segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Discurso de Bento XVI aos teólogos




Audiência
Sala dos Papas -Palácio Apostólico do Vaticano 
Sexta-feira, 02 de dezembro de 2011


Senhores cardeais,
Venerados irmãos no Espiscopado
Ilustres professores e professoras, caros colaboradores!



É com grande alegria que acolho-vos na conclusão da anual sessão Plenária da Comissão Teológica Internacional. Gostaria de exprimir, antes de tudo, um um agradecimento pelas palavras que o Cardeal William Levada, na qualidade de presidente da Comissão, dirigiu-me em nome de todos. Os trabalhos desta sessão coincidiram com a primeira semana do Advento, ocasião que nos faz recordar como todo teólogo é chamado a ser homem do advento, testemunha da espera vigilante, que ilumina as vias da inteligência da palavra que se fez carne.


Podemos dizer que o conhecimento do verdadeiro Deus se volta e se nutre daquela 'hora', que nos é desconhecida, na qual o Senhor voltará. Ter essa vigilância e vivificar a esperança da espera não são, portanto, um objetivo secundário para um reto pensamento teológico, que encontra a sua razão na Pessoa daquele que vem ao nosso encontro e ilumina o nosso conhecimento da salvação. 

Hoje tenho o prazer de refletir novamente convosco sobre os três temas que a Comissão Teológica Internacional está estudando nos último anos. O primeiro está relacionado a questão fundamental de toda reflexão teológica: a questão de Deus e em particular a compreenssão do monosteísmo. A partir desse amplo horizonte doutrinal aprofundastes também um tema de caráter eclesial: o significado da Doutrina Social da Igreja, reservando depois, uma atenção particular a uma temática que hoje é de grande atualidade para o pensamento teológico sobre Deus: a questão do status da teologia hoje, nas suas prospectivas, nos seus principios e critérios.


Atrás da profissão da fé cristã no Deus único, se encontra a cotidiana profissão de fé do povo de Israel: "Escuta, Israel, o Senhor e o nosso Deus, único Deus é o Senhor" (Dt 6,4). O excepcional cumprimento da livre disposição do amor de Deus direcionada a todos os homens, se realizou na encarnação do Filho em Jesus Cristo. Em tal revelação da intimidade de Deus e da profundidade da sua ligação de amor com o homem, o monoteísmo de Deus único se iluminou com uma luz completamente nova: a luz trinitária. E no mistério trinitário, se ilumina também a fraternidade entre os homens. 

A teologia cristã, junto com a vida dos fiéis, deve restituir a feliz e cristalina evidência da comunidade da revelação trinitária. Apesar dos conflitos etnicos e religiosos no mundo tornar mais dificil acolher a singularidade do pensar cristão de Deus e do humanismo que se inspira nele, os homens podem reconhecer no Nome de Jesus Cristo a verdade de Deus Pai para o qual o Espirito Santo clama diante de cada gemido das criaturasA teologia, em fecundo diálogo com a filosofia, pode ajudar os fiés a tomar consciência e a testemunhar que o monosteímo trinitário é a verdadeira fonte da paz pessoal e universal.O ponto de partida de toda teologia cristã é o acolhimento desta revelação divina: o acolhimento pessoal do verbo feito carne, a escuta da Palavra de Deus na Sagrada Escritura. Sobre tal base de partida, a teologia ajuda a inteligência fiel da fé e sua transmissão. 
Toda a história da Igreja mostra que o reconhecimento do ponto de partida não basta para chegar à unidade da fé. Cada leitura da Bíblia se coloca necessariamente em um determinado contexto de leitura, e o único contexto no qual o fiel pode estar em plena comunhão com Cristo é a Igreja e sua Tradição viva. Devemos viver sempre novamente a experiencia dos primeiros discípulos que eram perseverantes no ensinamento dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e na oração.
Nessa prospectiva, a comissão estudou os princípios e critérios segundo os quais uma teologia pode ser católica e também refletiu sobre a contribuição atual da teologia. É mportante recordar que a teologia católica, sempre atenta a ligação entre fé e razão, teve um papel histórico no nascimento da Universidade. Esse papel é hoje mais que necessário, para tornar possivel uma sinfonia das ciências e para evitar as derivas violentas de uma religiosidade que se opõe à razão e de uma razão que se opõe à religião.


A Comissão Teológica estuda ainda a relação entre a Doutrina Social da Igreja e a Doutrina cristã. O compromisso da Igreja não é somente algo humano, nem mesmo com uma teoria social. A transformação da sociedade operada pelos cristãos durante os séculos é uma resposta à vinda no mundo do Filho de Deus:  explendor de tal Verdade e caridade ilumina toda cultura e sociedade. São João afirma: "Nisso conhecemos o amor; no fato que ele nos deu sua vida por nós, portanto, também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos". Os discipulos de Cristo redentor sabem que na atenção ao outro, no perdão, no amor também aos inimigos, nenhuma comunidade humana pode viver em paz; e isso começa na primeira e fundamental sociedade que é a família. 
Na necessária colaboração em favor do bem comum também com quem não partilha da mesma fé, devemos fazer presentes os verdadeiros e profundos motivos religiosos no nosso compromisso social, assim como esperamos dos outros que nos manifestem as suas motivações, a fim que a colaboração se faça com clareza.Quem perceber os fundamentos do agir social cristão poderá também encontrar um estímulo para levar em consideração a mesma fé em Jesus Cristo.
Caros amigos, o nosso encontro confirma em modo significativo o quanto a Igreja tenha necessidade da competente e fiel reflexão dos teólogos sobre o mistério do Deus e Jesus Cristo e de sua Igreja. Sem uma sã e vigorosa reflexão teológica, a Igreja cairia no risco de não exprimir plenamente a harmonia entre fé e  razãoAo mesmo tempo, sem a fiel vivência da comunhão com a Igreja e a adesão ao seu magistério, como espaço vital da própria existência, a teologia não conseguiria dar uma adequada razão do dom da fé.
Transmito através de vós o encorajamento a todos os irmãos e irmãs teólogas que estão espalhados nos vários contextos eclesiais, invoco sobre vós a intercessão de Maria, Mulher do Advento e Mãe do Verbo encarnado, a qual é para nós paradigma do reto teologar, o modelo sublime do verdadeiro conhecimento do Filho de Deus. Seja ela, a estrela da Esperança a guiar e proteger o precioso trabalho que desenvolveis para a Igreja e em nome da Igreja. Com esses sentimentos de gratidão, vos renovo a minha benção apostólica.

Boletim Sala de Imprensa da Sana Sé
(Tradução: Mirticeli Medeiros - equipe do CN Notícias)

Nenhum comentário: