sábado, 9 de abril de 2011

Massacre no RJ: senadores entendem que erotização das crianças e pornografia estimulam crimes


O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) disse em Plenário, nesta sexta-feira (8), que a erotização precoce das crianças brasileiras pode ser uma das causas de crimes como o que aconteceu no Rio de Janeiro, em que um homem invadiu uma escola e matou 12 crianças. Em sua opinião, a imagem pejorativa que a televisão divulga da mulher pode gerar repugnância nos homens e causar transtornos emocionais que o levam a cometer crimes contra elas.
As vítimas da escola Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro carioca de Realengo, são, em sua maioria, meninas.
Crivella contou ter ouvido do "maníaco do parque" - homem que estuprou e matou pelos menos seis mulheres em 1998 em São Paulo - que seu repúdio às mulheres teria surgido por presenciar cenas de sexo no parque. O senador ressaltou que o atirador de Realengo passava muitas horas assistindo a pornografia na internet, o que pode estar relacionado com a explosão de violência.
- Como reage um menino que tem acesso a imagens de mulheres nuas tendo relações com outras mulheres e animais, um menino que, em sua índole e intuição primária, vê nas mulheres o reflexo da própria mãe? Quando esses meninos são expostos a imagens repugnantes, começam a ter alucinações e demência. Esse louco, que assassinou crianças, tinha acesso ao mesmo tipo de imagens que o maníaco do parque. Saiu para assassinar crianças, meninas que, na sua loucura, no futuro, seriam a impureza, a devassidão e tudo o que ele reputava como objeto de ódio - argumentou.
Em aparte, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) disse que a erotização precoce da criança desvia sua atenção para algo que ainda não faz parte de sua curiosidade. Na avaliação do senador, a sensualidade tem sido uma característica brasileira, diferentemente do que ocorre em outros países, como os Estados Unidos. Para ele, se não houver cuidado com as crianças, outras atitudes extremas poderão acontecer.
Medidas 
Marcelo Crivella também disse que o controle das fronteiras brasileiras poderá contribuir para a redução da entrada de armas e drogas no Brasil. Ele informou que propôs a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fronteiras. O senador apelou ao presidente do Senado, José Sarney, pela sua instalação, já que as assinaturas necessárias já foram colhidas.
Em aparte, o senador Blairo Maggi (PR-MT) avaliou que seria economicamente mais barato cuidar das fronteiras do que resolver as questões de tráfico de drogas e armas nos centros urbanos.
Para o senador Ivo Cassol (PP-RO), as Forças Armadas devem se instalar nas faixas de fronteiras e não nos centro urbanos. Ele observou que as circunstâncias atuais não apontam hipóteses de coma outros países ou conflitos ideológicos internos e, por isso, as Forças Armadas devem ter outras atribuições.
O senador Pedro Taques (PDT-MT) concordou que, neste momento, se deve rediscutir o papel das Forças Armadas.
BRASÍLIA (Agência Senado) - 08.04.2010

O magnata dos EUA Donald Trump virou Pró-Vida


O magnata americano Donald Trump chocou os participantes da conferência CPAC conservadora em fevereiro, quando se declarou a favor da vida, após anos de apoio à posição pró-aborto.
Alguns meses atrás, quando questionado sobre sua posição,Trump respondeu que o público "ficaria surpreso" pela sua nova postura. Em uma entrevista com Laura Ingraha,m da Fox News,  que antecedeu a conferência, Trump declarou "pró-vida".  Ele repetiu a mudança de lado quando disse à platéia de CPAC, "Eu sou pró-vida" e prometeu lutar para a reversão do Obamacare, que contém financiamentos para aborto.
Essa foi uma mudança marcante de como Trump se descreveu em seu livro de 2000, "A América que nós merecemos", onde ele escreveu: "Eu apoio o direito da mulher a escolher, mas estou à vontade com os procedimentos."
Hoje, em uma nova entrevista com o âncora da 'CBN David Brody, Trump explicou a evolução do seu pensamento e como as histórias de gravidezes - incluindo uma em particular - ajudaram a mudar sua mente sobre o aborto.
"Os evangélicos querem sentir-se seguros de que vamos ter um candidato que vai, pelo menos, ser firme sobre essas questões, as questões sociais. Alguém que não está indo só para cortar e seguir em frente ", disse Brody para Trump.
O bilionário respondeu: "Uma coisa sobre mim, sou um cara de muita honra. Eu sou pró-vida,mudei meu ponto de vista de alguns anos atrás."
"Uma das razões que me mudaram - um dos principais motivos - um amiga de minha esposa estava grávida, neste caso ela era casada. Ela estava grávida e ele não queria o bebê. E ele estava me contando a história ". Trump disse a Brody. "Ele estava chorando, ele estava me contando a história. Ele acabou por ter o bebê e o bebê é a menina dos seus olhos. É a maior coisa que já aconteceu com ele. E você sabe que aqui é um bebê que não teria vida. E eu ouvi isso, e algumas outras histórias, e eu sou pró-vida ".
"Então, aquelas histórias mudaram você. Elas aconteceram em seu redor e mudaram você?" Brody perguntou.
"Elas me mudaram. Sim, elas mudaram minha opinião quanto a isso, absolutamente ", respondeu Trump.
À medida que a corrida eleitoral de 2012 se intensifica, os defensores pró-vida devem convocar Donald Trump para explicar melhor sua posição sobre questões importantes pró-vida, como indicações para a Suprema Corte e a revogação da lei de saúde pró-aborto de Obama. Um ano antes das primeiras eleições primárias dos EUA, alguns republicanos estão insatisfeitos com a atual lista de potenciais candidatos à presidência. Como não há um favorito, neste momento, uma candidatura de Donald Trump pode ser atraente para alguns.
No entanto, alguns defensores pró-vida são fortemente favoráveis ​​a alguns dos verdadeiramente pró-vida republicanos potenciais candidatos à presidência. Sarah Palin e Mike Huckabee tem um apoio significativo entre os eleitores independentes e republicanos. Menos conhecido, mas igualmente pró-vida, os prováveis ​​candidatos, como o governador Tim Pawlenty, Rick Santorum e Caim Herman também são fortemente pró-vida. Outros, como Haley Barbor de Mississippi, Jon Huntsman de Utah e Mitt Romney de Massachusetts seriam aceitos como candidatos pró-vida também.
Os candidatos pró-vida terão de enfrentar o presidente Barack Obama, já declarado candidato, que tem um extenso registro pró-aborto (registro pró-aborto extenso ).


Fonte: Lifesite - original em Inglês

Bento XVI: a vida é o valor mais importante para as populações

Mensagem final aos bispos do  CELAM
A vida é “o valor mais importante para as populações que vivem nestas nobres terras”, frase da carta que Bento XVI enviou último dia 28 de março, ao Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Cardeal Ennio Antonelli, e foi tema da mensagem final do encontro do Conselho Episcopal Latinoamericano (Celam), que se desenvolveu do dia 29 a 31 de março, em Bogotá, Colômbia, sobre a Pastoral da Família e da Vida.

Juntos, os bispos latinoamericanos e caribenhos confrontaram suas experiências pastorais em favor da família e da vida nessa região, analizando a realidade contemporânea que revela uma situação de emergência e que está longe do projeto original de Deus.

Os prelados, há muito empenhados na promoção e na defesa dos valores sagrados presentes no matrimônio - o fundamento da família e da abertura à vida – também tratados fora do ambiente eclesial, em âmbito legislativo, ético e da saúde, constatam que não obstante em muitos países as leis sejam a favor da vida, em nível mundial é elevado o número de abortos. Por isso torna-se necessário prosseguir com fé, esperança e empenho no serviço à sociedade, em favor da promoção das instiuições familiares e na defesa do dom da vida. Os bispos incentivam a criação de comissões diocesanas e paroquiais que trabalhem nesse sentido.

A família é o verdadeiro sujeito da evangelização e do apostolado, dizem ainda os bispos. Jesus a inseriu entre as instiuições do Reino de Deus, elevando o matrimônio a sacramento. Isso justifica a criação de uma Pastoral da Família, que a oriente para o encontro com o Senhor e a torne testemunha do amor cristão. Esse é a tarefa dos sacerdotes comprometidos nessa frente da América Latina, que renovaram juntos a prioridade da catequese familiar, da preparação dos casais ao acolhimento do dom da vida e antes do matrimônio, através do reconhecimento do verdadeiro significado da sexualidade.

Dentro desse propósito, o Celam agradeceu expressamente aos casais que diariamente oferecem um exemplo crível de compromisso matrimonial em direção à Santidade e também dirigiu um pensamento especial às famílias desunidas, que vivem o drama da separação ou do divórcio. A essas últimas os prelados manifestaram sua proximidade e o anúncio de que o Senhor as ama de modo particular, dando-lhes o infinito tesouro de sua misericórdia.

Um convite especial, também foi dirigido aos jovens, para que saibam reconhecer o amor de Deus em suas vidas e saibam segui-lo, realizando assim o designio que o Senhor reservou para cada um. Enfim, os bispos confiaram a própria missão a Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira do continente e ícone da sacralidade da vida da qual, sendo ela a primeira a responder sim, mostrou a beleza estampada no amor de Deus.(CAS)



Fonte:   Radio Vaticana  -  Cidade do Vaticano, 06 abr (RV)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Venham conosco lutar pela vida humana!

Em 11 de novembro passado, convidei todos os verdadeiros cristãos e pessoas de bem a continuar a luta contra a liberação do aborto. O meu pedido foi publicado na ACIDigital. Eu sabia que a luta pela vida não terminara porque as intenções dos políticos eleitos estavam muito claras.

Os ministros indicados pela presidente Dilma Rousseff são historicamente favoráveis ao aborto, ao casamento homossexual e outros pontos que contrariam o Evangelho.

A presidente retirou o crucifixo da sala da presidência. As missas e as pregações evangélicas, que estão nas televisões públicas há mais de 30 anos, serão retiradas (Proselitismo - Ata da 23 Reunião CCEBC). O roteiro de guerra contra os cristãos, como foi anunciado pelo presidente Lula no PNDH3, continua.

Não foi à toa que o Papa Bento XVI convocou a Vigília pelo Nascituro para o dia 27 de novembro de 2010. Não foi à toa que Dom Carmo Rhoden, no dia da Vigília pelo Nascituro, em Taubaté, lançou a campanha do projeto de iniciativa popular para complementar a Constituição do Estado de São Paulo, em defesa da vida, desde a fecundação até a morte natural.

Lamentamos a tragédia de Angra dos Reis (Angra). Lamentamos a tragédia de Petrópolis e região serrana do Rio de Janeiro  (Região Serrana). Agora, lamentamos a triste tragédia ocorrida ontem, com a morte violenta de 12 crianças na escola de Realengo-RJ (Realengo). Rezamos e rezaremos para que Deus dê forças para todas as famílias atingidas suportarem esses momentos difíceis. Não adianta continuarmos lamentando, sem tomar providências. Quando falamos em defesa da vida, não nos restringimos ao aborto. As vidas humanas devem ser preservadas em todos os seus estágios, com a tomada de atitudes necessárias e obrigatórias (alimentação, saúde, educação, segurança, etc...) por parte das autoridades legislativas, executivas e judiciárias, para mantê-las desde a fecundação até a morte natural.

Eu, Dom Carmo, Bento XVI e todos os bispos do Brasil sempre defendemos os direitos humanos e sabemos que a luta deve ser contínua. E a vida é o maior de todos os direitos humanos.

A campanha lançada por Dom Carmo foi abraçada por muitas pessoas e entidades que defendem os direitos humanos e passou a ser uma campanha da povo paulista, denominada "SÃO PAULO PELA VIDA" - WWW.SAOPAULOPELAVIDA.COM.BR .

Defender a vida humana é uma questão de cidadania. A vida humana pertence a Deus. Ele a dá e só Ele pode tirá-la. Continuamos pedindo: Venham conosco, vamos lutar juntos em defesa da vida humana, desde a fecundação até a morte natural!
Dom Luiz Gonzaga Bergonzini
Bispo Diocesano de Guarulhos

Dom Bergonzini: Venham comigo lutar pela Vida!Guarulhos, 11 Nov. 10 / 03:21 pm (ACI)
Em uma carta assinada hoje, (11) o Bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, reafirmou seu compromisso de defender a vida contra projetos de lei que visam descriminalizar a prática do aborto no Brasil. “A vida humana pertence a Deus”, assevera Dom Bergonzini, que também recordou que “nenhuma lei, nenhum plebiscito, nenhum partido, nenhum grupo de pessoas pode decidir quem vai morrer e quem vai nascer”. Por isso o bispo afirma manterá a “luta pela vida dos indefesos, contra a cultura da morte que querem implantar no Brasil e na América Latina” e chama os fiéis à luta pela vida também durante o governo de Dilma Rousseff que assume a presidência da República neste 1º de janeiro. Abaixo reproduzimos na íntegra a carta de Dom Bergonzini aos fiéis de Guarulhos.
“Muitas pessoas não entenderam o Movimento em Defesa da vida que fizemos e continuaremos fazendo. A época das eleições é propícia para debater os problemas nacionais. A preservação da vida é um problema nacional.
Existe um projeto de liberação do aborto no Brasil, que vem sendo defendido, há muito tempo, por partidos e políticos engajados nesse objetivo. Matar seres humanos indefesos, no útero de suas mães, antes deles chegarem à luz, é problema nacional e assassinato. Os leigos católicos, os religiosos, os padres, os evangélicos, todas as religiões têm o direito de defender sua Doutrina e sua Moral.
Muita gente confundiu a ação pastoral com política. Defender a vida, contra a cultura da morte, não é política. Tem reflexos na política, mas é uma ação pastoral. O Papa Bento XVI não confundiu. Tanto que aprovou a campanha contra o aborto. A Igreja Católica estava usando o seu direito de defender o Evangelho e a Moral Cristã, e continuará a fazê-lo.
O Papa Bento XVI vem alertando o Mundo sobre o relativismo. No caso das eleições, se uma pessoa é cristã e obedece os Mandamentos da Lei de Deus, ela não pode apoiar candidatos com projetos de liberação do aborto. O cristão não pode relativizar e aprovar atitudes e ações que são contra a sua fé e a Doutrina Cristã.
A candidata Dilma Rousseff e sua Coligação me acusaram, no Tribunal Superior Eleitoral, de Brasília, de ter falsificado o documento da CNBB-Regional SUL-1. Imagine um Bispo falsificando um documento assinado por outros três Bispos. Eu e a Igreja Católica fomos vítimas da mentira e da violação dos direitos constitucionais. A defesa apresentada pelos advogados da Diocese de Guarulhos mostra como os direitos da Igreja Católica foram violados. O Ministério Público Eleitoral Federal também entendeu que os direitos da Igreja Católica foram violados.
A vida é o maior bem que temos. Deus nos deu a vida e só Ele pode nos tirá-la. Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. A vida humana pertence a Deus. O ser humano e suas leis terrenas não podem mudar isso. Nenhuma lei, nenhum plebiscito, nenhum partido, nenhum grupo de pessoas pode decidir quem vai morrer e quem vai nascer. Os políticos cristãos deveriam formar uma frente parlamentar nacional para impedir os governos de adotarem medidas para facilitar ou incentivar o aborto.
A campanha em favor da vida, que se iniciou há muito tempo, vai continuar. O projeto de lei para liberação do aborto foi derrotado nas Comissões de Saúde e Seguridade Social e de Constituição e Justiça, da Câmara Federal. Os defensores da vida pensaram que o assunto estava encerrado. Mesmo com essas decisões, um deputado do PT solicitou que o projeto seja apreciado pelo Plenário da Câmara Federal. Depois disso, 21.12.2009, o Governo Federal editou o PNDH-3, e ressurgiu o projeto de liberação do aborto. E em 16.07.2010, numa reunião de países da América Latina, o Governo Federal assinou o "Consenso de Brasília", que pretende estender a liberação do aborto para toda a América Latina. E, no dia 04 de outubro, um dia após a eleição do primeiro turno, o Governo Federal publicou convênio, no Diário Oficial da União, para prosseguir no caminho da liberação do aborto. Os católicos que votaram nesse projeto serão responsáveis, com os eleitos por eles que apóiam o aborto, pelas mortes das crianças indefesas que forem retiradas dos úteros de suas mães e atiradas no esgoto, como se fossem dejetos.
De minha parte, por amor ao Evangelho, pela fidelidade a Jesus Cristo, à sua Igreja e ao sucessor de Pedro, o Papa Bento XVI, manterei a luta pela vida dos indefesos, contra a cultura da morte que querem implantar no Brasil e na América Latina.
Exorto todos os cristãos a seguirem este mesmo caminho. Venham comigo lutar pela Vida!”
A carta  foi publicada por diversos sites pró-vida, que recordam que neste dia 27 de novembro o Papa Bento XVI decretou o dia mundial da vigília pela vida do nascituro. 

quarta-feira, 6 de abril de 2011

São Paulo pela Vida - assine e divulgue


O que você prefere?
Ser chamado de “mente aberta”, ter uma turma dita “superior” sorrindo e aplaudindo você por concordar com a legalização do aborto, e em conseqüência entristecer de forma brutal o Coração de Jesus e Maria?
Ou…
Ficar do lado dos que temem a Deus, respeitam a vida humana desde a sua concepção, mas com a consciência tranqüila, a alma limpa por estar seguindo a vontade de Nosso Senhor, e Seus mandamentos?
Com certeza você faz parte do segundo grupo. A vida é um dom de Deus, e só Ele em sua infinita misericórdia, pode tirá-la. Não podemos deixar que a legalização do aborto, esse mal que se alastra em alguns países, contamine o Brasil.
Por isso, uma coligação de associações iniciou a campanha estadual:

Assine aqui a petição que propõe ao Poder Público do Estado de São Paulo assegurar o DIREITO À VIDA desde a fecundação (nascituro) até a morte natural de um indivíduo.
É preciso 300.000 assinaturas para esta petição (1% do eleitorado do Estado), para que a Constituição seja mudada por meio de uma Emenda que consiste em garantir o direito à vida desde o período gestacional (concepção).
Por que São Paulo?
A Constituição do Estado de São Paulo garante apenas o direito à vida, sem mencionar que a vida começa na fecundação, entretanto, permite que este acréscimo seja feito desde que 1% de eleitores proponha esta emenda na Lei em vigor.
Quem promove São Paulo pela Vida?
Esta campanha tem como idealizadores os bispos Dom Carmo Rhoden, da Diocese de Taubaté e  Dom Luiz Bergonzini, da Diocese de Guarulhos e tem o apoio de várias outras dioceses,  instituições, sites e blogs de todo o Brasil, que se uniram para garantir o maior milagre que existe: o nascimento dos homens, obra-prima da criação de Deus.
Se você faz parte de qualquer organização (pública ou privada), tem um site ou blog e quer se unir a esta causa,veja aqui como é fácil.
Se você é devoto de Nossa Senhora, precisa fazer parte desta campanha.
Assista ao vídeo de 30 segundos, assine a petição e avise todos os seus amigos, conhecidos e familiares que moram no Estado de São Paulo.
Dê esperança de vida a milhares de bebês. Nossa Senhora, nossa Mãe espiritual, protetora dos indefesos, fez de tudo para manter a salvo seu Filho, Nosso Salvador Jesus Cristo, quando Herodes mandou matar todas as crianças de Israel.
Siga o exemplo da Mãe Santíssima, ajude a manter viva futuras crianças que correm o risco de ser exterminadas antes mesmo de nascer.
Veja o que você pode fazer para chegarmos a 300 mil assinaturas:
4. Envie uma mensagem por twitter e peça aos seus seguidores para darem RT;
5. Envie recados de Orkut e mostre para todo mundo que você é favorável à vida.
6. Publique o banner da campanha São Paulo pela Vida em seu site copiando e colando o código abaixo:
<a href=”http://www.saopaulopelavida.com.br/?origem=819″><img src=”http://www.saopaulopelavida.com.br/images/d_luiz.gif” width=”165″ height=”281″ border=”0″ style=”display:block; margin-top:15px;”/></a>

Muitas graças serão despendidas a você por este seu gesto cristão e humano. Nossa Senhora se alegra com atitudes como esta, quando um filho seu segue o maior mandamento que Nosso Redentor nos deixou: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”.
Entre nesta luta em defesa da vida. O Brasil não pode e não vai ser um País onde o massacre de indefesos é feito com amparo legal.
Assine aqui a petição e divulgue o site a todos os que você conhece.

SÃO PAULO PELA VIDA - Movimento de cidadania em defesa da vida


A Comissão Diocesana em Defesa da Vida e o Movimento Legislação e Vida, da Diocese de Taubaté, no dia 27 de novembro, na Catedral de Taubaté, por ocasião da Vigília de Oração pela Vida Nascente proposta pelo Papa Bento XVI, lançou o projeto de iniciativa popular visando incluir na Constituição do Estado de São Paulo a garantia legal do direito à vida como primeiro e principal de todos os direitos humanos, assegurando a inviolabilidade da vida humana (art. 5º da Constituição Federal), explicitando o que hoje está omisso na Carta Magna do Brasil: “desde a fecundação até a morte natural”.

Na ocasião, Dom Carmo João Rhoden celebrou a missa de lançamento do projeto.  No dia 19 de dezembro, a Diocese de Guarulhos aderiu ao projeto e  Dom Luiz Gonzaga Bergonzini e o padre Antônio Bosco da Silva  fizeram o lançamento da campanha para coleta de assinaturas em missa celebrada na Catedral Nossa Senhora da Conceição ( Diario SP ). O projeto foi encampado por várias dioceses, entidades,  movimentos, blogs e pessoas físicas que defendem o direito à vida da pessoa humana. 

Tal iniciativa se justifica tendo em vista a omissão da Constituição Federal sobre o exato momento do início da vida humana. O Código Civil brasileiro reconhece o embrião humano como pessoa e com direitos. O Supremo Tribunal Federal, na Sessão de 28-29 de maio de 2008, quando deliberou sobre o uso de células-tronco embrionárias, deixou em aberto a possibilidade de uma legislação infraconstitucional determinar o início da vida. 

Até janeiro de 2011, quando foi arquivado, tramitava no Congresso Nacional  o projeto de lei n. 1135 de 1991, quee foi rejeitado três vezes: na sessão de 7 de dezembro de 2005, na Comissão de Seguridade Social; depois novamente rejeitado (por 33 votos a zero), por unanimidade (fato raro no parlamento brasileiro), pela mesma Comissão de Seguridade Social, na sessão de 7 de maio de 2008; e finalmente, rejeitado na Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

Diante da perspectiva do atual governo vir a executar o programa exposto no Plano Nacional dos Direitos Humanos (PNDH3), que prevê a legalização do aborto,  a Comissão Diocesana em Defesa da Vida e Movimento Legislação e Vida, da Diocese de Taubaté, em conjunto com outras dioceses e organismos da sociedade, propôs a coleta de 500 mil assinaturas para apresentar à Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, uma emenda constitucional, garantindo o direito á vida, desde a fecundação, tornando São Paulo o primeiro Estado PRÓVIDA do País.  

A cidade de São Bento do Sapucaí, que promulgou a primeira lei orgânica a afirmar políticas públicas em defesa da estrutura natural da família e do direito á vida, desde a concepção até a morte natural é a primeira cidada PRÓ-VIDA do Brasil.

A Constituição do Estado de São Paulo permite emendas por meio de iniciativa popular. Daí o motivo pelo qual a Diocese de Taubaté (que está no estado de São Paulo) apresentar o referido projeto de iniciativa popular.

Tais iniciativas estão sendo feitas em outros países do mundo, o México é um exemplo, buscando ampliar a conscientização da população de que a vida vale por inteiro, e não pode ser banalizada ou relativizada. O aborto provoca a morte de milhões de pessoas inocentes e indefesas, privadas ao direito à vida, ceifadas no ventre materno, na pior espécie de violência que se pode cometer contra um ser humano.

A campanha foi abraçada por outras entidades, sites, blogs e expandida para a Internet, com o nome SÃO PAULO PELA VIDA, com a possibilidade de coletar um milhão de assinaturas e mostrar a indignação do povo paulista contra a campanha de políticos favoráveis ao aborto.  

Participe assinando o projeto de iniciativa popular em  www.saopaulopelavida.com.br. 


Prof. Hermes Rodrigues Nery
Coordenador da Comissão Diocesana em Defesa da Vida
Movimento Legislação e Vida - Diocese de Taubaté
Secretário-Geral do Movimento Nacional pela Cidadania Brasil Sem Aborto

CCJ aprova infiltração de policiais na internet contra pedofilia


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (6) o Projeto de Lei 100/10, que prevê a infiltração de agentes da polícia na internet para investigar crimes contra a liberdade sexual de criança ou adolescente. A matéria, que foi proposta pela CPI da Pedofilia, agora precisa ser votada pelos senadores em plenário. "É um anseio da Polícia Federal. É a polícia que mais cresceu no combate ao crime cibernético no mundo. Mesmo sem ter instrumentos para tal", disse o senador Magno Malta (PR-ES), que presidiu a CPI da Pedofilia.
O projeto, de acordo com o autor, vem preencher uma falha existente na legislação brasileira. Por conta disso, o Poder Judiciário tem sido conservador na concessão de autorizações para que policiais entrem nas redes sociais e acompanhem a movimentação de suspeitos de crimes de pedofilia ou cibernéticos. "A polícia brasileira sofre com muitas dificuldades para investigação", afirmou o relator da matéria na CCJ, senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Inicialmente, o projeto previa a infiltração por um prazo de até um ano. No entanto, o relator aceitou sugestão dos colegas e aumentou esse período para dois anos.
Para um policial ser infiltrado numa rede social, será preciso respeitar uma série de requisitos. Primeiro, a Justiça precisa autorizar. Isso após os investigadores provarem que esta é a única maneira de conseguir provas contra o acusado. Outros critérios estabelecidos pela lei são: nominar as pessoas investigadas, sigilo da investigação e responsabilização do policial por eventuais abusos. "O projeto vem em muitíssima boa hora e é extremamente cuidadoso", opinou a senadora Marta Suplicy (PT-SP).
Fonte: Congresso em Foco - 06/04/2011 - 12h42

terça-feira, 5 de abril de 2011

31.000 denúncias de pornografia infantil foram registradas pela ONG Safernet Brasil em 2010


Todos os brasileiros precisam combater a pedofilia. Todos os brasileiros precisam combater a pornografia. Precisamos nos unir, pois o mal está crescendo. Os inescrupulosos estão atingindo as crianças para que cresçam viciadas e se desencaminhem. Veja os números apurados pela ONG Safernet Brasil, que recebe denúncias - www.safernet.org.br - , no ano de 2010.
Extraído de: Alexandre Atheniense - 23 de Fevereiro de 2011

ONG registra 31 mil denúncias de publicações de fotos e vídeos, com menores, considerados inapropriados
Trinta e uma mil denúncias de exibição de fotos ou vídeos com menores em situações consideradas inapropriadas foram feitas, no ano passado, no site da ONG Safernet. Os dados, referentes apenas ao Brasil, equivalem a 45% do total de supostos casos de pornografia infantil cometidos pela rede mundial de computadores: 69,3 mil, segundo contagem feita pela entidade.
O levantamento revela mais uma faceta da vulnerabilidade a que são expostas crianças e adolescentes. Na segunda-feira, o Hoje em Dia mostrou a exploração sexual de meninas de 14 anos na principal via de Belo Horizonte, a Avenida Afonso Pena.
A Delegacia Especializada de Investigações de Crimes Cibernéticos (DEICC) apurou 14 casos de crianças vítimas de pornografia infantil na cidade no ano passado. Autoridades de segurança garantem que, apesar da sensação de anonimato, quem pratica esses crimes on line vem sendo identificado e punido.
Segundo o delegado Pedro Paulo Marques, em todos os casos investigados pela DEICC no ano passado, o pedófilo foi localizado e processado. Quase todas as apurações surgiram depois que os pais das vítimas ficaram sabendo da exposição dos filhos. "Normalmente, as crianças e adolescentes aceitam tirar fotos ou fazer vídeos diante das ameaças de morte feitas pelos pedófilos", disse o delegado.
A contadora M. A. R. procurou a Polícia Civil após descobrir que um homem conversava com a sua filha, de 13 anos, por meio de um programa de mensagens instantâneas. A menina alertou os pais depois de ser ameaçada. "O rapaz pediu que ela se mostrasse na câmera. Quando minha filha disse que não podia, ele escreveu que iria procurá-la", conta a mãe.
Na legislação brasileira não existe o tipo penal "pedofilia". A nomenclatura é atribuída a vários delitos, como estupro, atentado violento ao pudor, corrupção de menores, publicação de imagens pornográficas infantis e outros crimes. "Pedofilia é um termo que se refere à atração sexual de um indivíduo por crianças. Existem vários artigos no Código Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente que preveem punições a abusos que surgem desse desvio", explica a coordenadora da Promotoria de Combate a Crimes Cibernéticos, Vanessa Fusco.
A pornografia infantil ocupa o terceiro lugar no ranking dos crimes cibernéticos mais denunciados ao Ministério Público de Minas Gerais. "A ação do pedófilo pode começar em uma sala de bate-papo, que costuma ser a principal porta de entrada. Depois, o contato evolui até o envio de material pornográfico para a criança. Esse criminoso só espera o momento oportuno para consumar o abuso", diz a promotora.
Fonte: JusBrasil Notícias, aqui

segunda-feira, 4 de abril de 2011

A AMEAÇA DA PORNOGRAFIA PARA AS CRIANÇAS EXIGE AÇÕES


A AMEAÇA DA PORNOGRAFIA PARA AS CRIANÇAS


Um novo informe exige ações

Por padre John Flynn, L.C.
ROMA, terça-feira, 27 de outubro de 2009 (ZENIT.org).- Proteger as crianças da exploração sexual é hoje prioridade para muitos governos e organizações privadas. Apesar disso, um recente informe denuncia que não se está fazendo o suficiente para tratar a ameaça que a pornografia dos adultos representa para as crianças.
"Morality in Media", uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York, publicou em setembro um estudo intitulado: "How Adult Pornography Contributes To Sexual Exploitation of Children" (Como a pornografia adulta contribui para a exploração sexual das crianças).
Ali se sustenta que os organismos dos governos e as organizações privadas estão ignorando as consequências do que qualificam de “exploração” da pornografia adulta na internet e em outros lugares.
A pornografia adulta é uma ameaça para as crianças de diferentes formas, afirma o informe:
–Os delinquentes utilizam pornografia adulta para preparar suas vítimas.
–Para muitos delinquentes, há uma progressão desde ver pornografia adulta até ver pornografia infantil.
–Os homens atuam com as crianças prostituídas como como veem na pornografia adulta, e os aliciadores usam pornografia adulta para instruir as crianças prostituídas.
–As crianças imitam com outras crianças o comportamento que veem na pornografia adulta.
–O vício à pornografia de adultos destrói casamentos, e os filhos nos lares com um só progenitor correm mais risco de sofrer exploração sexual.
Preparação
O autor do informe, Robert Peters, presidente de "Morality in Media", explica que há duas décadas, em sua pesquisa sobre casos judiciais, esbarrou com múltiplos exemplos de situações que implicam exploração sexual de crianças em que o acusado adulto havia mostrado ou dado pornografia de adultos à vítima menor como parte do processo de preparação.
Muitos debates têm-se centrado no tema de se a pornografia de adultos causa crimes sexuais, observa. Ainda que este assunto da causa direta ainda esteja em debate, Peters comenta que, segundo sua experiência, a utilização de pornografia de adultos por parte de depravadores para despertar e desensibilizar suas vítimas menores é de verdade uma forma como a pornografia de adultos contribui para causar dano.
Isso é mais que uma simples opinião pessoal. Um dos apêndices do informe contém mais de 100 páginas de recortes de notícias e casos judiciais que fazem referência a como os delinquentes mostraram ou deram pornografia a uma criança ou a forçaram a olhá-la.
O informe continua explicando que as pessoas que são viciadas em pornografia requerem classes mais explícitas e anômalas de material sexual conforme avança o tempo, de forma parecida a quem sofre de vício de drogas. Assim, com o tempo, há uma necessidade crescente de mais estímulo para alcançar o mesmo efeito inicial.
Peters também observa que há uma tendência cada vez maior a reproduzir sexualmente os comportamentos vistos na pornografia. Desta forma, os consumidores de pornografia não são meros consumidores passivos, mas tendem a levar à prática os comportamentos que veem.
Ameaça da mídia
Quanto às crianças, o informe explica que se uma criança entrasse em uma livraria adulta, ser-lhe-ia solicitado que saísse, posto que vai contra a lei de vender pornografia às crianças no mundo real.
Pelo contrário, se essa mesma criança está a ponto de entrar na maioria das páginas web comerciais que distribuem pornografia adulta, é possível que veja pornografia adulta gratuitamente e sem restrições. Supostamente, quando se trata de internet, os tribunais pensam que a utilização por parte dos pais de filtros é uma solução adequada para o problema, comenta o informe.
Os pais têm um papel primordial na hora de proteger as crianças do conteúdo danoso da internet, admite Peters. No entanto, a maioria das crianças pode ter acesso à internet fora de casa ou por meio de dispositivos móveis. Tudo que se necessita é que uma criança em um grupo de amigos tenha acesso sem restrições à internet para que todos tenham acesso, destaca o informe.
Peters também afirmava que em seus muitos anos de experiência um número significativo de aliciadores utiliza a pornografia não apenas para despertar e instruir suas vítimas, mas também para exercitar a si mesmos.
Uma das conclusões do informe é o pedido de que as Igrejas e outras instituições religiosas façam mais frente ao problema da pornografia de adultos.
Também os meios de comunicação e de entretenimento poderiam ajudar a apresentar a produção e o consumo de pornografia adulta como um problema real, em vez de uma questão sem nenhuma significação moral ou social.
Vida familiar
A observação do informe de que a pornografia fere a vida familiar e as crianças não é uma opinião ilhada. Da Austrália, o Sydney Morning Herald, em um artigo de 5 de março, falava do cenário de um marido viciado no pornô. O “catastrófico desajuste emocional que sofre” por este vício é um fato comum.
No ano passado, o telefone da assessoria Mensline Australia teve crescimento de 34% no volume de chamadas de homens que sentiam que a pornografia era um problema em sua relação, comentava o artigo.
A possibilidade de aceder à pornografia através de computadores e telefones tirou, por assim dizer, a barreira de entrada, quer dizer, a vergonha de visitar um sex shop para comprar uma revista ou um vídeo.
O artigo observava que também é um problema grave para as mulheres. “Há uma boa proporção de mulheres que vê o uso do pornô por seu parceiro como uma infidelidade”, afirmava o sociólogo Michael Flood. "Inclusive quando ele é honesto sobre isso, algumas mulheres consideram o uso do pornô como uma espécie de adultério”.
O nexo entre a multimilionária indústria do pornô e o apetite sexual converteu-se em algo como a relação entre as refeições extragrandes e a obesidade, sustentava a feminista Naomi Wolf em um artigo publicado a 4 de abril no Times.
“A onipresença das imagens sexuais não libera o poder de Eros, mas o diluem”, afirmava.
Um artigo publicado no jornal canadense Ottawa Citizen a 29 de maio dava mais evidências sobre as implicações disso para as crianças. Richard Poulin, professor de sociologia na Universidade de Ottawa, participou de uma conferência em Montreal intitulada: “Jovens, mídia e sexualidade”.
Ele observava que as agressões sexuais são cometidas agora por jovens. Ademais, uma pesquisa realizada entre estudantes da Universidade de Ottawa manifestou que a média de idade em que viram pela primeira vez pornografia era de 13 anos. Entre aqueles cujos pais tinham a pornografia em casa, a idade era menor, entre 10 e 11 anos.
Poulin também citava uma pesquisa que mostrava que um em cada cinco homens entre 22 e 23 anos admitia sentir-se atraído por meninas de 13 anos. “Esta não é uma tendência trivial”, indicava.
Ambiente sadio
Bento XVI abordava o tema da pornografia em seu discurso de 16 de abril de 2008 aos bispos norte-americanos, durante a visita aos EUA.
“As crianças têm direito a crescer com uma sadia compreensão da sexualidade e de seu justo papel nas relações humanas”, recomendava. “A elas se deveriam evitar as manifestações degradantes e a vulgar manipulação da sexualidade hoje tão preponderantes”.
As crianças têm o direito de ser educadas nos autênticos valores morais baseados na dignidade da pessoa humana, continuava o pontífice.
“Que significa falar da proteção das crianças quando em tantas casas se pode ver hoje pornografia e violência através dos meios de comunicação amplamente disponíveis?”, perguntava.
Ao tratar este problema, o Papa falava da necessidade urgente de determinar os valores que guiam a sociedade de hoje. Se de verdade quisermos cuidar dos jovens, todos temos de reconhecer nossa responsabilidade de promover e viver os valores morais autênticos, que permitam prosperar a todos, concluía.
Uma recordação oportuna do perigo de fechar os olhos ante um problema que se ignora com muita frequência.
ZP09102701 - 27-10-2009
Permalink: http://www.zenit.org/article-23114?l=portuguese