai por nós.
Virgem clemente, rogai por nós.
Virgem fiel, rogai por nós.
Espelho de perfeição, rogai por nós.
Sede da Sabedoria, rogai por nós.
Fonte de nossa alegria, rogai por nós.
Vaso espiritual, rogai por nós.
Tabernáculo da eterna glória, rogai por nós.
Moradia consagrada a Deus, rogai por nós.
Rosa mística, rogai por nós.
Torre de Davi, rogai por nós.
Torre de marfim, rogai por nós.
Casa de ouro, rogai por nós.
Arca da aliança, rogai por nós.
Porta do céu, rogai por nós.
Estrela da manhã, rogai por nós.
Saúde dos enfermos, rogai por nós.
Refúgio dos pecadores, rogai por nós.
Consoladora dos aflitos, rogai por nós.
Auxílio dos cristãos, rogai por nós.
Rainha dos Anjos, rogai por nós.
Rainha dos Patriarcas, rogai por nós.
Rainha dos Profetas, rogai por nós.
Rainha dos Apóstolos, rogai por nós.
Rainha dos Mártires, rogai por nós.
Rainha dos confessores da fé, rogai por nós.
Rainha das Virgens, rogai por nós.
Rainha de todos os Santos, rogai por nós.
Rainha concebida sem pecado original, rogai por nós.
Rainha assunta ao céu, rogai por nós.
Rainha do santo Rosário, rogai por nós.
Rainha da paz, rogai por nós.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.
Rogai por nós, santa Mãe de Deus.
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo

2,3 milhões de pessoas no Círio de Nazaré, em Belém do Pará


Círio de Nazaré leva às ruas de Belém 2,3 milhões de católicos

Um dos maiores eventos católicos do País, Círio de Nazaré é realizado há 219 anos no Pará

09 de outubro de 2011 | 16h 16 - Carlos Mendes, especial para O Estado de S. Paulo


BELÉM - Um dos maiores eventos católicos do País, o Círio de Nazaré, que se realiza há 219 anos pelas ruas centrais da capital do Pará, mobilizou ontem cerca de 2,3 milhões de romeiros, segundo cálculos da Polícia Militar, durante seis horas, num percurso de 4,6 km. Símbolo da fé e do sacrifício humano, a corda de 400 metros que tradicionalmente é conduzida por dez mil pagadores de promessas, este ano, a pedido do arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, não foi cortada até que a santa chegasse a seu destino, a Praça do Santuário.
Círio de Nazaré em Belém - Reuters
Reuters
Círio de Nazaré em Belém
Ano passado, a corda foi cortada a golpes de estilete e faca e ao romper-se levou ao chão dezenas de participantes do evento, provocando fraturas e ferimentos. Emocionado por comandar pela primeira vez a procissão, Taveira foi enfático ao dar a benção aos romeiros: "não existe repetição do Círio, eu vivo sempre como se fosse a primeira vez".
O pescador Raimundo Oliveira percorreu a pé 150 km, do município de Mãe do Rio, até Belém, para pagar uma promessa. Ele conseguiu um lote de terra e já começou a construir a casa onde pretende morar com a mulher e cinco filhos. "Participei de duas invasões de terra, apanhei da polícia, e fiz uma promessa para a santa se conseguisse um canto para viver com a minha família. Consegui e vim agradecer". A cozinheira Evandra Maria Bastos, de 56 anos, disse que teve um "problema grave" na garganta e que foi curada pela Virgem de Nazaré. Pagou a promessa carregando uma cruz feita de isopor.
"Nunca vi coisa igual no mundo. Já estive em Fátima, em Portugal, e em Lourdes, na França, acompanhando peregrinações católicas. Também conheço a peregrinação muçulmana à Meca, mas nada se iguala ao mar de gente que encontrei no Círio de Nazaré. A fé do povo paraense contagia e emociona qualquer um", declarou o empresário catarinense Romeu Tadeshi, de 67 anos. Ele estava no meio da multidão, distribuindo água aos peregrinos.
O ex-governador de São Paulo, José Serra, que veio a Belém pela segunda vez para acompanhar o Círio a convite do governador paraense Simão Jatene, disse que estava "muito emocionado". Para ele, não há nada parecido. "É um grande ato de fé, que à distância a gente não tem ideia de como é. Milhões de pessoas na rua que se organizam sem precisar de muita organização", resumiu o político.
Cerca de quinze mil homens das Polícias Militar, Civil, e das Forças Armadas garantiram a segurança dos romeiros, enquanto quatro mil voluntários da Cruz Vermelha registraram mais de 800 atendimentos às pessoas que sofreram quedas, passaram mal e desmaiaram durante a procissão devido ao forte calor. Uma mulher sofreu aborto e foi levada para o Pronto Socorro Municipal Mário Pinotti.
Fonte: Estadão

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Steve Jobs, o gênio não abortado



Rejeitado duas vezes, Jobs encontrou amor e compreensão em um pacato casal


Ana D'Angelo - Correio Braziliense
Publicação: 09/10/2011 08:00 Atualização:

Jobs morreu aos 56 anos na última quarta-feira, causando comoção (Matt Dunham/Files/Reuters )
Jobs morreu aos 56 anos na última quarta-feira, causando comoção

A trajetória de Steve Paul Jobs, morto aos 56 anos de câncer no pâncreas na última quarta-feira, é daquelas que nos remetem às ironias e aos mistérios da existência humana. Como se sabe, poucos são os que escrevem o nome na história da humanidade. Mais raros são os que ficam eternizados como gênios. Pois foi de um desses gênios — da tecnologia— que os pais biológicos abriram mão. De classe média e vivendo numa América puritana dos anos 1950, a mãe, Joanne Simpson, estudante da Universidade de Wisconsin, sucumbiu à pressão da família ao se ver solteira e grávida, aos 23 anos, de um professor de ciência política, o sírio Abdulfattah Jandali, de família milionária na Síria. 

Ela resolveu entregar o bebê nascido em 24 de fevereiro de 1955 para adoção em São Francisco, na Califórnia, “para não envergonhar a família”, conforme contou recentemente o pai sírio. O que Jandali não revela é por que ele, filho de família rica, não assumiu a criação da criança. A favor da mãe biológica há o fato de ela não ter optado pelo aborto e se empenhado em escolher os futuros pais adotivos, para ter a certeza de que o menino seria bem criado. Na avaliação dela, os pais precisavam ter curso superior. Os primeiros escolhidos foram um advogado e sua mulher. Mas eles queriam uma menina. E o bebê que Joanne e Abdulfattah não quiseram criar foi rejeitado de novo porque era do sexo masculino. 

Mas o destino parecia estar escrito. Paul e Clara Jobs estavam na fila de adoção em São Francisco, mas não tinham curso superior. Ele era mecânico, com ensino médio incompleto, e ela, técnica em contabilidade. E Steve lhes foi oferecido. A mãe biológica não gostou de início, mas concordou em entregar a criança, após o casal prometer pagar uma faculdade para o menino. Paul e Clara adotaram também, três anos depois, em 1958, uma menina, Patti Jobs. Passaram-se 11 anos e a família mudou-se para Palo Alto, cidade do futuro polo da tecnologia chamado de Vale do Silício, na Califórnia.

Steve interessou-se por eletrônica ainda criança, graças à nova família. Ele passava horas com o pai adotivo, de quem recebeu o segundo nome e o sobrenome, montando e desmontando equipamentos eletrônicos na garagem de casa e também na de vizinhos. No ensino médio, matriculou-se numa disciplina de eletrônica. Seu professor contaria mais tarde que o aluno ligou para o cofundador da Hewlett-Packard (HP), David Hewlett, pedindo peças de reposição para realizar um dever de casa. Com esse telefonema, acabou conseguindo também um emprego de estagiário no verão.

E a faculdade? Bem, Steve Jobs ingressou em 1972 na Reed College, em Portland. Mas frequentou apenas um semestre. Ainda passou mais um ano e meio na academia, mas assistindo a aulas opcionais. No seu famoso discurso de paraninfo dos formandos da Universidade de Stanford, em 2005, ele revelou que deixou a faculdade porque não considerava certo sacrificar seus pais, pois eles estavam gastando todas as economias que dispunham com ele. 

Steve retornou ao Vale do Silício em 1974. Foi lá que conheceu seu amigo e futuro sócio, Steve Wozniak, então engenheiro da HP. Juntos, criaram, em 1975, o primeiro computador da futura companhia Apple, na garagem da casa dos pais adotivos. Os dois venderam uma Kombi e uma calculadora HP para bancar o projeto. O resto do sucesso empresarial é conhecido.

Reservado
O gênio da Apple levou a vida pessoal de forma reservada, longe dos holofotes. Aos 35 anos, tomou um fora da namorada Tina Redse, que recusou seu pedido de casamento. Um ano depois, em 1991, casou-se com Laurene Powell, sob o argumento de “amor à primeira vista”, segundo ele, com quem teve três filhos: Reed Paul, Erin Sienna e Eve. Ele também é pai de Lisa Brennan, nascida em 1978, de um relacionamento com a artista plástica Chrisann Brennan, quando ele tinha 23 anos. Jobs só assumiu a filha nove anos depois. Ela chegou a morar com ele ainda adolescente. Lisa, atualmente com 33 anos, é formada pela Universidade Harvard em jornalismo.

Joanne Simpson e Abdulfattah Jandali, os país biológicos do cofundador da Apple, e Reed Paul, um dos três filhos do segundo casamento de Jobs (www.ametsoc.org/Reprodução )
Joanne Simpson e Abdulfattah Jandali, os país biológicos do cofundador da Apple, e Reed Paul, um dos três filhos do segundo casamento de Jobs
Na sua biografia autorizada, a ser lançada mundialmente em 24 de outubro, Jobs admite que agiu mal com a ex-namorada e a filha Lisa: “Fiz muitas coisas que não acho louváveis, como ter engravidado minha namorada aos 23 anos de idade e a maneira como encaminhei a questão”. O curioso da história de Steve é que seus pais biológicos chegaram a se casar dois anos após o nascimento dele e tiveram uma filha, Mona Simpson. Eles se separaram quatro anos depois, quando Abdulfattah Jandali viajou para Síria e lá ficou durante alguns anos. A mãe, Joanne Simpson, hoje com 79 anos, é uma renomada patologista. O pai tem 80 anos e é vice-presidente de um cassino em Reno, Nevada. 

Arrependimento
Steve chegou a procurar pelos pais biológicos, embora sempre tenha deixado claro que os adotivos — já falecidos — são seus verdadeiros pais. Depois de muitas buscas, descobriu a mãe, a quem perdoou, e a irmã, Mona Simpson, escritora premiada e autora de cinco romances, com quem falava frequentemente e disse ser sua melhor amiga. Os personagens principais do livro de Mona, Um cara normal, dizem, são exatamente Steve Jobs e a filha Lisa.

Abdulfattah Jandali, que só soube que Jobs era seu filho há poucos anos, afirmou, em entrevista, após o anúncio do afastamento do gênio da tecnologia do comando da Apple em agosto último, que desejava conhecê-lo “antes que fosse tarde” e que se arrependia de tê-lo abandonado. Ele disse que o avó biológico, por parte de mãe Joanne Simpson, era extremamente conservador e não a deixou se casar com ele à época. Mas o fato é que Jobs nunca quis falar com Jandali, apenas com a mãe. A irmã Mona também teria ressentimentos do pai, por tê-la abandonado ainda criança, quando retornou à Síria sem a família.

Jandali comentou que o filho teria conseguido o mesmo sucesso, mesmo sendo criado por ele e tendo nome sírio nos Estados Unidos, citando a filha, Mona Simpson, muito bem-sucedida, numa referência aos “genes” brilhantes que transmitiu aos filhos. Mas é o caso de se perguntar: o batizado Steve Jobs pelos amorosos Paul e Clara teria sido Steve Jobs caso fosse criado pelos pais biológicos?

Astro total
Com a repercussão da morte de Steve Jobs, a mídia já o associa a grandes ícones da música e da ciência, como Albert Einstein, que é conhecido por desenvolver a Teoria da Relatividade; John Lennon, grande astro dos Beatles; e Elvis Presley, rei do Rock N´Roll. O cofundador da Apple teve seu prestígio reconhecido na era das evoluções tecnológicas com a criação de produtos, como iPpod, iPhone e iPad, foram se atualizando ao longo dos anos e deixando os fãs vidrados a cada lançamento. Jobs viu o futuro e levou o mundo a ele.