sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

PÁSCOA - A VIDA VENCE A MORTE - DROGAS E A FAZENDA ESPERANÇA

No mês passado, no Brasil, celebrou-se a maior festa popular do calendário nacional, o carnaval. De norte a sul do país, a população saiu às ruas para desfilar por sua escola, grupo ou bloco. Uma festa que atrai pessoas de todo o mundo.

Já neste mês, mais uma grande festa se aproxima, essa extrapola os limites nacionais, sendo comemorada pelos cristãos de todo o planeta. É a festa de Páscoa.

"No seu sentido literal", Páscoa (pessah), significa "passagem". Antigamente, os povos da Mesopotâmia celebravam a passagem do inverno, tempo da "morte", para a primavera, tempo da "vida". Depois, em especial o povo hebreu passou a celebrar a sua Páscoa relembrando a travessia do mar vermelho, que marca a passagem do período da escravidão no Egito para a liberdade da terra prometida. Em Jesus, celebramos ma passagem da morte para a ressurreição. Neste aspecto da ressurreição, passagem da morte para a vida, também da escravidão para a liberdade que nossos jovens celebram a Páscoa", afirma padre Márcio Geira, responsável pela Fazenda Esperança São Libório, unidade visitada pelo papa Bento XVI, em 2007.

Os jovens acompanham liturgicamente seus últimos passos terrenos, da celebração do lavapés, a traição, flagelação, crucificação, morte e finalmente festejam sua ressurreição.

Na celebração de lavapés, os celebrantes procuram mostrar aos jovens o papel do cristão, como servo, a serviço do próximo e a humildade que é a qualidade de não se sentir mais que os outros.  Na quinta-feira santa, cada Fazenda dedica uma hora da noite à Vigília Pascal. Uma comunidade terapêutica grande, como a unidade visitada pelo papa Bento XVI, faz a vigília durante toda a noite.

Uma Quaresma de muita meditação. Tempo para reconhecer suas cruzes, seus homens velhos, colocar em prática as ações do homem novo, ver Jesus crucificado no irmão que sofre e buscar ajudá-lo, procurar carregar sua cruz. "Durante toda a Quaresma com a liturgia, celebrações, penitenciais, confissões, meditações e vias sacras, preparam-se para este momento central da vida litúrgica da Igreja. Durante a Semana Santa é comovente perceber o desejo de vida nova que tantos apresentam", conta padre Márcio.

Na via sacra, quantos jovens passam pelas mesmas humilhações e condenações, muitos já estiveram presos; a primeira queda, várias quedas enfrentaram por cada momento de fraqueza; o encontro com sua mãe, tantas mães que sofrem por verem seus filhos em situações tão tristes; ajuda para carregar a cruz, pelas estradas da vida muitos oferecem auxílio, alguns ajudam a carregar o fardo e outros dão consolo; mas morrem perante a sociedade que os marginalizam, nem são notados nas calçadas, vielas e becos. São enterrados nos dados oficiais e quando percebem uma chance verdadeira, ressuscitam dos escombros para ser exemplo e esperança aos outros.

"Tudo explode em festa na noite de sábado santo. Existe sempre um espírito de alegria que envolve a todos, pois nesta noite, com a ressurreição de Jesus, celebram a própria ressurreição", descreve padre Márcio.
Em todos esses momentos, como nas estações da via sacra, os jovens se enxergam como um Jesus que fora rejeitado pela sociedade. E na celebração da Páscoa, da vida eterna, da ressurreição, celebram a nova vida que tem por conquistar a cada dia, tanto dentro da Fazenda da Esperança quanto na sociedade, quando encerrar seu ano de recuperação.

"Poderia dizer que é um momento profundamente terapêutico, pois também eles podem dizer que passaram da escravidão e da morte, das drogas para uma vida nova em sobriedade. Mesmo aqueles que não estão ligados diretamente a um referencial religioso, ou não são católicos, sentem-se envolvidos pela mesma dinâmica, pois celebrar a vida é sempre algo comum a todos. Páscoa, vida nova em Cristo. A vida vence a morte", disse padre Márcio.

Fonte: Boletim do Embaixador - ed. 43 - abril 2011
Fazenda Esperança de Recuperação dos Drogados
Obra Social Nossa Senhora da Glória
www.fazenda.org.br - Fone: (12)3128-8902
Email:  adm.rv@fazenda.org.br

Nenhum comentário: