domingo, 12 de junho de 2011

Igreja Católica apóia greve dos professores em Fortaleza

Prefeitura pede ilegalidade da greve; professores ganham apoio da Igreja

Após 45 dias de paralisação, Prefeitura de Fortaleza foi à Justiça para obrigar os professores a voltarem às salas de aula.Igreja lançará carta de apoio a grevistas
11.06.201101:30
A Procuradoria Geral do Município (PGM) ingressou com uma ação na Justiça solicitando que seja considerada ilegal a greve dos professores da rede municipal de Fortaleza, que já se arrasta há 45 dias. O requerimento foi protocolado na tarde de ontem no Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJ-CE).

A Prefeitura de Fortaleza já havia alertado que pediria a ilegalidade da greve caso a Secretaria Municipal de Educação (SME) confirmasse a paralisação nas escolas. O balanço apresentado pela pasta revelou que 65 escolas estão paralisadas e 134 estão com as atividades parcialmente suspensas. Ao todo, a rede municipal de Fortaleza possui 449 escolas.
A ação será avaliada pelo desembargador Teodoro Santos, que responde por todos os questionamentos relacionados à paralisação dos docentes. Na condição de relator, ele mediará, na segunda–feira, uma audiência de conciliação entre o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute) e representantes do Executivo municipal, às 13h 30min, no TJ-CE. Somente no caso de desacordo entre as partes, a legalidade da greve será julgada.
“Só esperemos que a Prefeitura encaminhe uma proposta válida para termos uma saída negociada para esse conflito. Nós que pedimos a negociação”, afirmou a presidente do Sindiute, Gardênia Baima.
Conforme O POVO publicou na última quinta-feira, a prefeita Luizianne Lins (PT) ameaça cancelar o pagamento da primeira parcela do 13º salário aos professores que aderiram a greve. Eles devem receber um adiantamento de 40% até o fim de junho.
Por meio da assessoria de comunicação da PGM, o procurador geral do município, Martônio Mont’Alverne, informou que só concederá entrevistas sobre o assunto após a audiência.

Apoio Cristão
Após uma reunião com representantes do Sindiute, na tarde de ontem, o bispo auxiliar da Arquidiocese de Fortaleza, Dom José Luiz, formalizou o apoio da Igreja à greve dos professores.
Eles voltam a se reunir segunda-feira, na na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no Bairro de Fátima. “A igreja declarou o apoio à greve dos professores e informou que divulgará uma carta, reafirmando o apoio, e se colocando como interlocutora da greve no que for possível”, afirmou Gardênia
Por quê

ENTENDA A NOTÍCIA

Os professores em greve alegam que a Prefeitura não está respeitando a Lei do Piso, que prevê, por exemplo, salário base de R$ 1.187. O Executivo, por sua vez, garante que ninguém recebe salário inferior a esse valor.

Fonte:  O Povo

Nenhum comentário: