quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O povo quer a vida, Cabral quer a morte - é tempo de vida, do nascimento de Jesus

O governador do Rio de Janeiro, Exmo. Sr. Sérgio Cabral, quer a morte. Em palestra que fez a dezenas de empresários, em São Paulo, fez a seguinte pergunta: “Quem aqui não teve uma namoradinha que teve que abortar ? O Evangelho de São Mateus diz o seguinte: “Raça de cobras venenosas! Se vocês são maus, como podem dizer coisas boas? Pois a boca fala aquilo de que o que o coração está cheio.” (Mt., 12,34). O governador deixou com essa frase a idéia de que ele já participou de um aborto com uma sua namoradinha e mostrou um machismo inaceitável nos dias atuais. Para ele, a mulher serve, somente, para satisfação de instintos sexuais primitivos e, depois disso, se houver uma gravidez inesperada, ela, mulher, deve matar o ser humano inocente e indefeso que está em seu útero, tornando-se uma assassina.
A “namoradinha” vai carregar a marca do assassinato por toda a vida dela.
O povo brasileiro quer a vida. O Ibope, em pesquisa recente, apurou que 82% do povo é contra a liberação do aborto. Com isso, o povo está dizendo que não quer o assassinato de seres humanos inocentes e indefesos.
Alguns administradores públicos e legisladores, eleitos pelo povo, querem implantar a cultura da morte no Brasil. Para impedir que as mulheres, os cristãos e as pessoas de bem defendam a vida humana, aplicam-lhe rótulos que entendem pejorativos, como “reacionárias”, “retrógradas”, “hipócritas” e outros adjetivos.
A Igreja Católica há mais de 2000 anos defende a vida. Jesus Cristo disse: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância.”(Jo, 10,10). A defesa dos direitos humanos é uma necessidade nos dias atuais. A vida é o principal direito humano. É um bem de Deus. Ninguém pode tirá-la, só Ele.
As mulheres continuam a ser coisificadas por muitas pessoas. Cerca de 10 mulheres são assassinadas por dia no Brasil. Milhares são espancadas. Muitas morrem nas portas ou dentro dos hospitais, desaparelhados e sem condições de dar atendimento digno a elas. Muitas gestantes não conseguem atendimento médico ou realização de exames pré-parto. A mulher sempre deve ser atendida dignamente pelos sistemas de saúde, muito mais e especialmente, no período da gestação, desde o momento da fecundação.
Retrógradas e reacionárias são as pessoas que querem praticar a eugenia ou, por motivos econômicos, realizar um holocausto no Brasil, matando milhares de nascituros nos úteros de suas mães. Retrógradas e reacionárias são as pessoas que querem obrigar ou obrigaram suas “namoradinhas” a matar seus próprios filhos, tornando-as assassinas de seus próprios filhos. Quem defende a morte de um ser humano, em qualquer estágio da vida, no útero de sua mãe ou na velhice, não é um progressista, mas um cultivador da morte.
As mulheres não querem assassinar seus filhos, pois elas são geradoras da vida, uma graça de Deus. As mulheres precisam reagir contra a intenção de torná-las partícipes de um assassinato em massa.
Ao anúncio do anjo Gabriel, “Ave, cheia de Graça, o Senhor está com você”(Lc 1,26), Maria não hesitou. Com todas as dúvidas que tinha, disse Sim.
Maria gerou Jesus, o Redentor da humanidade. Com o Natal, comemoramos o nascimento de Jesus, o nascimento da vida! Como Maria protegeu a vida de Jesus, fugindo do assassinato em massa executado por Herodes, precisamos fugir dessas pessoas que cultuam a morte, que hoje querem matar os nossos filhos inocentes e indefesos.
Roguemos a Nossa Senhora Imaculada Conceição e a Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos protejam, em Guarulhos e em todos os rincões do Brasil.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!
Dom Luiz Gonzaga Bergonzini
Bispo Diocesano de Guarulhos
19.12.2010

Nenhum comentário: