terça-feira, 22 de março de 2011

Política – Partidos – Religião/Teologia – SER CRISTÃO


No mês de julho de 2010, redigi e publiquei o artigo “Dai a César o que é de  César e a Deus o que é de Deus”. (Ver aqui) Na época, portanto antes das eleições, houve vários questionamentos sobre a legitimidade de a Igreja e seus Pastores se manifestarem politicamente, não faltando aqueles que indevida e injustamente negavam-lhes esse direito.

Passando o fervor das eleições, julgamos oportuno este nosso artigo afirmando categoricamente que a nós cabe não somente o direito como também a obrigação de nos manifestar. Como cidadãos temos o direito e como Pastores a obrigação de orientar nossos fiéis o reto uso de sua condição de cidadãos e cristãos.

Para tanto, julgamos oportuno e até necessário deixar bem claro o que significam Política, Partido Político, Religião e Ser Cristão.

Política. É a ciência do Bem Comum e, portanto, abrange todos os cidadãos, independentemente de sua raça, cor, religião, condição social, etc...cabendo a todos o direito de se manifestar. Habitualmente confunde-se Política com partidos políticos.

Partido político. É uma agremiação de pessoas (parte da sociedade e por isso se chama partido) que, de acordo com suas convicções, dispõe-se a promover e defender os interesses de seus partidos, prescindindo-se do interesse da comunidade no seu todo. Por aí se vê a diferença fundamental entre política e partido político.

Religião/Teologia. É a ciência que trata do relacionamento do homem com Deus; da criatura com seu criador. Assim é o conjunto de princípios, atitudes e comportamentos que orientam e definem nosso comportamento com Deus, a quem atribuímos a autoridade suprema, acima de todo e qualquer partido político ou concepção sociológica. Já, por aí, se percebe a sublimidade dessa ciência, da Religião sobre a Política. Enquanto a Política se refere às relações dos homens entre si, a Teologia trata como objeto a verdade sobre Deus e o relacionamento do homem com Deus, o Universo e a própria humanidade. Inverter essa ordem é introduzir na sociedade, entre os homens, o desequilíbrio, a desordem e principalmente o ordenamento político do próprio homem como pessoa indivisa e credora de todos os direitos que lhe competem como ser racional, criado por Deus, com os dons da inteligência, vontade e liberdade.

Igreja. É uma comunidade divino-humana que reúne os fiéis cristãos e que professando a fé em Jesus Cristo, no Evangelho, constituem-se em comunidade humana, porque composta de homens e divina porque instituída por Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Toda e qualquer Igreja que não seja essa, não é Igreja de Cristo.

Ser Cristão. Assim, no citado artigo afirmei que ser católico, ser cristão, é seguir Jesus, seu Evangelho,
 pensar, falar e agir em consonância com os ensinamentos de Cristo. Nada acrescentamos aos ensinamentos de Jesus. Ao contrário, repetimos e reafirmamos os mesmos ensinamentos de Jesus ao condenar todo e qualquer homicídio ou atentado contra a própria vida ou de qualquer ser humano. Grupos políticos, pessoas ou programas de governo que defendem o aborto como questão de saúde pública, colocando-se contra Cristo e seu Evangelho, e que tentam liberar a prática do aborto ou da eutanásia, tirando a vida a um ser humano, não merecem e não podem dizer-se cristãos.

A vida humana é um dom de Deus; só a Ele pertence determinar o seu fim natural.
Dom Luis Gonzaga Bergonzini
Bispo Diocesano de Guarulhos

Um comentário:

Luiz Carlos disse...

Conheça este homem abençoado de DEUS, travou e trava batalhas em favor da vida, uma luta constante sem se cansar apesar de tantas tribulações fisicas na qual ele ja passou mas continua firme no Sacerdócio que DEUS o enviou.
Dom Luiz conte com nossas orações que DEUS te abençõe e Maria nossa Mãe o envolva em coração, neste momento pedimos a sua benção a todas as Familias do mundo inteiro.
AMEM!