domingo, 21 de agosto de 2011

Madri - O perdão por aborto


Papa Bento XVI autorizou os padres que atenderam confissões na Jornada Mundial da Juventude de Madri a concederem o perdão por aborto. 

O católico que praticar ou auxiliar na prática do aborto está automaticamente excomungado, ou seja, não pode mais participar da comunhão.

17 de agosto de 2011 | 23h04 | 
O Vaticano concedeu a padres o direito de perdoar a prática do aborto quando ouvirem as confissões de centenas de milhares de jovens que participarão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que receberá hoje Bento XVI. O evento vem sendo criticado por muitos espanhóis, que acusam o governo de ajudar a financiar a JMJ com dinheiro público. Grupos em defesa dos direitos dos gays prometem um “beijaço” na chegada do pontífice.A visita do chefe da Igreja Católica vai durar quatro dias e terminará com uma missa para dois milhões de pessoas, domingo, no aeródromo Cuatro Vientos.O aborto é considerado pecado a ser punido com excomunhão dentro das regras da Igreja Católica. Durante a JMJ, peregrinos vão participar de uma confissão em massa, na presença do papa, em um parque de Madri.“Essa (concessão) é para facilitar aos fiéis que participarem das celebrações a obtenção dos frutos da graça divina”, afirmou a arquidiocese de Madri em seu website.Duzentos confessionários portáteis foram colocados no Parque Retiro. Neles, centenas de padres vão receber confissões, em diferentes línguas, de peregrinos vindos de todo o mundo.Bento XVI vai sentar-se em um dos confessionários, sábado, para ouvir confissões de três visitantes, antes de uma missa com até 6 mil seminaristas.O Vaticano já anunciou, em agosto, que havia autorizado uma indulgência total ou plena para todos os jovens que participarem das celebrações. A indulgência é a remissão da pena temporal que uma pessoa recebe por pecados que foram perdoados e é tradicionalmente concedida na JMJ.

As pessoas que confessaram e receberam o perdão puderam comungar e voltaram ao convívio e à comunhão com Jesus Cristo e com a Igreja Católica.

Nenhum comentário: