sábado, 28 de maio de 2011

Manifestação em Brasília contra o projeto heterofóbico - PL 122

Convite para participação na manifestação em defesa da família, em frente o Congresso Nacional.

As mentiras do relatório Kinsey são a base da ideologia gay



O relatório Kinsey: conseqüências de uma difusão mundial de mentiras

Por Belén Vendrell
A aceitação pouco crítica dos resultados do chamado “Relatório Kinsey” teve muita influência na cultura e nas políticas públicas das últimas décadas. Como mostra a autora dessa apertada síntese – um resumo da sua exposição num Congresso realizado em 2001 –, a “revolução sexual” iniciada por Kinsey – que ainda hoje perturba a vida de muitas pessoas e famílias – exige como resposta uma vigorosa afirmação do verdadeiro significado da sexualidade humana.

UM “RELATÓRIO” SOBRE A SEXUALIDADE HUMANA

Os resultados publicados pelo biólogo norte americano Alfred C. Kinsey entre 1948 e 1953, sobre o comportamento sexual de homens e mulheres, o famigerado Relatório Kinsey (*), contribuíram muito para desencadear a chamada “revolução sexual” que se deu a partir dos anos 60 <1>.
------------------------------------------

(*) Convencionou-se chamar de “Relatório Kinsey” o conteúdo dos livros: KINSEY, Alfred C., POMEROY, Wardell B. e MARTIN, Clyde E. Sexual Behavior in the Human Male, W.B. Saunders Co., Philadelphia and London, 1948 e KINSEY, Alfred C., POMEROY, Wardell B., MARTIN, Clyde E. e GEBHARD, Paul H. Sexual Behavior in the Human Female, W.B. Saunders Co., Philadelphia and London, 1953.
------------------------------------------

Kinsey defendeu que todos os comportamentos sexuais considerados anômalos são na verdade normais, e ao mesmo tempo afirmou que ser exclusivamente heterossexual é anormal: é fruto de inibições culturais e de condicionamentos sociais, contrários à natureza do homem. Ele compartilhava a opinião dos que afirmam que os cristãos herdaram o comportamento sexual quase paranóico dos judeus.

Após 40 anos, durante os quais deu-se um crédito quase absoluto aos dados publicados por Kinsey – com terríveis conseqüências morais e intelectuais para a Sociedade –, cientistas de vários países demonstraram a falsidade das conclusões do “relatório” e o seu escasso rigor científico. Para dar um exemplo disso, podemos mencionar o recente estudo intitulado “Sexo na América: uma pesquisa definitiva” <Sex in América: a Definitive Survey, Warner Books, 1995>, dos pesquisadores norte-americanos John H. Gagnon, Robert T. Michael e Edward O. Laumann, da Universidade de Chicago, e da repórter do The New York Times, Gina Kolata, que desfez grande parte dos mitos criados pelo relatório do biólogo.

Os dados estatísticos de Kinsey parecem ter sido manipulados, já que a amostra era claramente viciada (era alto o percentual de presidiários, exibicionistas, pedófilos e “turistas” sexuais) e a metodologia incluía maus-tratos e estimulação sexual de crianças e até de bebês de poucos meses por parte de adultos <2>.

Kinsey e seus colaboradores pretenderam mudar os valores morais tradicionais empregando a seguinte estratégia:

a) Defender a idéia de que a bissexualidade é a orientação sexual própria de pessoas normais e desinibidas.Isso encorajaria pessoas heterossexuais a praticarem atos homossexuais, já que a heterossexualidade seria apenas mais uma opção num amplo leque de condutas sexuais. Assim seria alterada a norma da sexualidade heterossexual, e com ela a estrutura familiar tradicional, os valores e os padrões de comportamento sexual convencionais.

b) Propor um plano para que as crianças fossem educadas na bissexualidade e treinadas por membros da geração precedente. Essas teorias tiveram influência na Sociedade e na Ciência, contribuindo decisivamente para que a homossexualidade desaparecesse do catálogo de patologias mentais, salvo o caso de distonia (caso em que a pessoa com inclinações homossexuais sente-se mal por isso).

Por outro lado, é importante assinalar que até mesmo cientistas da escola de Kinsey, apesar de manifestarem abertamente que a conduta homossexual é normal e plenamente aceitável, dizem que “é de importância vital que todos os profissionais no campo da saúde mental tenham presente que o homem ou a mulher homossexual é homem ou mulher por determinação genética e tem tendências homossexuais por preferência adquirida” <3>. Isso corroboraria a hipótese de que as inclinações homossexuais não são inatas no indivíduo. O psiquiatra L. J. Hatterer chega até a afirmar rotundamente: “Os psiquiatras chegaram finalmente à conclusão de que os fatores genéticos, hereditários, constitucionais, glandulares e hormonais não têm nenhuma importância como causa da homossexualidade” <4>.

Cada dia é maior o número de especialistas que não renunciaram à terapia de restauração da identidade sexual, considerando a inclinação homossexual como um transtorno psíquico de tipo neurótico – adquirido ao longo da infância ou da adolescência – que pode ser tratado <5>.

Além do mais, Kinsey utilizou o termo dependência para referir-se às relações maritais que preservam a fidelidade da união conjugal, como se ser fiel ao cônjuge fosse alguma espécie de vício.

Infelizmente, as conclusões de Kinsey continuam sendo levadas em conta quando se tomam decisões sobre políticas de saúde sexual e/ou reprodutiva, e constituem boa parte do conteúdo dos programas educativos em matéria de sexualidade em todo o mundo.

As conseqüências mais diretas de tais divulgações científicas foram:

– a separação (que se tenta justificar eticamente) entre a atividade sexual e a procriação;

– o exercício da sexualidade fora do matrimônio (o chamado “amor livre”);

– e a separação entre a atividade sexual e o amor.

SEXO, PROCRIAÇÃO E FAMÍLIA

Com o rápido surgimento dos primeiros métodos anticoncepcionais nos anos 60 e com a adoção de um conceito antinatural de Planejamento Familiar por parte dos órgãos oficiais de Saúde Pública, a fertilidade – entendida como dimensão constitutiva da sexualidade e como capacidade de procriação – começou a ser encarada como uma ameaça à Humanidade.

Diante dessa crítica situação, o Papa Paulo VI apresentou em 1968 a sua profética Encíclica Humanae Vitae sobre o amor humano e sobre a “paternidade responsável”, na qual opunha-se valentemente à já mencionada visão deformada da sexualidade e à utilização de métodos anticoncepcionais que impeçam a reta regulação da fertilidade. Paulo VI desenvolve nesse texto um belo projeto sobre a decisão e realização da procriação, respeitando a dignidade dos esposos e a vocação à doação própria do amor esponsal. Ele exortou os cientistas a esforçarem-se por encontrar, dentro do âmbito da sua competência, soluções para os problemas nessa matéria, convencidos de que não pode haver contradição entre a Ciência e a Fé <6>.

No fim da década de 70, em defesa do direito de decidir sobre a capacidade de procriação, foram desenvolvidas e implantadas as técnicas de Reprodução Assistida, que envolvem a separação entre a procriação e a sexualidade (procriação sem atividade sexual). Em 1978, obteve-se o nascimento do primeiro bebê de proveta (com a transferência do embrião) e nos anos 80 a técnica – conhecida como FIVET (Fertilization In Vitro with Embryo Transference) – foi aperfeiçoada. O passo mais recente é a clonagem, desenvolvida já nos anos 90.

Nos últimos anos – dentro de um processo que poderíamos chamar de gradual desestruturação cultural e humana da instituição familiar –, vem sendo proposta a separação entre identidade sexual e gênero: Ser homem ou mulher não estaria determinado fundamentalmente pelo sexo, mas pela cultura.

Tal mentalidade ataca as próprias bases da família e das relações interpessoais. Se a questão do gênero é cultural e se a pessoa não se identifica com o sexo à hora de projetar-se como masculina ou feminina, então porque a mãe não pode fazer o papel de pai e vice-versa?

Neste início do novo milênio, uma profunda crise da paternidade em todos os níveis – biológico, ontológico, educativo e funcional – levou a Sociedade a aceitar como normal a separação entre procriação e paternidade. O pai já não é mais necessário para procriar. Está sendo estudada até mesmo a reprodução a partir de duas mulheres. A Sociedade ideal deveria conduzir à indiferenciação sexual. As pessoas com inclinações homossexuais teriam amparo jurídico e social para as suas situações sexuais e os filhos perderiam definitivamente a figura do pai.

O pai desaparece quando o que se pretende é que o filho dependa unicamente da decisão individual da mulher, às vezes até de maneira homossexual, em nome de uma biologização solitária da filiação. O pai é afinal privado do seu filho e destituído da sua função. As conseqüências de tudo isso pertencem ao campo da Ética e, portanto, da Bioética, já que estamos falando da vida do Homem.

Como diz o Professor Anatrella, não basta apenas fabricar carne humana: a filiação deve ser estabelecida partindo da diferença de sexo entre pai e mãe e da sucessão de gerações, e deve ser instituída de modo a poder desenvolver-se e reproduzir-se na História. Uma Antropologia que negue essa realidade – e que portanto sirva de base para uma Ética e para uma Bioética igualmente distorcidas – contradiz a verdade sobre o Homem <7>. As palavras do Papa João Paulo II, ditas há 20 anos na Familiaris Consortio, foram realmente proféticas: “é necessário esforçar-se para que se recupere socialmente a convicção de que o lugar e a tarefa do pai na e pela família são de importância única e insubstituível” <8>.
--------------------------------------------------
NOTAS
<1> Cfr. TARASCO, M. “Consideraciones sobre la Influencia del Reporte Kinsey” in Cuadernos de Bioética nº 4, Grupo de Investigación en Bioética de Galicia, Santiago de Compostela, 1997.
<2> Cfr. REISMAN, Judith. Kinsey, Crimes & Consequences, The Institute for Media Education, Crestwood, KY, 1998 e REISMAN, Judith e EICHEL, Edward. Kinsey, Sex and Fraud: The Indoctrination of a People, Lafayette, LA, Huntington House, 1990.
<3> MASTERS, W.H. e JOHNSON, V.E. Homosexuality in Perspective, Little, Brown and Company, Boston, 1979. ( Citado por VAN DEN AARWEG, G. Homossexualidade e Esperança, Diel, Lisboa 2002, p.57 )
<4> HATTERER, L.J. Changing Homosexuality in the Male, McGraw-Hill, New York, 1970. (citado por VAN DEN AARWEG, G. Homossexualidade e Esperança, Diel, Lisboa 2002, p.58 )
<5> “A homoxessualidade é justamente um tipo de neurose. A pessoa que sofre este complexo leva dentro uma certa ´criança que se auto-compadece´“. VAN DEN AARWEG, G. Homossexualidade e Esperança, Diel, Lisboa 2002, p.94
<6> Cfr. PAULO VI, Encíclica Humanae Vitae, nº 24.
<7> Cfr. ANATRELLA, T. “Las consecuencias psicológicas de la disfunción del sentido de la paternidad en la sociedad actual” em Familia et Vita, edição espanhola, ano IV, nn. 2-3, 1999.
<8> JOÃO PAULO II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio, nº 25.

Fonte:Quadrante

sexta-feira, 27 de maio de 2011

KIT GAY: ministro Fernando Hadad insiste


Um dia depois que a presidente Dilma Roussef disse que o governo não faz propaganda de tendências sexuais, o ministro da educação diz que KIT GAY será distribuído, ainda este ano, em 6.000 escolas. Leia matéria da Folha.com abaixo.

Novo kit anti-homofobia deve ser lançado ainda neste ano
LAURA CAPRIGLIONE
DE SÃO PAULO
27/05/2011 - 18h20
O ministro Fernando Haddad disse hoje pela manhã em São Paulo que o kit anti-homofobia deverá estar pronto ainda neste ano para distribuição em 6.000 escolas.
Criticado principalmente por parlamentares evangélicos, o material que vem sendo preparado pelo MEC foi alvejado na quinta-feira pela própria presidente Dilma Rousseff, que viu em peças do kit "propaganda de opção sexual".
No mesmo pronunciamento, Dilma aproveitou para chamar para a Secretaria de Comunicação da Presidência da República a responsabilidade final pela aprovação de materiais produzidos por órgãos de governo e que tratem de costumes ou valores culturais.
O presidente nacional do DEM, senador José Agripino, disse nesta quinta-feira (27) que o partido vai propor ações judiciais com o objetivo de devolver à União os gastos correspondentes à elaboração e distribuição do kit.
Ontem, Haddad admitiu que o filmete chamado 'Probabilidade', que versa sobre bissexualidade, tem conteúdo inadequado, por apresentar a situação de um garoto que se descobre bissexual, concluindo que ele teria duas vezes mais chances de encontrar uma companhia do que outro, heterossexual.
Além desse filmete, o kit de trabalho do projeto "Escola sem Homofobia" incluiria ainda outros, sobre transexualismo e lesbianismo, além de um livro de orientação aos professores.
Segundo o ministro, o material anti-homofobia ainda estava em fase de elaboração. Embora já tivesse obtido o aval da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), o kit deveria passar por uma série de críticas técnicas e científicas, antes de ser encaminhado às escolas.
  Fonte:   Folha.uol.com.br

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Justiça reconhece essencialidade da religião na formação moral e ética da pessoa humana


No julgamento de um habeas corpus ajuizado para autorizar o preso a visitar um religioso, a Justiça reconheceu a importância da religião na formação moral e ética da pessoa humana.

A Justiça acentuou que, a "adesão e estima aos preceitos religiosos contribui para desenvolver a noção dos fundamentos morais essenciais a uma vida social apropriada."

Abaixo o resumo do julgamento.


PRESO. SAÍDA TEMPORÁRIA. VISITAÇÃO. RELIGIOSO.Trata-se de habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública estadual em favor de paciente condenado à pena de 30 anos pela prática do crime de estupro seguido de morte (arts. 214 c/c 223, parágrafo único, e 61, II, d, todos do CP) que, após sua transferência para o regime semiaberto, busca saída temporária para visitar agente religioso, o qual o aconselhou na prisão por cerca de cinco anos. O juiz de execução negou o pedido; houve agravo em execução, mas o tribunal a quo negou provimento por tratar-se de visita a amigo em vez de a familiar. Naquela instância, ainda houve os embargos infringentes que foram rejeitados. Na impetração, ressalta-se a existência de parecer da comissão técnica favorável à saída temporária relacionada à atividade religiosa.
Para o Min. Relator, apesar da impossibilidade de enquadramento do pedido da impetração no inciso I do art. 122 da Lei de Execuções Penais (LEP) por não se tratar de visita à família, o pleito da Defensoria não se restringiu ao enquadramento do inciso I, mas abrangeu também o inciso III, ao afirmar, entre outros questionamentos, que a visitação ao conselheiro religioso concorrerá para o retorno do paciente ao convívio social. Também o Min. Relator considera ser relevante a informação dos autos de que o amigo missionário logrou converter o paciente à vida religiosa, visto que essa adesão e estima aos preceitos religiosos contribui para desenvolver a noção dos fundamentos morais essenciais a uma vida social apropriada. Ainda destaca o fato de a pessoa a ser visitada ter mantido auxílio espiritual ao paciente por período prolongado e habitualidade, a demonstrar a seriedade do trabalho do religioso. Assim, afirma que a convivência com o missionário oportunizará o fortalecimento dos ensinamentos morais, além de possibilitar a demonstração da recompensa advinda do interesse em acolher uma vida ética e digna. Tudo isso deve ser considerado como atividade que irá efetivamente contribuir para o retorno do paciente ao convívio social.
Superior Tribunal de Justiça HC 175.674-RJ, Rel. Min. Gilson Dipp, julgado em 10/5/2011.

O tesouro da honradez (Dom Walmor)



Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
O evangelista João narra no final do primeiro capítulo do seu Evangelho o elogio à honradez de Natanael, que encontrado por outro discípulo, Filipe, foi abordado com a boa nova de ter encontrado Jesus. Ao ouvir a notícia Natanael reagiu, fazendo consideração preconceituosa ao expressar descrédito a respeito do que poderia ter de bom em Nazaré, na Galileia. O comentário de Jesus, dirigindo-se a Natanael, foi que ele era um verdadeiro israelita, no qual não havia falsidade. Natanael ficou surpreso e quis saber de onde Jesus o conhecia. A resposta, carregada de simbolismo, indica que o Mestre o vira debaixo da figueira. O contexto indica que era um homem sério e de fé, para além dos próprios limites. Porém, banhado por preconceitos, frutos de sentimentos ou de inteligência estreitos, mas que privilegiava a busca da verdade e do bem.

Essa cena evangélica remete a pessoa humana e as instituições à seriedade da condição moral, tocando o exigente desafio de articular princípios e valores como garantia de condutas e abordagens, que teçam a honradez como tesouro indispensável para a vida pessoal, social e política. Honradez se constrói com honestidade. No entanto, está comprometida na consideração quanto à honra como valor, que, parece, está em baixa no tempo atual. Explica-se a confusão pela qual passam instituições, grupos, famílias e outros segmentos da sociedade. Não se pode omitir a desordem entre instituições brasileiras, uma imiscuindo-se no que é próprio da outra, exorbitando competências.  

A honradez que sustenta e dá consistência se compromete facilmente em razão da falta de fidelidade. Isso exige sacrifício e coerência com princípios, identidades e, também, com o prometido no assumir lugares, cargos, responsabilidades, missões e tarefas próprios de cada instituição, partido ou instância. A avaliação da honradez é um balizamento que articula o que se assume como postura e obrigação, em confronto com princípios éticos e morais que norteiam a instituição à qual se pertence, ao partido afiliado, à academia na qual se ocupa um lugar, ao clube escolhido... Não pode ser diferente ao se tratar de instituição religiosa. 

É interessante ouvir falar de fidelidade partidária. Sua desconsideração, em razão de jogos ideológicos e interesses cartoriais, ou os mesquinhamente individuais, provoca a lambança política que desfigura um parlamento, usurpado no poder próprio pela corte suprema, aplaudida como corajosa - embora com ato inconstitucional; transforma uma assembleia legislativa em palco de negociatas, ou câmaras municipais num lugar de mediocridades. O politicamente correto vence e, como afirmam juristas respeitados, o Parlamento não tem coragem de anular a decisão de um Supremo Tribunal Federal (STF), que usurpou sua competência constitucional. 

Não é diferente quando o tesouro da honradez se compromete por parte de religiosos e, em particular, dos que assumem lugares e condições consagradas no serviço e na fidelidade a princípios e valores éticos e morais da fé que professam. Sob pena de equívocos graves e comprometedores na profissão de fé, não se pode radicalizar, por exemplo, no âmbito social e relativizar em questões e princípios morais. 

É preciso retomar o assunto abordado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) quanto à união estável de pessoas do mesmo sexo, ao afirmar: “a diferença sexual é originária e não mero produto de uma opção cultural”. A afirmação que todos merecem respeito nas opções que fazem, com repúdio a todo tipo de violência e discriminação, não pode relativizar princípios e normas morais que permitam equiparar, pura e simplesmente, a família com a união estável entre pessoas do mesmo sexo. A fidelidade a valores, princípios e normas morais dá à Igreja o direito - e é um dever que tem – de questionar e confrontar-se com instituições, como o STF, a propósito de interpretações que levam a equívocos e comprometimentos éticos na política. 

Voltando ao tema da honradez, é natural pressupor que a profissão da fé cristã católica tenha em conta essa orientação e esse embasado entendimento. Particularmente, é uma exigência para os que se consagram à missão do anúncio dessas verdades. O compromisso com a honradez é evidente pelo comprometimento da fidelidade prometida. Fica, então, evidente a manipulação de oportunidades e o usufruto indecente de benesses institucionais, chamando ações disciplinares e correção de rumos para não comprometer o que conta para todos os cidadãos, em especial para o discípulo de Jesus, o tesouro da honradez. 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo Metropolitano de Belo Horizont
e

Kit gay: Governo realmente recuou?

Suspensão do kit não descontinua homossexualização estatal nas escolas em nome do combate à “homofobia”
Julio Severo -  26 de maio de 2011
Apesar do fato de que Dilma suspendeu a distribuição do kit gay, a campanha do governo federal de combate à “homofobia” prosseguirá normalmente nas escolas, conforme informou o ministro Gilberto Carvalho.
A decisão de suspensão tomada por Dilma ocorreu por pressão das bancadas católicas e evangélicas, que ameaçaram obstruir as votações na Câmara dos Deputados, assinar a convocação do ministro Palocci para se explicar sobre seus últimos escândalos, pedir uma CPI contra o Ministério da Educação e ainda exigir a demissão do ministro da Educação.
Com a decisão de Dilma, as duas bancadas recuaram em suas ameaças.
Entretanto, de acordo com o jornal O Globo, o ministro Gilberto Carvalho deixou claro que a decisão da Dilma não é um “recuo” nas políticas de combate à “homofobia”.
Do ponto de vista dos ativistas homossexuais, quem é que deve ser combatido por “homofobia”?
A ABGLT, a maior organização de militantes gays do Brasil, diz que os que se opõem ao kit gay são “homofóbicos”. Mas o próprio colunista da revista Veja, Reinaldo Azevedo, que é católico e aceita o “casamento” homossexual e a adoção de crianças por duplas gays, também se opõe, afirmando que o “objetivo do kit gay é promover assédio moral contra alunos heterossexuais”.
Se você aceita o assédio homossexual contra seus filhos, você é um respeitador de direitos humanos. E se você não aceitar? Aí, quer queira quer não, você será tachado de retrógrado, “homofóbico”, fanático religioso, etc. A única opção de se evitar ofensas e ataques da feroz militância gay é se submetendo alegremente a todas as imposições da agenda deles, inclusive entregando alegremente seus filhos à doutrinação homossexual. Sem isso, você é automaticamente um “homofóbico”.
Os ativistas gays estão furiosos com a suspensão de seu kit nas escolas. O mais enfurecido deles, Jean Wyllys, disse: “Se a presidenta optar por ceder à chantagem — não há outro nome — dos inimigos da cidadania plena fazendo de seu mandato um lamentável estelionato eleitoral, só me resta esperar que, na próxima eleição, os LGBTs e pessoas de bom senso despertem sua consciência política e lhe apresentem também sua fatura: não voto!”
O bom do que ele disse é que se a eleição de um candidato socialista dependesse exclusivamente dos votos dos homossexuais, o Brasil nunca mais veria socialistas na presidência do Brasil e em muitos outros cargos importantes. Mas todo socialista se elege a custa de mentiras, não de adeptos do sexo homossexual.
Além disso, quem é Wyllys para se enfurecer nessa questão? Quem tem direito exclusivo de se enfurecer são os pais e mães das crianças, que estão sendo submetidas a experimentos de doutrinamento ideológico da militância gay.
Rede Record atribuiu o “recuo” de Dilma às conversas com seu aliado Marcelo Crivella e ao partido político dele, o que traz uma questão: a decisão de Dilma foi uma jogada para engradecer a posição do senador da Igreja Universal como representante dos evangélicos e facilitar a negociação do PLC 122 entre amigos?
Seja por Crivella ou por uma sórdida barganha para livrar políticos corruptos de julgamentos necessários, o fato é que o governo de Dilma Rousseff está determinado a combater a “homofobia” — que inclui classificar de “homofóbicos” pais e mães que veem o kit gay como instrumento para promover assédio homossexual contra seus filhos na escola.
A ABGLT, que é a peça central do escândalo envolvendo milhões dos cofres públicos na elaboração do kit gay, iniciou campanha de apoio ao kit. A ABGLT é hoje uma organização brasileira conhecida internacionalmente por ter movido perseguição a líderes cristãos do Brasil que estavam em sua lista negra de “homofóbicos”.



Quer Dilma tenha recuado ou não, as lideranças católicas e evangélicas não deveriam recuar. Palocci merece ser julgado e punido. O MEC precisa ser investigado numa CPI, pois o kit gay custou mais de três milhões de reais, numa parceria escandalosa entre o MEC e as ONGs ABGLT e ECOS. Quanto ao ministro da Educação, Fernando Haddad, como é que ele pode escapar impune depois de tudo o que fez?
Além do mais, é preciso desmascarar e combater a campanha que, em nome do combate à “homofobia”, está combatendo a maioria cristã do Brasil e os pais e as mães que querem proteger seus filhos de todo tipo de assédio imoral, inclusive homossexual.
A guerra continua.

Presidente Dilma Rousseff diz que não aceita propaganda de opções sexuais


O UOL Notícias - Educação acaba de publicar matéria sobre a manifestação da presidente Dilma Rousseff.   Segundo a matéria, a presidente teria desaprovado o  kit gay e dito que não aceita propaganda de opções sexuais e que o governo não pode intervir na vida privada das pessoas. 

Leia abaixo.  

"Não aceito propaganda de opções sexuais", afirma Dilma sobre kit anti-homofobia
Da redação* -  26/05/2011 - 13h32 / Atualizada 26/05/2011 - 13h49
Em São Paulo 
 A presidente Dilma Rousseff criticou o kit Escola sem Homofobia, também chamado de kit anti-homofobia e kit gay, na manhã desta quinta-feira (26). Ela disse que assistiu a um dos vídeos e não gostou do seu conteúdo.
"Não aceito propaganda de opções sexuais. Não podemos intervir na vida privada das pessoas", afirmou em cerimônia no Palácio do Planalto. A presidente disse, ainda, que o governo defende a luta contra práticas homofóbicas. “O governo pode, sim, ensinar que é necessário respeitar a diferença e que você não pode exercer práticas violentas contra os diferentes.”
Segundo a presidente, a situação está em estudo: “É uma questão que o governo vai revisar, não haverá autorização para esse tipo de política de defesa A, B ou C. Agora, lutamos contra a homofobia”.
Fonte: UOL - Notícias - Educação


A Rainha Muda, a matemática homoafetiva, a idiotia politicamente correta e os cadáveres da imprensa


26/05/2011
 às 6:17


Um dos grandes dramas do Brasil hoje em dia é que os ignorantes patrulham os oportunistas. A presidente Dilma Rousseff suspendeu ontem o tal “kit anti-homofobia” que seria exibido nas escolas — se aquilo era “anti” alguma coisa, era anti-heterossexual; tratava-se de proselitismo gay. Escrevi aqui que Dilma pode ter feito por maus motivos o que deveria ter feito por bons. O que quis dizer com isso? O material era de uma impressionante vigarice intelectual, moral, técnica e matemática. Até aí, tudo bem para o Planalto! A Rainha Muda não havia movido uma palha!

Quando a bancada cristã ameaçou chamar Antonio Palocci para o palco, então a presidente se mexeu e descobriu, ora vejam!, que o tal kit era inadequado e entrava na seara das famílias. Desconheço país do mundo que exiba filmes em sala de aula que tenham o objetivo de alertar os alunos heterossexuais para a possibilidade de que eles podem estar perdendo a oportunidade de “ficar” com indivíduos do mesmo sexo. Isso, obviamente, é assédio moral. Mas não é ainda o limite. Abaixo do fundo do poço, há um alçapão.
Divulgados os vídeos — eu já havia publicado um deles aqui, sobre o rapaz que se chama “Bianca” —, assisti a outro, intitulado justamente “Probabilidades”. Escrevi um post a respeito. Conta a história de Leonardo, que descobriu que gostava de meninas e… meninos. Certo! Aí, relata o filme, “foi copiando a lição de probabilidade que Leonardo teve um estalo (…), gostando dos dois, a probabilidade de encontrar alguém por quem sentisse atração era quase 50% maior. Tinha duas vezes mais chance de encontrar alguém (…)!”Evidenciei o óbvio: trata-se de uma bobagem matemática dupla. Se Leonardo passou a se interessar por todos os bípedes sem pêlos e penas — os tais humanos —, e não apenas pelas fêmeas da espécie, dado que antes só fazia a sua coleta em 50% dos indivíduos, a probabilidade é 100% maior, não 50%; ele não tem duas vezes mais chance, mas uma — já que a primeira sempre esteve dada. 
É um troço elementar. Eu não sei se a economista Dilma Rousseff, ainda que destituída de seu falso doutorado, percebeu a falcatrua matemática ao ter vetado o vídeo. O que me causa espanto é que não vi o erro apontado nos sites dos grandes jornais — não havia uma miserável linha a respeito. E a razão é simples. O erro não foi percebido pelo MEC, o erro não foi percebido pelos especialistas, o erro não foi percebido pelos jornalistas. Uma vez denunciado, como foi aqui (este blog teve ontem 98.627 visitas, e vocês sabem como funciona a rede; os posts se multiplicam porque reproduzidos por outros páginas), fizeram de conta que nada tinha acontecido, que a bobagem não estava lá, que o material era bom pra chuchu e só foi vetado porque Dilma cedeu aos dinossauros cristãos para tentar salvar a pele de Palocci
Sim, ela, o PT e mais um bando de gente — sobretudo um bando de gente! — está tentando salvar a pele de Palocci, mas não só por intermédio da suspensão do kit gayzista, não é mesmo? O fato de que tenha recorrido também a esse expediente é uma evidência a mais do desespero, mas não torna aceitável ou respeitável o material. É um lixo pedagógico! É um lixo didático! É um lixo matemático!
Setores da imprensa estão indignados! E daí que a matemática homoafetiva seja diferente daquela matemática habitualmente usada par tocar a vida, presente nas pontes, nos prédios, nas calculadores, nas contas em geral? Que se dane! A escola é o lugar em que a gente tem de aprender “cidadania” e “justiça social”!!! Porque esses são dois conceitos respeitáveis, sem dúvida, então eles podem substituir todo o resto.  O Ministério da Educação pode torrar alguns milhões oferecendo uma matemática troncha à patuléia — desde, obviamente, que se o faça por bons propósitos. A canalha considera que a causa da igualdade pode suportar uma língua errada, uma matemática errada, uma ciência errada.
Os alunos pobres podem, sim, ser ignorantes. O importante é que sejam “justos” e pratiquem a igualdade. Dilma suspendeu o material por oportunismo, sem dúvida, mas está sendo patrulhada pelos estúpidos. Ontem, um dos portais trazia a Natalie Lamour do Congresso, Jean Willys (PSOL-RJ), conclamando os gays a não votar mais na petista. O ex-BBB teve pouco mais de 16 mil votos e só está na Câmara porque Chico Alencar foi o seu T000iririca…
Politicamente incorretoAlguns colunistas condenados ao oblívio pelos leitores — em razão da falta do que dizer — esforçam-se para voltar ao debate atacando “essas pessoas politicamente incorretas” que andam aí pela imprensa — um deles ficou a um passo de soletrar meu nome quando defendi a ação da PM contra os maconheiros que fechavam a Paulista, mas não o fez.
Pois é… O que se entende por politicamente correto? Saber matemática? Apontar a picaretagem teórica dos vídeos homoafetivos do MEC? Acusar o estado de estar invadindo a esfera privada das famílias? Demonstrar o primarismo do roteiro, do texto e dos conceitos das FÁBULAS ESTATAIS que querem levar às crianças e aos adolescentes? Denunciar um verdadeiro trabalho de molestamento da maioria sob o pretexto de proteger a minoria?
Uma imprensa que se conforma com o fato de que o MEC exiba em sala de aula um filme oficial com um erro grotesco de conceito matemático, mas supostamente aceitável porque ancorado na correção política, é uma IMPRENSA MORTA! Parou de cumprir a sua função e está se comportando como militante política. Uma imprensa que propaga uma mentira estúpida — como a afirmação de que o suposto desmatamento no Mato Grosso teria sido provocado pelos debates sobre o novo Código Florestal — é igualmente uma IMPRENSA MORTA. Perdeu o seu compromisso com a verdade.
Não me preocupa — e acho que isso explica, em parte ao menos, o sucesso do blog — se minha opinião é politicamente correta ou incorreta; não preciso pedir licença a nenhum aiatolá para escrever. Já defendi algumas vezes, por exemplo, a união civil de homossexuais. Eu me oponho, aí sim, a que o Supremo ignore a Constituição para realizar esse propósito. Eu me oponho a que o Estado assuma o lugar das famílias. Eu me oponho a que se violem a lógica e a matemática para fazer “justiça”. Eu me oponho a que as aulas de “igualdade” tomem o lugar da aritmética e da língua portuguesa. Isso não é ser politicamente incorreto. Isso é não ser politicamente estúpido.
Dilma vetou o filme para salvar o couro de Palocci? É só mais uma manifestação da República dos Companheiros. A sua decisão, comprometida pelo oportunismo, não torna aceitável a porcaria que Fernando Haddad preparou para ser exibida nas escolas. Aplaudo a decisão em si. E censuro a Rainha Muda por ter deixado essa estupidez ir tão longe.
Por Reinaldo Azevedo

O DIREITO DE SER PROTEGIDA


Dom Roque Oppermann
Não vemos dificuldade em aceitar - como justiça líquida e garantida -  que as pessoas que sentem atração sexual por representantes do mesmo sexo, sejam respeitadas. Na homofilia tratamos com seres livres, cuja dignidade humana não pode ser ferida. São seres humanos particularmente dotados para certas artes e ciências.  São filhos e filhas de Deus. Não escolheram sua condição, e por isso “merecem ser tratados com respeito”, livres de “qualquer sinal de discriminação injusta” (Catecismo da Igreja Católica, nº 2358). 

Os motivos da tendência homossexual ainda são amplamente inexplicados, havendo razoável certeza em não atribuí-los a causas genéticas. Talvez a pedagogia futura saiba explicar melhor do que nós, a gênese da tendência. Então sim, existirá a possibilidade de escolha. Por enquanto, não devemos amargurar a vida dessas pessoas. 

A homossexualidade não é fenômeno moderno. Ela atravessa todos os tempos da história da humanidade, ora com presença mais explícita, ora menos acentuada. Entre eles há até grandes benfeitores da raça humana.

         Mas no fragor dessa luta, todos devemos estar concordes em reconhecer o valor da instituição familiar tradicional, dessa união estável entre um homem e uma mulher. Inclusive os homossexuais vão me dar razão, pois eles provieram de uma união dessas. 

As diferenças sexuais do masculino e do feminino são originárias, e não produtos de uma cultura posterior, como querem alguns próceres da ONU. A família monogâmica, e o matrimônio natural entre um homem e uma mulher são a raiz fundamental de todo Direito. Segundo as Escrituras, são destinados a “serem uma só carne” (Gn 1, 27).

 Outros tipos familiares podem existir, mas não devem ser equiparados à Família, que é baseada na complementaridade dos dois sexos, à procriação e educação dos filhos. Equiparar todos os tipos de união possível seria ameaçar a estabilidade do grupo primordial, que tem a capacidade única de integrar as gerações e acolhe-las. Ela recebeu de Cristo um privilégio inestimável de ter sua união  elevada  à categoria de Sacramento. O que não é o caso das outras uniões. 

 A Família tem o direito de ser vigorosa e sadia. Isso só será possível se receber a proteção privilegiada do poder público. Na atualidade se está vendo exatamente o contrário.

       Dom Aloísio Roque Oppermann scj  -  Arcebispo de Uberaba, MG.
       Endereço eletrônico: domroqueopp@terra.com.br

INTENSIFICAM-SE OS ATAQUES CONTRA A FAMÍLIA


Prof. Hermes Rodrigues Nery

Poucos dias após o Supremo Tribunal Federal ter usurpado as funções do Congresso Nacional, equiparando direitos civis aos homossexuais, vimos Brasília ser palco de dois atos que intensificam ainda mais os ataques contra a família, num processo de explícita determinação do governo federal em avançar no desmonte da estrutura natural da família, tendo em vista atingir todos os objetivos do Plano Nacional dos Direitos Humanos (PNDH3).

No dia 17 de maio, em frente a Biblioteca Nacional, ocorreu a chamada “vigília ecumênica” contra a homofobia, promovida pelos Grupos LGBT 1, com velas acesas na Esplanada dos Ministérios e a exibição de um beijaço público de casais homossexuais na Universidade de Brasília 2, por ocasião da abertura do 8º Seminário LGBT, com patrocínio de verbas públicas.
As velas acesas lembravam Baudelaire, que “dera expressão lírica à transgressão em boa parte das Flores do Mal3 , como no último verso de “L'irrémédiable”: “tête-à-tête sombre et limpide/ qu'un coeur devenu son miroir /Quando o coração se torna seu (do demônio) espelho / a confrontação é sombria e límpida (...) un phare ironique, infernal, / Flambeau des grâces sataniques / Soulagement et gloire uniques, - La conscience dans le Mal! Consolo e glória singulares / a Consciência enterrada no Mal!” 4

O mal que vai se agigantando

As imagens exibidas pela UOL do beijaço na Universidade de Brasília mostram as expressões de quem são hoje vítimas de uma instrumentalização de poder, que não se dão conta de que estão sendo usados para avançar ainda mais numa transgressão da “própria condição biológica do ser humano, e não aceita a natureza da identidade sexual, daí o afã de romper o que chamam de estereótipos, no direito de se libertar da própria identidade”.5

Com isso, vamos assistindo, de forma célere, “o mal que vai se agigantando, agindo de forma cada vez mais intensa contra a sacralidade da vida humana, a dignidade da pessoa, a família e, principalmente, os mais caros valores da civilização cristã em nosso País”.6

Enquanto isso, a presidente Dilma Roussef, dois dias depois, recebeu a rainha Sílvia, da Suécia, para reforçar a campanha pela “lei da palmada”, que teve Xuxa Meneghel, a apresentadora de tevê, como garota-propaganda do governo, em evento na Câmara dos Deputados, acompanhada pela Secretária Nacional dos Direitos Humanos, Maria do Rosário. A senadora Marta Suplicy (PT-SP), que desarquivou o PLC 122 (com apoio entusiástico do presidente da Casa, José Sarney7), será a relatora do projeto que proíbe a palmada em crianças, cerceando ainda mais a autoridade dos pais no processo educativo dos filhos, como já acontece com os professores em sala de aula, que não podem repreender, corrigir e punir os abusos dos estudantes que recusam o mínimo de disciplina.

Nesse contexto, pais e professores devem ser “caras bacanas”, e ponto final. Educação virou entretenimento. Fora disso, o Estado estimula os filhos em casa e os alunos na escola, à rebeldia, com amparo legal. Nesse sentido, direitos estão acima dos deveres, e a família perde a sua função social, para ser apenas um ajuntamento de indivíduos vulneráveis às pressões do hedonismo e do consumismo. E pais e professores terão de engolir isso, e darem conta sozinhos, dos desarranjos sócio-econômicos e psicológicos desta perversa situação. E amplia-se assim o número de desamparados, que não sabem a que instância recorrer, em meio às explosões de conflitos e violências e tantos outros danos por toda a parte, com as “mais diversas dificuldades existenciais e interpessoais, agravadas pela realidade de uma sociedade complexa, onde frequentemente as pessoas, os casais, as famílias são deixadas sozinhas a braços com os seus problemas.”8

A Suécia, por exemplo, conforme expõe Jonas Himmelstrand “está cheia de problemas de saúde ligados ao estresse em adultos, saúde psicológica cada vez menor e medíocres resultados escolares entre os jovens, elevado número de pessoas em licença médica e falta de capacidade de os pais se conectarem com seus filhos, 'tudo indicando deterioração'”9 É esta a utopia social anárquica que a “rainha dos baixinhos” quer ajudar o governo brasileiro implantar em nosso País?

Camille Paglia e a apologia a Sade: Ideologia do maligno

Ainda no mesmo dia em que Xuxa esteve no Câmara dos Deputados, a intelectual Camille Paglia, em São Paulo, em palestra no teatro do Sesc Vila Mariana, no 3º Congresso Internacional de Jornalismo Cultural, empolgou a platéia, que a aplaudiu de pé, depois de duas horas ininterruptas dizendo não acreditar em Deus, não ter “nenhum sentimento por Jesus” e concluir afirmando ser admiradora de Sade e “grande estudante do sadomasoquismo como idéia”10

O “projeto de felicidade” proposto pelo ministro do STF, Luiz Fux, ao equiparar direitos civis aos homossexuais, repete a tragédia adâmica (ao psiu da serpente), quando o primeiro casal voltou as costas para Deus, instigado pelo tentador. “A proibição não foi eficaz em relação à primeira árvore. O desterro é a solução lógica”14. Estamos hoje portanto revivendo o drama do Gênesis. “O tentador não é tão rude a ponto de nos propor diretamente a adoração ao diabo” 15, mas não podemos ignorar de que “a sociedade de massas e ainda as possibilidades que surgiram através do domínio técnico do mundo criaram também novas categorias do mal”16. Nesse sentido, somente na estrutura natural da família que é possível “criar possibilidades sãs de sociabilidade” 17, para evitar que o ser humano viva “uma solidão radical”.18

Anarquismo e niilismo fomentam o prazer titânico que se alimenta da dor alheia

Quando Paglia destaca sua admiração por Sade (que “exaltou as sociedades totalitárias em nome da liberdade frenética19 e também uma “liberdade herética” 20, entendemos então que as correntes culturais do anarquismo e do niilismo estão imperantes no panorama atual. “Os excessos pessoais de Sade voltavam-se primordialmente para a sodomia e a corrupção dos jovens”.21 A sua liberdade “não é a dos princípios, mas sim a dos instintos”22, especialmente a do instinto sexual, “o cego impulso que exige a posse integral dos seres a troco mesmo de sua destruição”.23 Por isso, “o êxito de Sade nesta nossa época, explica-se devido a um sonho igualmente comum à sensibilidade contemporânea: a reivindicação da liberdade total e a desumanização operada a frio pela inteligência”24, sabendo que “a reivindicação total da liberdade finda na escravidão da maioria”25.

Para o marquês de Sade, “a virtude não pode triunfar”.
26 Para ele, era “preciso matar o coração, essa 'fraqueza do espírito'”.27 Sua voluptuosidade foi seguida por um prazer titânico e insaciável, que se alimentava até a exaustão, com a dor do outro. Nisso ele se comprazia: em ver o seu próximo destruído, em dores lancinantes. A primeira vez que suas obras foram permitidas ao público, ainda restrito, ficaram inseridas na coleção intitulada “Enfer”, da Biblioteca Nacional de Paris, em 1810. Geoffrey Gorer destacou “as conexões filosóficas e políticas entre as idéias do marquês e o nazismo”28, de “um niilismo místico próximo ao culto de Dioniso, de Nietzsche” 29. Roger Shattuck diz que é difícil explicar a reabilitação de Sade: “Atribuo-a mais a um sinistro desejo de morte pós-nietzschiano, característico do século XX. Esse desejo de morte busca a libertação absoluta, sabendo que levará à destruição absoluta – física, moral e espiritual”.30 Jean Paulhan talvez melhor definiu o que representa as idéias de Sade, que tanto empolgam Camille Paglia: “Exigimos a felicidade; também exigimos que outros sejam menos felizes do que nós!”31 E então fica a constatação: “Sade revelou o terrível segredo de que nosso supremo prazer somente pode ser atingido por meio da dor – sofrida por nós mesmos, mais comumente, dor infligida a outros”32pois “o máximo de prazer coincide com o máximo de destruição”33, para “possuir aquilo que se mata”34 . A própria Simone de Beauvoir (pioneira do feminismo radical) reconhece em Sade “um egoísmo às raias da loucura”35, em que “o coito e a crueldade são idênticos”36. E Michel Foucault destaca o sadismo como “um imenso fato cultural”.37, corroborado por outros estudiosos como Crocke, de que tais idéias formam “um sistema filosófico tão escandalosamente desumano”38.


Em Personas Sexuais, Camille Paglia estabelece “o nexo entre prazer sexual e atos de tortura e assassinato”39, em Sade. Carolyn J. Dean, em pesquisa sobre Sade, “liga a sexualidade não ao prazer, mas ao terror”40 e “acolhe de bom grado essa associação do sexo com o egoísmo, a crueldade, o crime e o assassinato”41Por isso, a obsessão sexual do nosso tempo está correlata ao terror. Talvez isso explica que Thriller, de Michael Jackson seja a música de maior sucesso do século XX. E Jackson emblematiza a agudeza da crise de identidade e o desespero da pessoa humana perdida, porque seduzida pelas flores do mal, numa cultura de morte, com furor demoníaco.42

E assim querem destruir a família, para aniquilar a pessoa humana. Tudo isso no contexto do “eclipse do valor da vida”43, “caracterizada pela imposição de uma cultura anti-solidária, que em muitos casos se configura como verdadeira 'cultura de morte'. É ativamente promovida por fortes correntes culturais, econômicas e políticas, portadoras de uma concepção eficientista da sociedade”44. No conflito entre cultura da morte x cultura da vida “estão em causa as questões mais profundas a respeito do homem”45, e é a partir da defesa da família e da inviolabilidade da vida humana, de modo integral, que começamos a vencer as ideologias do mal, salvaguardando o ser humano daquilo que quer destruí-lo. E em meio a tudo isso, certamente, “a fé cristã tem muito mais futuro do que as ideologias que a convidam a abolir a si mesma46.

  
Bibliografia:

  1. Roger Shattuck, Conhecimento Proibido, p. 238; Companhia das Letras, 1998
  2. Roger Shattuck, Conhecimento Proibido, p. 239; Companhia das Letras, 1998
  3. Evangelium Vitae, 11