sábado, 27 de agosto de 2011

Fé na Grã-Bretanha, um ano depois da visita do Papa

Rainha Elizabeth e Bento XVI
26/08/2011

Revoltas em Tottenham, crise da City, escândalo na mídia: também na Grã-Bretanha se observam os sinais dos tempos, com a queda das antigas instituições e as incertezas do novo que chega.

Neste contexto, alguns especialistas do mundo anglo-saxônico se encontraram, em 21 de agosto, no Meeting de Rimini para refletir sobre os efeitos da visita do Papa Bento XVI à Grã-Bretanha, realizada em setembro do ano passado.

Segundo o editor irlandês do Irish Times, John Waters, “a visita do Papa à Inglaterra foi fundamental porque alcançou o coração do mundo anglófono”.

No começo, explicou Waters, os meios de comunicação se centraram nas hostilidades; depois, “de repente, perceberam que havia algo maior acontecendo”.

Austin Ivereigh, coordenador do movimento Catholic Voices, explicou como, no Reino Unido, se está vivendo uma série de crises que colocam em dúvida o modelo “liberal”, do qual já são evidentes os limites.

O primeiro-ministro, David Cameron, falou da “Grã-Bretanha destruída” e Ivereigh afirmou que a Igreja Católica tem uma contribuição própria a oferecer.

Segundo o coordenador de Catholic Voices, a Igreja Católica “pode ajudar a recompor esta Grã-Bretanha destruída” porque, como disse o Papa Bento XVI, “razão e fé precisam uma da outra. Não basta o individualismo liberal. A política e a conveniência precisam de um fundamento ético”.

A propósito disso, John Milbank, professor de Religião, Política e Ética na Universidade de Nottingham, quis precisar que o Papa “atraiu a atenção sobre as origens latinas e católicas do constitucionalismo britânico”.

“Não é verdade – acrescentou o professor, anglicano – que tudo o que é válido na esfera política deriva somente das revoluções americana e francesa. Há raízes medievais e inclusive anteriores.”

Milbank fez votos de um constitucionalismo fundado “no reconhecimento de um bem superior”, porque a fraternidade “é impossível sem Deus e sem Jesus Cristo”.

Adrian Pabst, leitor de Política e Religião na Universidad de Kent, na Cantuária, constatou a crise pan-europeia que afeta também os Estados Unidos, e reivindicou a necessidade de “uma democracia cristã popular, diferente daquela da pós-guerra, que não se baseie nos partidos, mas na sociedade civil”.

Segundo Pabst, os modelos dominantes de democracia e de capitalismo são indiferentes aos valores absolutos e à verdade; por isso, é necessário, como advertiu Luigi Sturzo, fundador da Ação Católica, fazer referência à Igreja, que é um elemento constitutivo da sociedade civil.

Fonte: Zenit

Nenhum comentário: