terça-feira, 12 de julho de 2011

ONU DENUNCIA ESTUPROS EM MASSA NO CONGO

Cidade do Vaticano, 11 jul (RV) – Mulheres, crianças e também homens, principalmente nas províncias do Nordeste e do Sul do Lago Kivu, são freqüentemente vítimas de estupros cometidos por grupos de milícias. 

É o que revela uma investigação das Nações Unidas que relata que os ataques cometidos entre 30 de julho e 2 de agosto de 2010 foram premeditados e executados de modo sistemático. Ação que pode configurar crime de guerra e contra a humanidade. 

Naquele período, 387 pessoas foram estupradas, entre as quais 300 mulheres. Enquanto isso, o coronel congolês, acusado junto com quase 200 soldados, de ter cometido estupros em massa nos recentes ataques contra vilarejos, rendeu-se e isolou-se numa base do exército. 

Neste ataque mais recente, entre 10 e 13 de junho, de acordo com o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, mais de 170 mulheres foram violentadas. Mathilde Muhindo, diretora do Centro Olame para a recuperação de mulheres vítimas da violência, conversou com a Rádio Vaticano direto da cidade de Bukavu.

“Não é possível entender esta fúria contra as mulheres, num país que se define democrático. A guerra não foi declarada, mas nas vilas, durante a noite, existem pessoas que não dormem nas próprias casas porque temem ataques dos milicianos. Eles vão em busca sobretudo das mulheres, que nada tem a ver com a política do Congo". 

Apesar da colaboração de miliares de "peacekeepers" das Nações Unidas, como revelam os observadores, o governo central de Kinshasa não conseguiu ainda retomar o controle do território. (RB)


11/07/2011 17.05.37  -   Rádio Vaticana    

Nenhum comentário: