sábado, 30 de abril de 2011

João Paulo II o "João de Deus" do Brasil

Brasil, 1980, a visita mais esperada e marcante da época sem dúvida foi a de João Paulo II. Cerca de 50 milhões de pessoas acompanhavam pelos meios de comunicações, o famoso beijo do Santo Padre no chão da base aérea de Brasília, por volta das onze da manhã, ao pisar em solo brasileiro. O espaço de aproximadamente 20 centímetros do solo "sagrado", foi marcado a giz e, mais tarde, cuidadosamente recortado como recordação.



A vinda do Papa ao Brasil reuniu nada mais nada menos, que a maior multidão já atraída em toda a história do país ao longo dos tempos. A menção "João de Deus" surgiu a partir de uma canção composta especialmente por ocasião da estadia de João Paulo II no país. Por onde ia, ele era recebido com grande alegria, músicas e rimas; embalava os corações de homens mulheres, jovens e idosos, sempre muito sorridente.


Foram 13 dias inesquecíveis que impressionaram as pessoas que puderam vê-lo e até partilhar com ele alguns momentos de paz e alegria. Na Esplanada dos Ministérios (Brasília), 2,5 milhões de pessoas assistiram e se emocionaram com sua primeira missa no país. Até mesmo alguns presos de comportamento pacífico receberam cinco dias de liberdade por ocasião desse acontecimento.


João Paulo II começou sua peregrinação pelo Brasil, em Brasília; partindo para Belo Horizonte, onde passou algumas horas; em seguida no mesmo dia, para o Rio de Janeiro, onde Sua Santidade ficou comovido ao ver tanta pobreza e, num gesto de amor profundo, doa um de seus anéis a um padre que o acompanhava, dizendo: "Venda este anel pelo preço mais elevado que conseguir e distribua o dinheiro entre favelados." No dia seguinte rumou à cidade de São Paulo, onde celebrou uma missa no Campo de Marte, debaixo de muita chuva, reunindo cerca de 4 milhões de pessoas. Também ele esteve em Aparecida, na Basílica de Nossa Senhora, proferindo as bênçãos sobre a imagem da Mãe Maria.
Suas viagens pelo Brasil terminaram na capital amazônica, onde ele visitou comunidades indígenas e brincou com as crianças de uma das tribos. Ao despedir-se, demonstrou profundo carinho pelo Brasil, dizendo que estaria de volta brevemente, se Deus assim o permitisse.


ELE ESTÁ DE VOLTA!
Pela segunda vez, em 1991, João Paulo II visita a Terra de Santa Cruz a convite da CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Dessa vez foi entre 12 e 21 de outubro, data especialmente escolhida pelo Sumo Pontífice por ocasião do XII Congresso Eucarístico Nacional.


Seu agradecimento a Deus foi especial por poder aceitar o convite feito pelo Episcopado brasileiro. No encerramento do XII Congresso Eucarístico Nacional, que aconteceu na cidade de Natal-RN aos 13 de outubro, o Santo Padre celebrou uma missa, expressando verdadeira satisfação por estar novamente neste país:
"Agradeço a Deus Todo-Poderoso que me permitiu atender ao fraterno convite do Episcopado brasileiro, bem como ao que foi feito por Vosso Presidente, dando-me novamente a oportunidade de beijar o solo e abraçar emocionado esta Terra da Santa Cruz."


O objetivo do Papa foi de renovar o ardor da Evangelização e, na cidade de Florianópolis, pode-se presenciar fortemente um exemplo vivo do assumir a missão, com a beatificação de Madre Paulina. Com isso, fez suscitar em muitos corações a vocação religiosa.


BEM VINDO AO PAPA CARIOCA
João de Deus retorna ao Brasil em 1997, dessa vez desembarcando na cidade do Rio de Janeiro, cidade que já não visitava há 17 anos. Acontecia o II Encontro Mundial do Papa com as Famílias, ocasião essa que foi dada como vitoriosa para a nação católica.


Embora com uma saúde mais debilitada, o Papa demonstrou grande alegria, arrancando risadas dos fiéis na celebração de encerramento do II Encontro Teológico Pastoral, onde proferiu algumas frases de improviso, como: "Se Deus é brasileiro o Papa é carioca; em Porto Alegre dizem que o Papa é gaúcho; na Bahia também".


Sua visita ao Rio de Janeiro durou quatro dias e milhões de pessoas puderam ouvir as várias mensagens de fé e amor que o Sumo Pontífice dava a todos por onde passava. Uma das mensagens mais profundas do Papa foi ao condenar o aborto como um crime abominável e uma vergonha para a sociedade, sendo também causa de destruição para as famílias.


Ao retornar para Roma, o Papa João Paulo II desejou ardentemente que o Brasil se voltasse com olhares especiais para a evangelização das famílias e também da sociedade.


Fonte: Canção Nova

Nenhum comentário: