sexta-feira, 7 de outubro de 2011

DIA DO NASCITURO 08 DE OUTUBRO: NÃO AO ABORTO


JEROME LEJEUNE, geneticista, médico e cientista francês, descobriu a trissomia.  

Jerome Lejeune e uma criança

Em julho de 1958, aos 32 anos, depois do exame dos cromossomos de um criança dita "Síndrome de Down", descobre a existência de um Cromossomos a mais sobre o par 21. Pela primeira vez na história da medicina genética se estabelece uma ligação entre um índice de capacidade mental e uma anomalia cromossômica. Lejeune descobre, em seguida, com a ajuda de seus colaboradores, o mecanismo de outras moléstias cromossômicas, abrindo assim a via para a citogenética e para a genética moderna. 
Em relação à vida, ele disse: 
"Assim que é concebido, um homem é um homem."


O dia 08 de outubro é consagrado à defesa da vida, à defesa do nascituro, aquela criança que está no útero e vai nascer.  O primeiro e principal bem que possuímos é o dom da vida, o direito de nascer. Se não for defendido primeiro o direito de nascer, não adianta reclamar por segurança, por saúde, por educação de uma pessoa que não existe, que não teve o direito de nascer.

A defesa do direito de nascer não é uma causa somente religiosa. É, também, uma causa humanitária. Se eu ou você, que está lendo este post, não tivéssemos nascido, de que valeria defenderem o nosso direito à saúde, à educação ??? De nada adiantaria!

Para refletir o posicionamento da Igreja Católica, nada melhor que as palavra do Beato João Paulo II, a quem recorremos nesta data.
João Paulo II e o aborto
“Dentre todos os crimes que o homem pode cometer contra a vida, o aborto provocado apresenta características que o tornam particularmente perverso e abominável.” (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 58)
No caso de uma lei intrinsecamente injusta, como aquela que admite o aborto ou a eutanásia, nunca é lícito conformar-se com ela, nem participar numa campanha de opinião a favor de uma lei de tal natureza, nem dar-lhe a aprovação com o seu voto. (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 73)
Quando uma maioria parlamentar ou social decreta a legitimidade da eliminação, mesmo sob certas condições, da vida humana ainda não nascida, assume uma decisão tirânica contra o ser humano mais débil e indefeso. (cf João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 70)
Não pode haver paz verdadeira sem respeito pela vida, especialmente se é inocente e indefesa como a da criança não nascida. (João Paulo II, Discurso ao Movimento Defesa da Vida, Italiano, 2002)
A tolerância legal do aborto ou da eutanásia não pode, de modo algum, fazer apelo ao respeito pela consciência dos outros, precisamente porque a sociedade tem o direito e o dever de se defender contra os abusos que se possam verificar em nome da consciência e com o pretexto da liberdade. (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 71)
Reivindicar o direito ao aborto e reconhecê-lo legalmente, equivale a atribuir à liberdade humana um significado perverso e iníquo: o significado de um poder absoluto sobre os outros e contra os outros. Mas isto é a morte da verdadeira liberdade. (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 20)
É totalmente falsa e ilusória a comum defesa, que aliás justamente se faz, dos direitos humanos – como por exemplo o direito à saúde, à casa, ao trabalho, à família e à cultura, – se não se defende com a máxima energia o direito à vida, como primeiro e fontal direito, condição de todos os outros direitos da pessoa. (João Paulo II, Christifideles Laci, nº 38)
Quando a lei, votada segundo as chamadas regras democráticas, permite o aborto, o ideal democrático, que só é tal verdadeiramente quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana, é atraiçoado nas suas próprias bases: Como é possível falar ainda de dignidade de toda a pessoa humana, quando se permite matar a mais débil e a mais inocente? Em nome de qual justiça se realiza a mais injusta das discriminações entre as pessoas, declarando algumas dignas de ser defendidas, enquanto a outras esta dignidade é negada? Deste modo e para descrédito das suas regras, a democracia caminha pela estrada de um substancial totalitarismo. O Estado deixa de ser a “casa comum”, onde todos podem viver segundo princípios de substancial igualdade, e transforma-se num Estado tirano, que presume poder dispor da vida dos mais débeis e indefesos, como a criança ainda não nascida, em nome de uma utilidade pública que, na realidade, não é senão o interesse de alguns. (cf. João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 20)
Matar o ser humano, no qual está presente a imagem de Deus, é pecado de particular gravidade. Só Deus é dono da vida! (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 55)
A rejeição da vida do homem, nas suas diversas formas, é realmente uma rejeição de Cristo. (João Paulo II, Evangelium Vitae, nº 104)

Justin Bieber é contra o aborto: é como matar uma criança, não é?

Justin Bieber, em entrevista à revista Rolling Stone,  se declara contra o aborto

Na capa da Rolling Stone: Justin Bieber é contra o aborto
Estrela adolescente fotografada com visual diferente para capa da Rolling Stone. Sexo, aborto e segurança social são alguns dos temas da entrevista.
O cantor adolescente Justin Bieber, que esta semana ganhou o prémio Brit para Revelação do Ano, é a mais recente estrela de capa da revista norte-americana Rolling Stone.
Na entrevista, o canadiano fala de assuntos como sexo antes do casamento, aborto e cuidados médicos universais.


"Não acredito no aborto... é como matar um bebé, não é?", disse a voz de "Baby".

Sobre a possibilidade de abortar na sequência de uma gravidez causada por violação. Bieber responde: "Hum. Bem, acho que é muito triste, mas tudo acontece por uma razão. Não sei porque é que isso havia de ser uma razão [para abortar]. Nunca estive numa posição dessas, por isso suponho que não posso fazer um julgamento".

Na mesma entrevista, Justin Bieber afirma ainda: "Penso que só devemos fazer sexo com alguém se estivermos apaixonados por essa pessoa. Acredito que devemos esperar pela pessoa que amamos".

O cantor garantiu ainda que não pretende obter a nacionalidade norte-americana, elogiando o sistema de saúde do seu país, o Canadá.

"O Canadá é o melhor país do mundo. Vamos ao médico e não temos de preocupar-nos em pagar-lhe, ao passo que aqui [nos Estados Unidos] as pessoas estão sempre falidas por causa das contas do médico".

Entretanto, a Rolling Stone acaba de lançar um apelo aos seus leitores: o de escolher o artista ou banda que estará numa das suas próximas capas, dentre uma seleção de vários músicos ainda sem contrato.

Fonte: Blitz - Revista Rolling Stones

117 milhões de mulheres abortadas na Ásia


06/10/2011 - 20h01

Exames de ultrassom diminuem número de mulheres na Ásia, diz ONU

O acesso maior à tecnologia que permite que os pais saibam o sexo de seus filhos antes do nascimento reduziu em 117 milhões o número de mulheres na Ásia, principalmente na China e Índia, anunciou a ONU nesta quinta-feira.

Essa tendência deve influenciar os países afetados por mais de 50 anos, principalmente por meio de uma redução do número de noivas para os homens chineses e indianos, apontaram especialistas durante uma conferência organizada por ONU e Vietnã em Hanói.

"Essa queda do nascimento de meninas reflete a preferência por meninos e o acesso maior à nova tecnologia de seleção de sexo", como o ultrassom, assinala um paper do UN Population Fund. Muitos pais recorrem a "abortos seletivos", destacou o demógrafo francês Christophe Guilmoto.

Na maioria dos países, a proporção é de 104 a 106 nascimentos de meninos para cada 100 nascimentos de meninas, "mas esse nível aumentou gradativamente nos últimos 25 anos em vários países asiáticos, principalmente na China e Índia", informou a ONU.

"A discriminação pós-natal --expressa no excesso de mortes de crianças do sexo feminino-- ainda não foi eliminada totalmente em vários países, e reflete a negligência dos pais envolvendo as filhas mulheres", diz Guilmoto no paper.

Segundo a ONU, a preferência por meninos reflete as influências socioeconômicas e tradições em que apenas os homens herdam propriedades e cuidam dos pais em sua velhice, enquanto as mulheres requerem dotes e deixam a família quando se casam.

Guilmoto assinalou que, mesmo se a proporção de nascimentos de ambos os sexos voltar ao normal dentro de dez anos, os chineses e indianos continuarão tendo dificuldade para encontrar uma esposa durante décadas. "Esse desequilíbrio também levaria a um aumento rápido do número de solteiros, uma mudança importante em países onde quase todo mundo costumava se casar."

Na China, a maioria dos pais são proibidos de ter mais de um filho. "Lidar com as consequências demográficas do desequilíbrio entre os sexos e seu impacto na sociedade pode se tornar, em breve, o próximo desafio para os governos", indicou Guilmoto.

Heeran Chun, da Universidade Jungwon, da Coreia do Sul, disse que seu país foi o único a reduzir para níveis próximos da normalidade a proporção de nascimentos de homens e mulheres.
Colaboração: Silva Lemes

A RELIGIOSIDADE CATOLICA DA PRINCESA ISABEL, A REDENTORA*

Princesa Isabel
       Após quatro anos de casada com o francês Gastão de Orléans, o Conde d’Eu, D. Isabel Cristina, a Princesa Imperial do Brasil, primeira filha do Imperador D. Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina, permanecia à espera de um herdeiro que pudesse dar continuidade à Monarquia do Brasil. A todos preocupava a ausência de filhos do casal e isso afligia sobremaneira o espírito da Princesa.

Depois de submeter em vão a todas as terapêuticas impostas pelos médicos da Corte brasileira, e pelos mestres da Academia de Medicina, a Princesa Isabel resolveu a conselho de seu próprio esposo, experimentar as águas ferríferas (contêm sais de ferro), magnesianas (contêm sais de magnésio) e carbogasosas (contêm gás carbônico) já então miraculosas de estações hidrominerais termais localizadas no “Parque das Águas” na cidade de Caxambu, ao sul de Minas Gerais. Reminiscênciou Gastão de Orléans que, em mais de uma vez na família dos Orléans, só nascia um herdeiro, depois que o casal se refazia na vilegiatura de uma estação de águas.

Preocupada com a falta de prole e almejando assegurar a continuidade da dinastia, a princesa decidiu em 25 de agosto de 1868, ir para Caxambu, acompanhada do esposo, do Dr. Feijó (seu médico pessoal e obstetra da Casa Imperial), do Conde (o melhor amigo do Conde d’ Eu no Brasil) e da Condessa de Lages, de alguns fiéis servidores, e de algumas mucamas dedicadas, em busca da grande panacéia para a sua “esterilidade”, baseada na crença que da “virtuosidade” dessas águas brotam propriedades prolíficas. A viagem era longa e sobremaneira incômoda. Contudo, nada disso arrefeceu o ânimo da princesa, pois estava disposta a enfrentar todas as vicissitudes em busca da realização daquilo que ela mais considerava um milagre: o milagre de ter um filho.

Nessa cidade, a Princesa Isabel em suas orações fez a promessa: se o uso daquelas águas lhe desse o filho almejado, faria erigir ali, no morro do Cruzeiro, uma igreja em estilo ogival (gótico) sob a invocação de Santa Isabel, rainha da Hungria, a quem ela própria fora consagrada ao nascer.

Embora a terapêutica com as “águas virtuosas e prolíficas”  não tenha sido exitosa, ela regressou em 15 de novembro para Petrópolis, consolada, robusta, e familiarizada com a simplicidade e paz do sertão.

Regressando de Caxambu, a princesa passou pela cidade de Aparecida, onde fez questão de orar entre os romeiros, em 8 de dezembro de 1868, no Santuário da Capela da milagrosa Nossa Senhora da Aparecida, feita padroeira do Império por D. Pedro I, e  da qual era devota fervorosa. Nessa ocasião, a princesa teria varrido a capela e colocado um pouco dos ciscos entre suas mamas onde fez a promessa, caso conseguisse curar-se da “esterilidade”, ofertaria à imagem de Nossa Senhora um manto azul marinho bordado em fios de prata e ouro, contendo os emblemas dos brasões do Brasil e de Portugal.

 Quando de sua romaria em outubro de 1873 a Lourdes, na França, também fez promessa para curar-se da “esterilidade”, à milagrosa Bernadette Soubirous que tinha visto diversas vezes a Virgem Maria defronte da gruta chamada Massabielle, “a Rocha Velha”, junto à margem do rio Gave em 1858. Nessa cidade, comprou e enviou ao Brasil para sua genitora, um rosário bento, que tocou a gruta Massabielle, e nove medalhas de Nossa Senhora também bentas, e que também tocaram a gruta.

            Em Petrópolis, dedicava-se à limpeza e à decoração semanal da igreja. Em maio de 1875, ela se dedicou totalmente ao “Mês de Maria”, durante o qual altares especiais eram enfeitados diariamente com flores frescas, com missas em homenagem à Virgem. Fazia muitas preces e novenas, e apegava-se cada vez mais aos santos, de quem esperava inspiração e milagre.

Lei Áurea - Libertação dos Escravos
Lei n. 3.353, de 13.05.1888
Os seus atos de benemerência e caridade eram tão grandes, e o seu apego à religião católica tão intenso, que a levou não só a abraçar a causa abolicionista, como a varrer prazerosamente o altar da Capela Imperial da Glória (Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, ou simplesmente, Igreja da Glória), no Rio de Janeiro, enchendo-a de alfaias.

A Princesa Isabel foi católica devota, tanto que a paixão pela família disputava espaço com a dedicação à igreja. Ocupava quase todo o seu tempo com missas, com o confessionário, com festejos religiosos, com quermesses, e com a participação em devoções como a Adoração da Eucaristia. Tinha duas preocupações espirituais, rezar pelos brasileiros e pela conversão dos ateus.

No exílio, recebia diariamente a Eucaristia, ao frequentar  a Basilique du Sacré- Coeur (Basílica do Sagrado  Coração), localizada no bairro de Montmartre, em Paris.

A religião tornou-se um sustentáculo indispensável para Princesa Isabel, dando-lhe forças para enfrentar os seus múltiplos deveres. A fé católica lhe deu um consolo profundo, um lugar de refúgio, valor e objetivo na vida. Ela apegou-se com as devoções de Nossa Senhora de Lourdes, do Sagrado Coração de Jesus, todas identificadas com o Ultramontanismo (sistema dos que são favoráveis à autoridade absoluta do Papa em matéria de fé e disciplina). 
 
Em 1º de agosto de 1901, escreveu para Santos Dumont esta nótula: “Senhor Santos Dumont. Envio-lhe uma medalha de São Benedito, que protege contra acidentes. Aceite-a e use-a na corrente do seu relógio, na sua carteira ou no seu pescoço. Ofereço-lhe pedindo a Deus que lhe socorra sempre”.

Após a morte de sua irmã D. Leopoldina (Duquesa de Saxe- Coburgo- Gota) de febre tifóide em 7 fevereiro de 1871 em Viena, capital da Áustria, aos 24 anos, a Princesa Isabel escreveu: 

“A fé católica é a única consolação para semelhante perda, um consolo profundo em tempos de tristeza, e uma grande bondade divina”.

 Doravante, a Igreja Católica tornara-se para Princesa Isabel um lugar de refúgio, e se empenhou cada vez mais em defender a sua doutrina contra tudo e contra todos, mesmo os hierarquicamente superiores. 


 A Princesa Isabel realmente foi católica do fundo da alma até o fim da vida, ficando conhecida por beata, em função desse fervor religioso.


OUTROS RASGOS QUE FALAM ALTO DO ESPÍRITO RELIGIOSO DA MAIOR DAS BRASILEIRAS:

1- No 35.º aniversário da Imperatriz Teresa Cristina, em 14 de Março de 1857, ela informou: “Hoje, quando acordei, rezei um Padre-Nosso e uma Ave-Maria pela intenção da mamãe. O dia está lindo, parece que Deus também quis festejar os anos da mamãe”.

2- “Acabamos, há pouco, com a festa da Igreja. Perdoei 6 réus e comutei 2 penas de morte. É uma das poucas atribuições de que gosto no tal poder!!!”

3- “Esta tarde o tempo nos deu uma estiada e fomos adorar o Santíssimo. Agora está chovendo miudinho”. (Carta de 02/04/1858).

4- Da Semana Santa, deu a notícia: “Temos ido todos estes dias de manhã e de noite aos ofícios da Semana Santa. Com o Internúncio tivemos seis padres.” (Carta de 11/04/1868).

5- “Hoje, foi dia de limpeza na Igreja e deixamo-la muito bem arranjadinha para amanhã”. (Carta de 07/11/1874).

6- Outra preocupação da princesa era, com um grupo de amigas, cantar nas solenidades religiosas da Matriz, como escreveu ao pai, fazendo galhofa, em 30/11/1874: “Lhe direi, entretanto, que seus cabelos se teriam arrepiados hoje, ao ouvir as vésperas que cantamos na Igreja às 3 horas”.

7- No final do curso do 4º mês de sua segunda gestação, ao referir para a Condessa de Barral que sentiu os movimentos ativos do bebê dentro do seu útero, e sequiosa para a chegada do mês de outubro, o mês de seu parto, exclamou: “Meu Deus! Como eu queria que o mês de outubro já tivesse chegado e passado! E passado como nós queremos que passe!!! Reze por nós a Nosso Senhor e a todos os que estão no Céu!”

8 - Pela canonização do Padre José de Anchieta (o Apóstolo do Brasil): “Queira, pois Vossa Santidade resolver que é lícito aos católicos brasileiros venerarem em seus altares a imagem de tão santo varão. Queira também Vossa Santidade lançar sua apostólica bênção sobre mim e sobre minha família e sobre a Nação Brasileira”. (Palácio, 11/07/1877).

9- “Na Igreja tivemos nosso Mês de Maria sempre precedido do terço, dito em intenção de Papai e de Mamãe. Não são as orações que têm faltado; por toda parte se reza e se manda rezar, e esta manhã nas Irmãs, tivemos uma Comunhão por intenção de Papai. Comungamos nós dois e umas quarenta senhoras”. (13/05/1888).

10- Eis na íntegra as letras apostólicas do Santo Padre Papa Leão XIII por ocasião da outorga da insígnia Rosa de Ouro à Princesa Isabel: “A muito amada em Cristo Filha Nossa Isabel Princesa Imperial Regente do Império do Brasil”. E foi com os lábios trêmulos de santa emoção embriagada quase pela suave fragrância que a flor de ouro desprendia, que a Princesa Isabel após beijá-la comovidamente, afirmou ao enviado do Papa Leão XIII: “Agradeço ao Santo Padre esta grande prova de apreço, e prometo ser filha obediente da Santa Sé”.

11-No exílio, na capela do Castelo d’Eu havia uma imagem do Sagrado Coração de Jesus, entre a Coroa Imperial Brasileira e a bandeira do Brasil Império. Diante desses símbolos a princesa vinha, diariamente, rezar pelos seus queridos brasileiros.

12- Eis a expressão de sua vontade suprema assinalada em seu testamento, feito em Boulogne-sur-Seine, Paris, em 10 de janeiro de 1910: 

“Quero morrer na Religião Católica, Apostólica, Romana, no amor de Deus e no dos meus e de minha Pátria”.

          O seu fervor pelo catolicismo era tão grande que ela era capaz dos mais assinalados sacrifícios. Aos 70 anos de idade e com grande dificuldade para se locomover (precisava do auxílio de uma bengala), por causa do excesso de peso e de problemas cardíacos, visitou em 05 de setembro de 1916, a Igreja Sagrada Família (obra do mais famoso arquiteto catalão, Antoni Gaudí) em Barcelona na Espanha passando todo esse dia em orações.

           A Princesa Isabel, em 6 de novembro de 1884, juntamente com o esposo e os filhos D. Pedro de Alcântara, D. Luis Felipe, e D. Antônio, retornou a cidade de Aparecida, ocasião em que fez uma longa oração perante à imagem de Nossa Senhora agradecendo a graça alcançada (das gestações a termo, com filhos vivos), entregando-lhe uma pequena coroa de ouro de 24 quilates, pesando 300 gramas em forma de globo, com uma cruz cravejada de rubis, e com 40 diamantes (24 maiores e 16 menores), acompanhada de uma almofada bordada em prata e ouro para sustentar a coroa, além de um rico manto azul-marinho, com 21 brilhantes representando as 21 Províncias do Império do Brasil. No dia 8 de setembro de 1904, com aprovação do Papa Pio X, a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida foi solenemente coroada por D. José Camargo Barros. A partir dessa data, oficialmente, a imagem passou a usar o manto, e a coroa passou a adornar a cabeça da pequena imagem.

Cumpriu também a promessa à Santa Isabel da Hungria, e até hoje, existe em Caxambu, a Igreja de Santa Isabel da Hungria.

Princesa Isabel em 8 de dezembro de 1907 em seu exílio em Paris. “Ao pedido que distintas e queridas patrícias me dirigem, de escrever algumas linhas para o Álbum Mariano, não me é lícito deixar de aquiescer. Meu amor e devoção à Santíssima Virgem torna-me grato escrever. Justamente em 1908 festejar-se-á o jubileu de Nossa Senhora de Lourdes, que para mim representa a graça obtida do nascimento de nossa filhinha que Deus quis levar a Si, e para meu consolo foi logo seguido dos nossos três filhos, Nossa Senhora de Lourdes cujo santuário inúmeras vezes visitei com a maior emoção.

Que Nossa Senhora de Lourdes, Nossa Senhora das Vitórias, Nossa Senhora de Pellevoisin, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora da Glória, cujos dois últimos santuários me é vedado por ora tornar a visitar, proteja nossa cara pátria, meu esposo e filhos, todos aqueles que para sua glória trabalham, e de todo o coração a venera e lhe é dedicado”.

(Redentora) * A sua piedade cristã que lhe falava ao coração, a sua fé inabalável, e a sua sensibilidade religiosa, a fez sancionar em 13 de maio de 1888 (um domingo), a Lei Áurea (Lei Imperial n.º 3353), extinguindo a escravidão em todo o território nacional. Por esse ato, foi cognominada, “A Redentora,” e agraciada pela Igreja Católica com a suma distinção, o Premio Rosa de Ouro. Premio outorgado pelo Santo Padre Papa Leão XIII em 28/09/1888.

Colaboração: Dr.Cleomenes Barros Simões, juntamente com a sua esposa Maria Tereza, são católicos praticantes. Ele é médico Ginecologista e Obstetra na cidade de Guarulhos, São Paulo. Autor dos livros “Toda a Ginecologia e Obstetrícia em Testes” (3ª edição) e “Patologia do Trato Genital Inferior”, ambos da Editora Roca, São Paulo. “Os Partos da Princesa Isabel, a Redentora - Uma contribuição para a História da Medicina no Brasil” da All Print Editora, São Paulo.

Aparecida - Campanha contra o aborto e eutanásia


Atualizado em: 10h36min - 03/10/2011
Aparecida: Campanha marca 1º fim de semana do mês da Padroeira
Romeiros foram convidados a participar de abaixo-assinado contra o aborto e a eutanásia

Credito: Reprodução / Rede VanguardaA Basílica de Aparecida já está pronta para receber os fiéis no dia 12, Dia de Nossa Senhora. E no primeiro domingo de outubro as celebrações no Santuário Nacional foram marcadas por uma campanha contra o aborto e a eutanásia. 

Eles vieram em busca das bênçãos da Padroeira. E a igreja tomada de fiéis já no primeiro domingo de outubro ouviu o pedido do Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno: é preciso preservar a vida. 

Quem foi entregar a vida Nossa Senhora, rezou, deixou florescer a fé e comungou de um mesmo ideal: defender a vida. “São situações, são coisas que é contra aquilo que a gente aprende, que é o amor, em toda a situação”, disse o técnico de segurança do trabalho, Diego Camargo. 

Neste domingo (2), os romeiros foram convidados a ter uma participação política. A Igreja Católica quer arrecadar 300 mil assinaturas para apresentar na Assembléia Legislativa para que os deputados façam projetos a favor da vida. “É importante convocar as forças vivas da sociedade, muito particularmente, aqueles que são responsáveis por fazer leis, para que protejam a vida. Desde a sua concepção até o seu natural fim. Portanto, estamos falando, sim, de leis contra o aborto que é um atentado à vida e também contra a eutanásia”, explicou o reitor do Santuário, padre Darci Nicioli. 

Credito: Reprodução / Rede VanguardaPor enquanto foram arrecadadas cerca de 30 mil assinaturas. Só 10% do que é preciso para que o abaixo-assinado se transforme em Emenda de Participação Popular. “Com essas assinaturas nós estamos preenchendo o pré-requisito, critério que a Constituição estabelece. Aí, sim, entregamos na Assembleia Legislativa como um clamor da população”, disse o professor e organizador do abaixo-assinado, Hermes Rodrigues Nery. 

E, no que depender da convicção dos fiéis contra o aborto e eutanásia, o número de assinaturas é só questão de tempo. “A gente que é consciente de uma atitude tão cruel que acontece na sociedade tem que fazer o nosso papel. Uma simples assinatura que é o mínimo que a gente pode fazer”, reiterou Diego. 

Novena 

A partir desta segunda-feira (3), começa a Novena em honra a Nossa Senhora Aparecida, refletindo o tema ‘Maria: Coração dedicado ao amor!’. Clique aqui e veja a programação completa.  (Fonte: VNews

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Brasília - Distrito Federal confia na Igreja Católica


20/09/2011 | 18:53


Mark/CH: DF confia mais na Igreja Católica do que nas Forças Armadas

FotoPESQUISA ESTIMULADA
Segundo a pesquisa estimulada Mark/CH, a população do Distrito Federal escolheu a Igreja Católica como a instituição mais confiante, com 30,50% dos votos contra 21,10% das Forças armadas. A Igreja Envagélica vem em seguida com 11,50% dos votos. Em último lugar na credibilidade dos entrevistados ficou a Polícia Militar, com apenas 0,60% dos votos. Confira todos os resultados no gráfico acima.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Evangélicos e Católicos em comunhão política


Bancada religiosa se une em defesa de suas crenças

01/10/2011 - 17h07 - Atualizado em 01/10/2011 - 17h00  
foto: Agência Camara
Deputado federal João Campos (PSDB) - Editoria: Política - Foto: Agência Câmara


Campos: "Foi-se o tempo em que católicos e evangélicos se estranhavam"
BrasíliaDiferenças à parte, os parlamentares de bancadas religiosas - católica e evangélica - atuam em comunhão no Congresso e monitoram a tramitação de 368 projetos na Câmara e no Senado. Em defesa de suas bandeiras, esses deputados e senadores interferem no andamento de propostas como união civil entre homossexuais, criminalização da homofobia, contra os abortos legais e o chamado "divórcio instantâneo" (projeto que permite que esse processo se dê via internet), entre dezenas de outros. 

Os religiosos atuam para atrasar, retirar de pauta ou rejeitar projetos que contrariam suas crenças. Em outra ponta, trabalham pela aprovação de propostas de interesse do segmento, como o Estatuto do Nascituro, que prevê o pagamento de um salário mínimo para mulheres que engravidaram após estupro. Essa pensão vai até a criança completar 18 anos. Foi classificado pelos opositores de "bolsa-estupro". 

Juntos, evangélicos e católicos formam um grupo de cerca de cem parlamentares. "Foi-se o tempo em que católicos e evangélicos se estranhavam aqui no Congresso. Principalmente pelas críticas dos católicos aos cultos evangélicos. Esse tempo passou e hoje trabalhamos juntos na proteção da família e da vida", disse João Campos (PSDB-GO), coordenador da bancada evangélica. 

Um personagem central nesse monitoramento dos projetos não é um parlamentar. É o advogado Paulo Fernando Melo, que, semanalmente, faz um balanço atualizado da tramitação de projetos e o encaminha aos parlamentares. Ele é vice-presidente da Associação Nacional Pró-Vida e atua no Congresso Nacional há 20 anos, onde assessora deputados e senadores católicos e evangélicos, e redigi projetos e prepara discurso. É o ghost writer das duas bancadas. 

Paulo tem até proposta de sua "autoria" que virou lei: a inscrição do nome do padre José de Anchieta no Livro dos Heróis da Pátria. Foi sancionado por Dilma Rousseff e, oficialmente, é de autoria do deputado Doutor Dalmir (PV-SP). 
foto: Agência Câmara
Paulo Fernando Melo da Costa, membro da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família - Editoria: Política - Foto: Agência Câmara
Apesar de não ser parlamentar, Paulo é personagem central para a bancada da fé

O advogado elaborou o Estatuto do Nascituro e redigiu proposta que considera a música gospel como atividade cultural e com direito aos benefícios da Lei Rouanet. Esse projeto foi aprovado na Câmara e tramita no Senado. Foi apresentado pelo Bispo Rodovalho (PP-DF). 

Há projetos de autoria de um católico e um evangélico, mostrando o entrosamento. Doutor Talmir (PV-SP), católico, e Henrique Afonso (PV-AC), evangélico, são autores de proposta que obriga o SUS a oferecer cirurgias de reversão de vasectomia. (Agência O Globo)

Articulação


"Comparo o que faço a um trabalho missionário. É por convicção. A aproximação das duas bancadas facilita a articulação"

Paulo Fernando Melo - Advogado e vice-presidente da Associação Nacional Pró-Vida 

Foco no tratamento contra as drogas


Outro tema que une as bancadas, além do combate à políticas pró-homossexuais, é o tratamento de drogados. EvangélicGazeta OnLineos e católicos mantêm centros de tratamento e querem a atenção do poder público, de olho nos recursos orçamentários. 

Um dos coordenadores da bancada católica, Eros Biondini (PTB-MG) defende com prioridade a causa. O deputado revela que foi viciado durante 20 anos e tratou-se numa dessas comunidades. Nesses lugares, os usuários de drogas são também catequizados e acabam virando cabo eleitoral. Biondini, que controla locais para tratamento, reconhece que elegeu-se em função da atividade. "São locais que cobrem lacunas no atendimento oferecido pelos governos".

Ele cita a ação conjunta com evangélicos para tirar de circulação o kit contra homofobia elaborado pelo Ministério da Educação. "Foi uma demonstração que temos muitos pontos de convergência e que se repetiu outras vezes e assim será quando princípios que defendemos, como a família, estiverem ameaçados". 



Fonte: Gazetaonline.globo.com

terça-feira, 4 de outubro de 2011

100 mil pessoas em Recife: SIM À VIDA!





A despeito da lacônica nota publicada no Diário de Pernambuco, hoje pela manhã Recife – uma vez mais – disse sim à vida. Foi a quinta edição da marcha arquidiocesena na Av. Boa Viagem. Onde, mais uma vez, tive a graça de estar presente.
O percurso – de um pouco antes do Castelinho até um pouco depois do Primeiro Jardim – é de aproximadamente 2km. Às nove da manhã, saíamos atrás do primeiro dos trios elétricos. No total, eram cinco. Músicas religiosas enchiam a orla; a avenida, estava tomada de paróquias e de movimentos, que atenderam ao chamado da Arquidiocese para clamar contra o aborto e em defesa da vida humana desde a concepção até a morte natural.
Lá pela metade do percurso, o secretário do sr. Arcebispo sobe em um dos trios. “Já somos mais de cem mil pessoas”, ele diz. A avenida aplaude. Entre músicas e orações, caminhávamos sob o sol quente. As camisas e as faixas identificavam a nossa luta – diziam o quê reivindicávamos. Jovens e velhos, pais e crianças, todos doávamos a nossa manhã de domingo para, com a nossa presença, defender os direitos daqueles que não podem se defender sozinhos. Dos mais indefesos entre os mais indefesos.
Éramos muitos – na verdade, somos muitos. E movimentos assim são importantes porque colocam as coisas em sua verdadeira perspectiva – e mostram ao mundo que, a despeito de serem os inimigos do gênero humano que possuem vez e voz, há uma multidão que ainda não enlouqueceu e ainda possui verdadeiros valores morais. Há pessoas que não aceitam a cantilena imoral dos meios de comunicação oficiais. E estas estão cada vez mais dispostas (graças a Deus!) a se fazerem ouvir.
Eis as fotos:
P.S.: A Folha de Pernambuco noticiou “mais de 50.000 pessoas”. E publicou uma bonitafoto de primeira capa.

Fonte: Deus lo vult