sábado, 5 de novembro de 2011

Raymond Souza, presidente da Human Life International EUA apresenta as razões da premiação a Dom Luiz Bergonzini

Excelência Reverendíssima, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, digníssimo Bispo Diocesano de Guarulhos; Digníssimos senhores Arcebispos, bispos, sacerdotes e religiosos; Digníssimas autoridades civis, senhoras e senhores.

Sinto-me sumamente honrado por estar aqui, neste momento, representando a associação Human Life International, para entregar a Sua Excelência Dom Luiz Gonzaga Bergonzini o Prêmio Von Galen, em reconhecimento pelo heroico cumprimento de sua missão episcopal.

O Prêmio Von Galen foi instituído pela Human Life International para lembrar o bem-aventurado Cardeal Clemens August von Galen.  Ele foi o heroico bispo de Munster na Alemanha, que sob a perseguição do Nazismo, denunciou as injustiças gritantes do regime - injustiças muito semelhantes àquelas hoje cometidas por governos na maioria dos países ocidentais.

Em sua primeira carta pastoral, o Cardeal Von Galen denunciou aquela ideologia neo-pagã. Fez uma refutação científica do ideólogo principal do nazismo, Alfred Rosemberg, mostrando as falsificações e os erros históricos de sua obra "O Mito do Século Vinte".

Mostrou como o nazismo se colocava acima e além da moral, e como até mesmo desejava destruir os fundamentos básicos do Cristianismo - incrível como a história se repete, mesmo em países formados sob a influência benéfica do Evangelho.

Famosos foram seus sermões, nos quais levantou sua voz com força profética contra a eutanásia. Censurou fortemente a matança das pessoas assim camadas "improdutivas", consideradas hoje em dia como pessoas que tem uma "vida que não vale a pena viver".

Suas críticas ao nazismo foram feitas sem nenhuma concessão ao socialismo ou ao liberalismo. Estavam solidamente ancoradas no ensino perene da Igreja.

O testemunho heroico de Von Galen é um valioso incentivo e inspiração para os católicos de nossos dias, que estão comprometidos com o estabelecimento do Reino Social de Jesus Cristo, sem fazer nenhuma concessão aos erros do n osso tempo.

Este prêmio já foi concedido a outros prelados que se tem distinguido na defesa da vida e do ensinamento moral da Igreja Católica, como por exemplo, o Cardeal Alfonso Lopes Trujillo, ex-presidente do Conselho Pontifício para a Família;  o Cardeal Christian Tumi, de Duala, nos Camarões e o Arcebispo Antonio Arregui, de Guayaquyil, presidente da Conferência Episcopal do Equador, bem como a vários outros prelados na América do Norte.  O primeiro brasileiro a receber o prêmio  foi Dom Jopsé Cardoso Sobrinho, Arcebispo Emérito de Olinda e Recife.

Diante da iniquidade do crime do aborto, a Igreja não pode manter silêncio. Fazê-lo seria uma grave omissão, e, pior ainda, poderia ser interpretado como um assentimento tácito, que poderia levar muitos a pensar que a Sagrada Hierarquia está pactuando com a injustiça.

Dom Luiz, os ecos que nos chegam aos Estados Unidos de vosso trabalho episcopal aqui no Brasil tem confirmado que Vossa Excelência tem agido como um fiel sucessor dos Apóstolos, ao proclamar a verdade da sacralidade da vida. Deu corajoso testemunho de que o bem da vida que recebemos de Deus todo-poderoso é totalmente não-negociável, e que a vida de um inocente que ainda não nasceu, deve ser protegida, sempre e em todo lugar.

Vossa Excelência pregou e agiu segundo esta verdade, convencendo, repreendendo e exortando, assim como São Paulo, que foi exemplo para São Timóteo, seu discípulo e primeiro bispo de Éfeso.

Human Life Internacional faz suas as palavras iniciais do Dr. João Carlos Biagini, advogado da Mitra Diocesana, publicadas na revista Época a respeito dos cem brasileiros mais influentes: "Dom Luiz é o símbolo do sacerdote apaixonado pelo Evangelho e por Jesus Cristo. Para ele e para a Igreja Católica, a vida deve ser preservada desde a fecundação até a morte natural. As duas manifestações do Papa, sobre as eleições e a responsabilidade dos bispos, provaram que Dom Luiz está em sintonia com o Vaticano".

No trabalho educativo da Associação Human Life International que desempenho, eu mesmo tive a oportunidade de citar  Vossa Excelência em palestras públicas em vários países. Nos Estados Unidos, existe o mito de que o sacerdote ou o bispo não deve jamais falar de política, ou dar sua opinião nas eleições. É uma espécie de ídolo publicitário.

Mas vossos pronunciamentos mostraram que o ídolo tem pés de barro: "Devemos distinguir partido político de política. (...) A Igreja não tem o direito de fazer política? A Igreja tem o dever de a fazer! Como cidadão eu tenho o direito e, como bispo, como cristão, tenho o dever de fazer política, o dever de ser político. Não partidário. Não seguidor de uma sigla. Em nosso partido, o chefe é Jesus Cristo, e nossa arma, nossa lei, é o Evangelho!"


Esta distinção tão simples e tão verdadeira, excelência, tem sido de grande ajuda para muitos eclesiásticos americanos que começam a se dar conta de que enquanto cidadãos e contribuintes, elem tem o direito de falar, e enquanto pastores de almas eles têm o dever de clamar contra os lobos que querem destruir o rebanho a eles confiado.

Assim também se pronunciou o Santo Padre Bento XVI: "Quando os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem os pastores têm um grave dever de emitir um juízo moral, mesmo em matérias políticas."


E Vossa Excelência ressaltou a necessidade de se ter caridade para com os que erram, dando oportunidade para se corrigirem. E acrescentou: "O correto é sim, sim; não, não! Não existem meias verdades. Ou é verdade ou não é! Mas, quando preciso, é "oportuno que imitemos Jesus Cristo que expulsou os vendilhões do Templo". É isso aí - dá-lhes!

Em resumo, Vossa Excelência merece todo louvor, porque vossos pronunciamentos em defesa do direito da vida forneceram um exemplo luminoso a ser seguido pelos vossos irmãos no Episcopado no mundo inteiro.

Este exemplo foi e é brilhante, porque, lamentavelmente, seja na América do Norte ou na do Sul, na Europa ou na Ásia, os bispos que têm coragem de falar com força e clareza em defesa da vida e da família, não são precisamente os mais numerosos.

Vossa Excelência também forneceu um sinal de esperança para o movimento pró-vida no mundo inteiro, porque é próprio dos leigos católicos, na sua militância em defesa da vida e da família, desejar ser liderados por bispos vigorosos.

Peço a Nossa Senhora da Conceição, padroeira da Catedral Diocesana de Guarulhos, que Ela interceda constantemente por Vossa Excelência, de modo a que recebe graças superabundantes para continuar vosso ministério pastoral em defesa da Vida e da Família.


Jorge Ferraz, Pe. Mateus Maria, Alexandre, Ernesto Mendonça e Wagner Moura:
blogueiros pró-vida com o premiado Dom Bergonzini
É com prazer que tenho a honra de convidar o padre Shenan Boquet, presidente da Human Life Internacional, para apresentar a Dom Luiz Gonzaga Bergonzini o Prêmio Cardeal Von Galen.

Raymond Souza
Human Life Internacional EUA.

Nenhum comentário: