sexta-feira, 25 de março de 2011

Desmascarando o grupo abortista “Católicas pelo Direito de Decidir"



A verdade sobre as “Católicas pelo Direito a Decidir”

No ano 2000, a imprensa brsileira publicou um artigo por ocasião do Dia Internacional de luta contra a AIDS, entitulado “Doutrina católica sobre a fidelidade favorece epidemia, afirma teóloga”, em que uma suposta “especialista católica” critica a Igreja por promover a castidade.

A “especialista” em questão era Yury Puello Orozco, representante do polêmico grupo feminista e abortista “Católicas pelo Direito a Decidir” no Brasil.

Que um grupo de mulheres que se proclamam católicas questionem um ensinamento tão fundamentado da Igreja, chamou a atenção de Jerson Lourenço Flores Garcia, representante do Movimento em Defesa da Vida (MDV). Por isso, Flores não duvidou em revelar a natureza nada católica das CDD e a que se dedicam.
Além de ensinar que se trata de uma organização abortista norte-americana e que seu objetivo principal é eliminar ao maior opositor do mundo contra o aborto, a Igreja Católica, Flores recorda em uma nota esclarecedora que as CDD se esforçam para convercer aos católicos de que o aborto é uma alternativa eticamente válida para as mulheres católicas, “desprezando e ridicularizando os ensinamentos fundamentais da Igreja, promovendo agressivamente a contracepção e o aborto”.
Flores descreve um dos documentos mais característicos do grupo entitulado “Mulher… Corpo… Desejos… Direitos… Vida, Muita Vida”, da autora Carolina Teles Lemos. Em tal publicação há surpreendentes interpretações de passagens bíblicas com freqüência citadas pelos católicos para falar do amor conjugal e da família, como Cântico dos Cânticos 4, 1-15, um fragmento de um apaixonado discurso do Rei Salomão à sua esposa.
Segundo a autora a passagem bem poderia se referir aos elogios de um namorado a sua namorada e não “se reduzir” ao matrimônio. Assim mesmo, Teles sustenta que quando Cristo disse que devemos buscar a “vida em abundância”, quer dizer que não “gostaria que um bebê nasça com deficiências nem que as mulheres os tenha em momentos difíceis de sua vida”, quer dizer que só os “humanos perfeitos” ou os concebidos em “determinados momentos” têm direito a viver.

Em outra parte da publicação, Teles se refere à passagem da Anunciação. “Quando o Anjo apareceu a Maria e lhe perguntou se queria ser a mãe de Deus, ela pensou muito primeiro, para depois dizer que sim.

Se Deus dá a Maria a oportunidade de decidir, temos que acreditar que nos dá a mesma chance, não acham?, questiona Teles. Segundo Flores, a intenção desta falácia é convencer ao leitor “de que a vontade humana deve se impor à vontade de Deus”. Entretanto, o pró-vida parece não se surpreender com estes argumentos, considerando a história do grupo fundado por Frances Kissling, uma mulher que viveu algum tempo em um convento das Irmãs de São José (EUA), e ao abandoná-lo dirigiu uma clínica de abortos em Nova York.

As CDD financiam suas atividades com milhões de dólares recebidos de grupos norte-americanos abertamente anti-vida como a Fundação Ford.

Na América Latina sua agenda é clara:

Apoiar a dissenção católica no tema do aborto e os contraceptivos.
Proporcionar aos católicos uma “alternativa racional” à doutrina da Igreja.
“Educar” sobre os direitos de saúde reprodutiva (aborto e anticoncepção sistemática) na América Latina.
Segundo Flores, as CDD não são católicas porque “perventem o sentido da liberdade humana. Ao interpretar os crimes contra a vida como legítimas expressões da liberdade individual, exigindo ou reconnhecendo legalmente o direito de matar, se subverte a base dos direitos humanos e se nega o direito à vida”.
Católicos e abortistas?
O Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz, encarregado de um dos apostolados pró-vida mais exitosos de Anápolis, precisa por sua parte que é impossível que os católicos apoiem o aborto, do que se deduz que as CDD são falsas católicas. Segundo Padre Lodi, quando os católicos se sentem confundidos pelas argumentações a favor do aborto, simplesmente devem recorer a documentos eclesiais como a encíclica de João Paulo II, Evangelium Vitae, para constatar que os ensinamentos da Igreja vão na contra-mão da moral e o aborto sempre será algo mal por implicar a morte deliberada de um ser humano inocente.
O Padre Lodi sustenta que não se pode matar a um bebê nem sequer para salvar a vida da mãe porque ambas são vidas humanas independentes. Se teoricamente se dá o caso, nada se pode fazer e nunca é lícito “fazer o mal para que daí se tire o bem”. Tanto a vida da mãe como a da criança são absolutamente iguais, acrescenta o sacerdote e precisa que ambos são “seres humanos criados a imagem e semelhança de Deus, possuidores de uma alma imortal e de um destino sobrenatural”.
O Padre Lodi indica que o aborto tampouco é “lícito em casos de violação porque a repugnância contra o crime nunca poderá se converter em repugnância contra um inocente concebido. A vida sempre é um dom de Deus, ainda quando surge em circunstâncias pecaminosas”.

Bispo boliviano desmascara a grupo abortista “Católicas pelo Direito de Decidir”

O bispo do Oruro e presidente da Fundação “Vida e Família”, Dom Cristóbal Bialasik, advertiu à sua paróquia que as autodenominadas “Católicas pelo Direito de Decidir” não formam parte da Igreja e confundem os fiéis com sua aberta promoção do aborto.
Em um artigo publicado no jornal ‘La Patria’, o Bispo denunciou que as CDD são “uma organização abortista americana e que seu objetivo principal é eliminar o maior opositor do mundo contra o aborto, a Igreja Católica”, esforçando-se “por convencer católicos e não católicos de que o aborto é uma alternativa eticamente válida para as mulheres católicas, desprezando e ridicularizando os ensinos fundamentais da Igreja, promovendo agressivamente a anticoncepção e o aborto“.
O Bispo advertiu que as CDD “financiam suas atividades com milhões de dólares recebidos de grupos americanos abertamente anti-vida como a Fundação Ford” e na América Latina sua agenda é claramente abortista e anti-católica.
“Quero esclarecer, que segundo o ensinamento da Igreja Católica, não se pode matar a um bebê nem sequer para salvar a vida da mãe porque ambas são vidas humanas independentes. Se teoricamente se der o caso, nada pode ser feito e nunca é lícito ‘fazer o mal para que daí provenha o bem’”, recordou.
Dom Bialsik considerou que o grupo deveria denominar-se “Pelo direito a abortar”, algo que “é completamente contrário e contraditório com o autêntico ensino da Igreja Católica, aonde se afirma sem lugar a dúvidas que o aborto é um crime”.

no méxico

Esse mesmo grupo espalhou no méxico anúncios nas diversas zonas da cidade, que fazem parte de uma campanha de desinformação das autodenominadas “Católicas pelo Direito a Decidir” (CDD) quem manipulando o Código de Direito Canônico pretendem apresentar “exceções” onde o aborto não estaria penalizado com a excomunhão.
Esta manipulação já foi explicada pelo Bispo de San Cristóbal de Las Casas, Dom Felipe Arizmendi quem advertiu que as CDD interpretaram tendenciosamente o cânon 1323 do Código de Direito Canônico, que “contém uma série de atenuantes, que exoneram não do pecado, mas sim da pena imposta pela legislação eclesiástica”.

As CDD pretendem enganar às mulheres católicas em diversos estados mexicanos.

Por sua parte, o Arcebispo de Guadalajara, Cardeal Juan Sandoval Iñiguez, também advertiu que este agrupamento anti-católico promove “a todo custo ações contra a vida”.

Em uma circular do passado 4 de junho, o Cardeal alertou que “umas mulheres ativistas que se denominam a si mesmos Católicas pelo direito a decidir, estão usando todos os meios ao seu alcance para difundir, dizem elas, a doutrina da Igreja que permite o aborto”. “Estas mulheres não são católicas” e que se trata em realidade de uma organização paga “por organismos internacionais empenhados em promover a todo custo ações contra a vida, sobre tudo no terceiro mundo, tais como a pílula, ligações (de trompas), a homossexualidade e agora o aborto”, denunciou.
O texto explica ademais que “o aborto intencional e direto em nenhum caso é permitido pela moral cristã”, nem sequer quando a gravidez é produto de uma violação ou quando há má formação no bebê, quando a vida da mãe corre risco ou quando esta vive em pobreza extrema. Esclarece que “nunca é lícito matar um inocente para remediar algum outro mal”.

POR: NIELLY CRUZ    EM:6 DE SETEMBRO DE 2010


Fonte: ACI Digital

Nenhum comentário: